A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Pódio triplo e recorde olímpico: Jamaica é destaque nos 100 metros rasos

Thompson-Herah conquistou o bicampeonato olímpico dos 100 metros rasos e liderou o pódio inteiro da Jamaica na final da prova

"Quase perfeito" - foi assim que o técnico de sprint da Jamaica, Stephen Francis, descreveu o desempenho de Elaine Thompson-Herah ao conquistar o título dos 100 metros nas Olimpíadas de Tóquio em 10,61 segundos e se tornar a segunda mulher mais rápida de todos os tempos.

"Quase perfeito, mas vamos trabalhar nisso", disse Francis quando cumprimentou Thompson-Herah nos corredores do Estádio Olímpico de Tóquio.

Thompson-Herah conquistou o bicampeonato olímpico dos 100 metros rasos e liderou o pódio inteiro da Jamaica na final da prova. Shelly-Ann Fraser-Pryce, que buscava o terceiro ouro no evento, levou a prata com 10s74, e Shericka Jackson ficou em terceiro com 10s76 no Estádio Olímpico de Tóquio.

O tempo recorde olímpico de Thompson-Herah só é superado pelo recorde mundial de Florence Griffith-Joyner de 1988, com 10s49. O recorde olímpico também era de Griffith-Joyner, com 10s62, conquistado no mesmo ano de 1988.

Thompson-Herah, usando uma faixa brilhante na cabeça, começou a comemorar antes de cruzar a linha, com a mão esquerda levantada, e então deitou na pista em comemoração.

Quando questionado por que o desempenho não foi perfeito, o treinador disse ao Jamaica Gleaner: "Não o tempo, mas a execução. "Acho que ela estava um pouco hesitante no início, mas a parte do meio foi como eu queria que fosse."

A vitória levou Thompson-Herah à companhia de elite, sendo a quarta mulher a conquistar títulos olímpicos consecutivos de 100 metros junto com o título da compatriota Shelly-Ann Fraser-Pryce e os americanos Wyomia Tyus e Gail Devers.

Francis estava particularmente orgulhoso do sprint de Thompson-Herah, pois ela teve que superar uma série de desafios desde a primeira conquista do ouro olímpico no Rio, incluindo uma lesão no tendão de Aquiles que a impediu de terminar entre os medalhistas nos dois últimos campeonatos mundiais.

"Tivemos que tentar atacá-lo (as lesões de Aquiles) com tecnologia, pesquisa, especialmente durante a pandemia (Covid-19), quando era difícil conseguir tratamento no exterior", disse ele. "Em algum momento por volta de março, abril, tivemos que tentar uma nova tática, uma nova metodologia de tratamento e, lenta mas seguramente, valeu a pena."

Francis permaneceu confiante de que Thompson-Herah, de 29 anos, que fará uma aposta para completar a dobradinha olímpica dos 100-200m pela segunda vez, podendo ir ainda mais rápido. "Não sou de fazer previsões de tempo, mas foi um vento negativo de 0,6, então, quem sabe, não sei se ela vai conseguir esse tipo de ambiente novamente."

"Digamos que minhas expectativas sejam as mesmas que eram para os 100 metros. Eu disse que ela está em boa forma, então minhas expectativas não são diferentes, mas não vou dizer quais são minhas expectativas."

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também