Quais vinhos devem ser afetados pela onda de calor e seca na safra de 2022?

Mesmo com seca recorde que acelerou o amadurecimento em vinhedos da França à Espanha, produtores estão otimistas
Mudanças climáticas tiveram impactos visíveis no mundo do vinho (Tim Martin/Getty Images)
Mudanças climáticas tiveram impactos visíveis no mundo do vinho (Tim Martin/Getty Images)
B
BloombergPublicado em 19/09/2022 às 13:39.

No Vale do Douro, em Portugal, a equipe da vinícola da Quinta do Vesúvio pisou as uvas colhidas em seus antigos lagares de pedra em agosto. “Nunca na história desta grande quinta, que remonta a 1565, as uvas foram pisadas tão cedo”, disse Harry Symington, cuja família produz Vinhos do Porto no Douro há cinco gerações.

VEJA TAMBÉM

Essa história, como muitas da safra de 2022 — com calor escaldante e seca recorde que acelerou o amadurecimento em vinhedos da França à Espanha — é outro lembrete do impacto das mudanças climáticas no mundo do vinho.
Mesmo assim, muitos produtores estão otimistas. A seca gera uvas menores com mais concentração e previne algumas doenças. Segue um panorama por região.

Bordeaux

Esta célebre região francesa teve geadas de primavera, tempestades de granizo em junho, calor extremo, o julho mais seco em mais de 60 anos e incêndios florestais. As autoridades permitiram a irrigação, que geralmente é proibida, em algumas propriedades.

Para o Château Margaux, a colheita de uvas brancas foi a mais adiantada de que se tem notícia, e o Château Mouton Rothschild, onde a última vez que a colheita veio tão cedo foi 1893, disse que “2022 parece ser uma safra muito precoce e altamente promissora”.

Borgonha

Cerca de metade das vinícolas da Borgonha começaram a ser colhidas no final de agosto, de acordo com relatório de Bill Nanson, e algumas terminaram em 8 de setembro.

Veronique Drouhin, da Maison Joseph Drouhin, que possui vinhedos na Côte d’Or, diz que tanto o chardonnay quanto o pinot noir estão saborosos, com bom equilíbrio entre açúcar e acidez.

Champanhe

O Comitê Champagne estabeleceu a data oficial de início da colheita em 20 de agosto, cerca de duas semanas antes do ano passado, e relatou rendimentos no nível mais alto em mais de uma década. Isso pode ajudar a resolver a recente escassez de champanhe, mas alguns acham que isso levanta questões sobre a qualidade.

Séverine Frerson, da Perrier-Jouët, ficou entusiasmada com uvas que parecem “muito, muito boas, maduras e bem equilibradas. A textura do chardonnay está delicada, e o pinot noir está muito frutado e complexo.” Isso se deve aos longos períodos de sol para desenvolver plenamente os sabores nas uvas e mantê-las saudáveis, e às reservas de água no solo do ano passado que preservaram a acidez.

Vale do Loire

Fotos do rio Loire neste verão mostraram níveis de água tão baixos que as pessoas podiam caminhar de uma margem a outra. Mas Loïc Caïlbourdin, do Domaine Cailbourdin em Pouilly Fumé, diz que “a colheita parece boa, com pequenos cachos que devem dar suco concentrado”. Ele está colhendo à noite para manter o frescor, como começou a fazer nos últimos anos. A Maison Pascal Jolivet prevê que seus melhores Sancerres “serão lindos”.

Provença

Não se preocupe com a oferta de rosé. A colheita começou uma semana ou duas mais cedo, e tanto a quantidade quanto a qualidade parecem boas, de acordo com Stephen Cronk, proprietário do Domaine Mirabeau não muito longe de St-Tropez. A chuva na hora certa foi a salvação.

Vale do Ródano

O grande enólogo Laurent Combier, do Domaine Combier em Crozes-Hermitage, diz que começou a colher uvas brancas em 24 de agosto, e nunca começou tão cedo, mesmo no escaldante ano de 2003. Ele prevê “um ano totalmente excepcional. … Faremos menos, mas bem.” Espere vinhos profundos, ricos e concentrados.

Itália

Na Toscana, o calor e a seca resultaram em algumas uvas queimadas. Para manter a umidade nas videiras, alguns vinicultores aplicavam argila branca nas folhas. Depois vieram as tempestades do final de agosto, mas “a colheita de 2022 é muito mais positiva do que o previsto”, escreve Cristina Mariani-May, proprietária da empresa vinícola Banfi, que tem vinhedos em Montalcino e Maremma.

Na zona de prosecco de Conegliano-Valdobbiadene, a chuva em meados de agosto salvou a qualidade, mas a quantidade cairá cerca de 10% a 15%, de acordo com o consórcio da área, enquanto em Barolo é provável que a queda seja de 20% a 30%, diz Giovanni Gaja, cuja família é proprietária da célebre marca homônima.

Portugal

No Vale do Douro, a quantidade de chuva de janeiro ao final de julho foi o que normalmente cai em apenas um mês de inverno, e as temperaturas de julho subiram acima da média de 30 anos. “Estamos a caminho de uma das colheitas de menor rendimento da história no Douro”, disse Harry Symington da Quinta do Vesúvio. As propriedades de sua família ainda esperam produzir portos muito bons e densos. No Alentejo, a situação é semelhante.

Espanha

As vinícolas em Rioja geralmente não colhem antes de meados de setembro. Maria Urrutia Ybarra, da CVNE, explica que 2022 está sendo extremamente incomum e a colheita começou por volta de 2 de setembro. As uvas estão saudáveis, mas a equipe está mais preocupada com a menor acidez por causa do calor. A região do xerez começou a colheita em 28 de julho.

Conheça a newsletter da EXAME Casual, uma seleção de conteúdos pra você aproveitar seu tempo livre com qualidade