Casual
Acompanhe:

Tênis da sorte, boné personalizado e terno: o que vestem os técnicos da Copa do Mundo?

Luis Fernando Suárez, técnico da Costa Rica prefere usar tênis em campo. Porém, seu par de Converse vermelho é mais que um pisante, trata-se de um acessório da sorte

Luis Fernando Suarez, técnico da Costa Rica e seu Converse vermelho. (Marvin Ibo Guengoer - GES Sportfoto/Getty Images)

Luis Fernando Suarez, técnico da Costa Rica e seu Converse vermelho. (Marvin Ibo Guengoer - GES Sportfoto/Getty Images)

J
Julia Storch

29 de novembro de 2022, 16h31

Ainda que estejam dentro de campo, nem sempre o estilo esportivo é adotado pelos técnicos das Seleções de futebol na Copa do Mundo. Enquanto alguns preferem roupas mais formais, como Tite, que sempre aparece em campo de terno, outros treinadores preferem um estilo mais casual, como o colombiano Luis Fernando Suárez, técnico da Costa Rica.

Dentre as peças usadas, há alguns tênis raros, um boné de beisebol personalizado, e até um Converse vermelho da sorte.

Em campo, a Seleção Brasileira estreou a camisa da coleção “Garra Brasileira”, inspirada no pantanal e na onça-pintada, que estampa sutilmente a peça. De acordo com a Nike (que fornece o uniforme para o Brasil), as camisas dos atletas têm tecnologias capazes de ventilar e esfriar diferentemente cada parte do corpo, desenvolvidas com base no “mapa de suor e calor”. Outra novidade é que as peças foram feitas de poliéster 100% reciclado de garrafas, enquanto o desenho teve protótipos digitais para reduzir em até 75% as amostras.

Tite é o terceiro técnico mais bem pago da Copa do Mundo

O técnico brasileiro Tite. (Rodrigo Buendia/Getty Images)

Já na linha lateral, Tite, prefere se destacar da comissão técnica com o terno azul e camisa da mesma cor do blazer. Nos pés, o técnico não cede ao estilo despojado, e prefere sapatos de couro bem polidos.

O estilo adotado pelo moçambicano Carlos Queiroz, atualmente técnico do Irã, era similar ao de Tite. Porém, no jogo contra o País de Gales, Queiroz abandonou a camisa branca e a gravata estampada que usava quando seu time iraniano foi derrotado pela Inglaterra na abertura do Grupo B.

Sob o blazer azul marinho, Queiroz adotou um estilo mais casual, com uma camiseta azul marinho e um colar com pingente de ouro.

Outro ponto em comum são os tênis. Não estamos falando sobre chuteiras, mas sobre sapatos da sorte, sneakers de colecionadores e tênis sustentáveis.

O ex-jogador e atual técnico dos Estados Unidos, Gregg Berhalter, também investe em tênis. No jogo contra a Inglaterra, Berhalter entrou no estádio Al Bayt usando um novo par do TLs Supreme x Nike Air Max 98.

O colombiano Luis Fernando Suárez, técnico da Costa Rica também prefere usar tênis em campo. Porém, seu par de Converse vermelho é mais que um pisante, trata-se de um acessório da sorte.

O ex-zagueiro começou a usar os sapatos após um problema no pé, mas os tênis se tornaram tão místicos que os jogadores o pedem para vesti-los. Ainda assim, a Costa Rica levou sete gols na estreia da Copa do Mundo.

Já Walid Regragui, técnico do Marrocos fez uma grande mudança de visual entre os jogos. Para o primeiro jogo da Copa do Mundo, ele vestiu um terno preto, camisa branca e sapatos formais. Já na segunda partida, decidiu trocar os sapatos pela marca brasileira de tênis sustentáveis Vert.

Nesta sexta-feira, a Seleção Brasileira enfrentará o time de Camarões. Em campo, o técnico Rigobert Song usou o do boné de beisebol personalizado com o inscrito “La Theorie Du Danger”, usado durante a classificação para a Copa do Mundo.

“Quando você sabe que está em perigo, você não está mais em perigo. É quando você não sabe que está em perigo, que está em perigo. É disso que se trata”, explicou o camaronense sobre a frase. Talvez o acessório caia bem para o próximo jogo.

O técnico Rigobert Song. (Christian Charisius/dpa/Getty Images)

Conheça a newsletter da EXAME Casual, uma seleção de conteúdos para você aproveitar seu tempo livre com qualidade.