Queda do aluguel em NY atrai caçadores de pechinchas

Os aluguéis em todos os bairros de Nova York analisados pela StreetEasy mostraram o declínio mais rápido ano a ano em janeiro em pelo menos uma década

A pandemia de Covid-19 estimulou muitos residentes de Nova York a se mudarem de apartamentos apertados para outros lugares com impostos mais baixos e clima mais quente. Outros foram forçados a sair depois de perderem seus empregos.

Seu dinheiro está seguro? Aprenda a proteger seu patrimônio

Eles deixaram uma cidade sem muitas das vantagens culturais, de entretenimento e gastronômicas que a diferenciavam há muito tempo, levando a uma taxa recorde apartamentos vazios em Nova York. Os proprietários correram para ocupar os imóveis baixando preços, oferecendo estacionamento ou alguns meses de aluguel gratuitos.

Tudo isso criou a oportunidade perfeita para outras pessoas se mudarem para a cidade dos seus sonhos e conseguir pagar aluguéis que atingiram o nível mais baixo em uma década.

“Sempre imaginei meus 20 anos aqui”, disse Claire Smith, que se mudou de Los Angeles para Manhattan em novembro. “Eu não acho que seríamos realisticamente capazes de pagar se não houvesse uma onda de todos deixando a cidade.”

Smith, uma blogueira de 24 anos e gerente freelance de mídia social, tinha acabado de deixar o emprego em Los Angeles. Com o aluguel de dois anos de seu apartamento no West Hollywood chegando perto da renovação, Smith percebeu que os aluguéis estavam ficando visivelmente mais baixos para apartamentos no site de anúncios de imóveis StreetEasy em Nova York.

Ela ganhou um mês de graça em um apartamento de dois quartos recém-reformado na West 10th Street com a Bleecker Street, disponível por US$ 3.500. Sua parte no aluguel do quarto andar é de US$ 1.675.

“Tenho adorado viver aqui”, disse ela. “Ainda sinto a empolgação da cidade e estou realmente trabalhando para construir minha própria marca pessoal. Nova York ajudou com isso. ”

Os aluguéis em todos os bairros de Nova York analisados pela StreetEasy mostraram o declínio mais rápido ano a ano em janeiro em pelo menos uma década, caindo 15,5% em Manhattan e 8,6% no Brooklyn e Queens. Embora o ritmo de novos anúncios tenha diminuído em comparação com seu pico no outono, ainda há duas vezes mais aluguéis disponíveis em Manhattan e Brooklyn do que no ano anterior, e quase isso no Queens.

O colapso dos aluguéis durante o verão no hemisfério norte coincidiu com estatísticas da pandemia que na época pareciam promissoras já que os casos da Covid-19 haviam estagnado.

Kris Taveras não fez muita pesquisa sobre os preços dos aluguéis antes de se mudar de Boston para o Harlem em agosto passado. “Eu simplesmente empacotei minhas coisas e fui embora”, disse o fotógrafo freelance. Ele encontrou um apartamento sublocado no Facebook de alguém que perdeu o emprego por causa da Covid. O arrendatário concordou em sublocar a unidade de US$ 1.000 por mês por US$ 850.

“Eu não poderia ter cronometrado melhor”, disse o jovem de 22 anos, acrescentando que seu aluguel é significativamente mais baixo do que os outros apartamentos em seu prédio.

Há indícios de que o mercado esteja aquecendo lentamente, à medida que escritórios começam a receber funcionários de volta, restaurantes e lojas reabrem, e a vacinação dá motivo para quem saiu da cidade, voltar.

Com a colaboração de Julia Fanzeres.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.