Polícia de Los Angeles investiga acusações de violência por Marilyn Manson

Um relatório policial contra Manson foi registrado logo após o escândalo de Harvey Weinstein desencadear uma série de acusações de abuso contra homens poderosos, em 2018

A polícia de Los Angeles está investigando as acusações de violência doméstica contra o roqueiro gótico americano Marilyn Manson, informou o departamento. A confirmação da investigação veio após a atriz Evan Rachel Wood, estrela da série "Westworld", acusar Manson de abusá-la por anos, desde que ela era adolescente.

Seu dinheiro está seguro? Aprenda a proteger seu patrimônio

"O Departamento do Xerife do Condado de Los Angeles, Escritório de Vítimas Especiais, está investigando alegações de violência doméstica envolvendo o Sr. Brian Warner, também conhecido como 'Marilyn Manson,' que trabalha na indústria musical", disse um comunicado do departamento enviado à AFP. "Os incidentes ocorreram entre 2009 e 2011, quando o Sr. Warner morava na cidade de West Hollywood."

A declaração não mencionou nenhuma suposta vítima. O relacionamento de Manson e Wood foi noticiado pela primeira vez em 2007, e seu breve noivado terminou em 2010.

Manson negou as acusações de Wood, de 33 anos, chamando-as de "horríveis distorções da realidade" em uma publicação no Instagram este mês.

Não é a primeira vez que Manson é investigado pela polícia de Los Angeles. Em 2018, logo após o escândalo de Harvey Weinstein desencadear uma série de acusações de abuso contra homens poderosos, um relatório policial contra Manson foi registrado. Eram citadas acusações de abuso sexual, lesão corporal e agressão com arma mortal datadas desde 2011.

A acusação de abuso sexual não foi apresentada "devido à ausência de corroboração", enquanto as outras duas já haviam prescrito, de acordo com documentos oficiais do promotor.

A vítima "conhecia socialmente o suspeito", dizia a planilha de avaliação da acusação. Wood havia alegado no passado abuso por parte de um ex-parceiro que ela manteve anônimo. Apenas no início de fevereiro ela apontou Manson.

A atriz afirmou que era "submetida a lavagem cerebral e manipulada" por Manson, mas disse que se cansou de viver com medo de "retaliação, calúnia ou chantagem" por "este homem perigoso". “Estou com as muitas vítimas que não ficarão mais caladas”, acrescentou ela.

Wood compartilhou ainda as alegações de quatro outras mulheres de estupro e abusos sexual e psicológico cometidos por Manson, de 52 anos. Elas também dizem ter sido drogadas, intimidadas, agredidas fisicamente e ameaçadas de morte.

Manson, que há muito cultiva uma imagem controversa com sua maquiagem fantasmagórica e nome artístico que faz referência ao serial killer Charles Manson, foi demitido da gravadora Loma Vista Recordings e da agência de Hollywood CAA.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 9,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.