Vinícola lança rosé com embalagem que muda de cor quando o vinho está na temperatura ideal

O rosé da linha 120 Reserva Especial, da vinícola chilena Santa Rita, ganhou roupagem tecnológica, que indica quando é a hora certa de bebê-lo

Acertar a temperatura correta para o consumo de um rosé não chega a ser uma dor de cabeça. Às vezes gela-se demais, às vezes não o bastante. Paciência. Nada que mergulhar a garrafa em um balde de gelo não resolva, ou uns minutos extras em temperatura ambiente. A vinícola chilena Santa Rita acaba de apresentar uma solução ainda mais prática. Seu rosé da linha 120 Reserva Especial ganhou nova embalagem, que muda de cor quando o vinho atinge a temperatura ideal para o consumo. Isso graças a uma tinta termossensível, com pigmentos que se revelam apenas a 4ºC. É a temperatura que a Santa Rita recomenda para o rosé em questão, um de seus rótulos mais populares.

Seu dinheiro está seguro? Aprenda a proteger seu patrimônio

O Brasil é o primeiro país a conhecer a embalagem tecnológica. Não à toa. No ano passado, as vendas do 120 Reserva Especial Rosé cresceram 31% por aqui em relação a 2019. “Com a novidade, a nossa expectativa é alcançar a venda de 10.000 caixas de 120 Rosé neste ano”, afirma a diretora de marketing da vinícola, Francisca Muñiz. Elaborada somente com uvas syrah, a bebida tem teor alcoólico de 12,7%, notas frutadas e bom equilíbrio entre acidez e doçura. Está à venda em redes como Pão e Açúcar e Extra e custa cerca de 60 reais.

120 Reserva Especial Rosé: nova embalagem

120 Reserva Especial Rosé: nova embalagem (Divulgação/Divulgação)

Não é de hoje que os rosés fazem tremendo sucesso. Chamados, num passado não tão remoto, de “vinhos para quem não entende de vinhos”, caíram pouco a pouco nas graças da crítica e dos consumidores. Há quem os chame de champanhe dos millenials. Outro apelido é água dos Hamptons, em razão do apreço que os habitués dessa região no estado de Nova York têm pela bebida. O cantor Jon Bon Jovi e seu filho, Jesse Bongiovi, por sinal, lançaram o deles, o Diving into Hampton Water.

De acordo com a consultoria Wine Intelligence o consumo dos rosés cresceu 84% na Alemanha entre 2007 e 2017 (no mesmo período, o salto foi de 60% na Inglaterra e de 33% nos Estados Unidos). No Brasil, a importação do produto dobrou de quatro anos para cá, de acordo com relatórios da Ideal Consulting e da Wine Intelligence. Em 2017, representavam 3,1% dos vinhos consumidos pelos brasileiros. Em 2020, esse percentual subiu para 6,3%. Recomenda-se o consumo à beira da piscina, sem comida alguma para acompanhar, ou em conjunto com saladas, peixes, frutos do mar e entradinhas.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.