Ulta aposta em marcas de beleza de empresários negros nos EUA

Em um esforço para amenizar as críticas, os setores de maquiagem e de cuidados com a pele têm assumido compromissos de diversidade depois da morte de George Floyd
 (Divulgação/Bloomberg)
(Divulgação/Bloomberg)
Por Kim Bhasin, da BloombergPublicado em 03/02/2021 09:45 | Última atualização em 03/02/2021 09:45Tempo de Leitura: 2 min de leitura

A Ulta Beauty, maior varejista de cosméticos dos Estados Unidos, planeja aumentar os gastos em programas de treinamento de inclusão e antidiscriminação e aumentará o número de produtos à venda por empresas com proprietários negros enquanto o setor busca abordar a desigualdade racial.

Seu dinheiro está seguro? Aprenda a proteger seu patrimônio

Incluído no compromisso estão US$ 2 milhões para treinamento de funcionários neste ano para “garantir a igualdade nas experiências” dos clientes. Em 2019, vários funcionários da Ulta destacaram a discriminação de clientes nas lojas da empresa.

Em um esforço para amenizar as críticas, os setores de maquiagem e de cuidados com a pele têm assumido compromissos de diversidade depois que a morte de George Floyd pela polícia dos EUA no ano passado gerou protestos generalizados contra o racismo sistêmico.

Como parte dos esforços da Ulta, a empresa vai dobrar o número de marcas de beleza controladas por negros nas prateleiras para cerca de 5% das ofertas nas lojas até o final do ano. A empresa planeja gastar US$ 4 milhões para comercializá-las. Novas marcas incluem a Mented Cosmetics, Keys Soulcare e Blackgirl Sunscreen.

Os executivos ainda não planejam aderir ao programa 15 Percent Pledge, que pede às grandes varejistas que dediquem 15% do espaço nas prateleiras a empresas com proprietários negros. Até agora, 18 redes aderiram, incluindo Gap, Macy’s e a Sephora, rival da Ulta.