Prefeitura do Rio e Itaú se posicionam por homofobia de Gagliasso

Tuítes em que Bruno Gagliasso fez piadas homofóbicas voltaram à tona, e o banco Itaú e a Prefeitura do Rio se pronunciaram

São Paulo - Após tuítes em que o ator Bruno Gagliasso fez piadas homofóbicas voltarem à tona, a Coordenadoria Especial da Diversidade Sexual e o banco Itaú, que já tiveram parcerias com o ator no passado, se pronunciaram.

O órgão municipal afirmou que a campanha na qual Bruno aparecia ao lado do slogan "Homofobia é uma violência de ódio" foi veiculada durante o evento Rio Sem Preconceito, em 2015, feita pela gestão passada, e que agora "aposta em militantes e ativistas para trazer visibilidade para a causa". "O ator está sendo acusado de homofobia e lesbofobia por mensagens postadas no Twitter", destaca a nota.

O atual coordenador de diversidade sexual do Rio, Nélio Georgini, falou sobre o caso em seu Facebook: "Não me colocarei juiz do ato do ator (que me parece ser um cara do bem que errou)".

No Twitter, uma usuária identificada como Chris Delgado cobrou o posicionamento do Itaú a respeito de campanhas publicitárias envolvendo Gagliasso. O perfil oficial do banco respondeu: "Nós repudiamos todo tipo de preconceito e discriminação. Esse vai ser sempre o nosso posicionamento. O ator citado não faz mais parte das nossas campanhas."

Após a repercussão de suas postagens resgatadas, publicadas há quase uma década, Bruno usou seu próprio perfil no Twitter para se justificar: "Estou aqui em 2018 respondendo com minhas ações e atitudes por quem já fui também em 2009 e mesmo antes disso. De alguma forma, todos estamos. Não é passando o pano no preconceito, mas sim passando tudo a limpo, que o mundo vai se tornar um lugar melhor."

O E+ entrou em contato com a assessoria de Gagliasso para saber se o ator possui um novo posicionamento após as postagens do banco e do órgão, mas ainda não obteve retorno.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.