O Snapchat quer que você poste, e paga milhões por isso; saiba como

A empresa lançou o Spotlight em novembro e está "distribuindo mais de US$ 1 milhão todos os dias para snapchatters", afirmou um porta-voz

No fim de novembro, Cam Casey, estrela do TikTok com mais de sete milhões de seguidores, relaxava em casa quando decidiu enviar um vídeo de um experimento científico que resultou em uma garrafa de Coca-Cola explodindo no Snapchat.

Seu dinheiro está seguro? Aprenda a proteger seu patrimônio

Casey, de 19 anos, leu que a empresa havia introduzido no aplicativo um novo recurso semelhante ao TikTok chamado Spotlight, no qual os usuários podiam compartilhar vídeos curtos. Ele se perguntou se alguns vídeos antigos em seu celular fariam sucesso.

Duas semanas depois, o Snapchat o contactou: Casey era um dos melhores artistas da plataforma e ia ganhar centenas de milhares de dólares.

Encorajado por seu sucesso inicial, ele começou a postar mais vídeos – às vezes até 120 por dia –, enviando conteúdo novo a cada poucos minutos, das oito da manhã à meia-noite.

Em janeiro, já havia recebido quase US$ 3 milhões de empresa pelo conteúdo que se tornou viral.

Casey é um dos milhares de pessoas ao redor do mundo acumulando pequenas fortunas por meio do Snapchat. A empresa lançou o Spotlight em novembro e está "distribuindo mais de US$ 1 milhão todos os dias para snapchatters", disse um porta-voz. (Não foi especificada uma data final para a distribuição diária de tanto dinheiro.) Muitos desses novos magnatas do Snapchat são astros famosos do TikTok e influenciadores da Geração Z, mas os usuários médios também estão lucrando na internet depois que seus vídeos viralizaram.

Estrelas do TikTok, Cam Casey e Joey Rogoff

Estrelas do TikTok, Cam Casey e Joey Rogoff (Alex Welsh/The New York Times)

Peru frito
Andrea Romo, de 27 anos, ganha US$ 12,50 por hora como associada de mercadorias na loja Lowe's em Albuquerque, no Novo México. Ela não se considera uma influenciadora de mídia social, mas gosta de enviar mensagens a amigos no Snapchat há anos. Quando notou o novo recurso do Spotlight no Dia de Ação de Graças, decidiu enviar um vídeo de sua irmã fritando um peru.

Duas semanas depois, Romo descobriu que seu vídeo era tão popular que lhe havia rendido cerca de US$ 500 mil. "Foi uma grande surpresa ganhar dinheiro postando um vídeo de algo totalmente aleatório", comentou ela. (A empresa divulgou que determina valores de pagamento com base em visualizações exclusivas dos vídeos e métricas internas proprietárias.)

O Snapchat nem sempre foi um terreno fértil para os criadores de mídia social. Durante anos, a empresa se concentrou em ser uma plataforma de mensagens e nunca ofereceu aos talentos da internet uma maneira de ganhar dinheiro ou de aumentar seu número de seguidores. Em 2017, a empresa começou a verificar criadores com grandes seguidores, bem como celebridades, exibindo seus Stories públicos no portal de mídia do aplicativo chamado Discover, mas a plataforma não foi projetada para criar e exibir conteúdo viral para as massas.

Com o Spotlight, o Snapchat pretende mudar isso. Semelhante ao TikTok e a outros aplicativos e recursos inspirados no TikTok, incluindo o Reels do Instagram, o Spotlight é um fluxo de conteúdo atualizado infinitamente (ou, mais precisamente, um feed com curadoria algorítmica de vídeos).

As mesmas coisas que são populares no TikTok são populares no Spotlight: vídeos de dança, vídeos de pegadinhas, desafios e tutoriais. A principal diferença no Spotlight é a ausência de contagem de curtidas e de comentários. E, quando os vídeos viralizam, o criador ganha dinheiro, mesmo que não seja um influenciador.

Estrelas do TikTok, Cam Casey e Joey Rogoff

Estrelas do TikTok, Cam Casey e Joey Rogoff (Alex Welsh/The New York Times)

"Você não precisa pedir que lhe paguem, nem tem de participar de nenhum programa; basta postar um vídeo e, se ele for bem, você recebe dinheiro", disse Dax Newman, de 19 anos, ceramista em San Diego, na Califórnia, que ganhou cerca de US$ 30 mil no Snapchat.

Contas de memes e agregadores virais já estão tentando manipular o recurso enviando vídeos tirados do YouTube e do TikTok. Mas os pagamentos já estão transformando a trajetória da vida de muitos jovens.

Katie Feeney, de 18 anos, de Olney, em Maryland, informou ter ganhado mais de US$ 1 milhão do Snapchat postando vídeos com conteúdo engraçado (em um clipe, ela gira em um skate elétrico e aparece perfeitamente vestida com novas roupas). Feeney contou que o dinheiro lhe abriu novas oportunidades. Faculdades às quais ela não planejava se candidatar por causa de preocupações financeiras subitamente se tornaram opções. "Acho que vou levar um tempo para realmente processar o que aconteceu. Agora tenho a oportunidade de ir para a faculdade que escolhi. O Spotlight vai mudar a vida de muitas pessoas e isso é inacreditável", disse Feeney.

A notícia se espalhou rapidamente
Criadores profissionais de conteúdo são os que mais têm lucrado no Spotlight. Alguns criadores menores lutam há anos para ganhar a vida como influenciadores em tempo integral. Ganham dinheiro com uma colcha de retalhos de negócios de marca e vendendo produtos, mas basicamente não havia monetização da plataforma no Snapchat.

CJ OperAmericano, de 24 anos, criadora de conteúdo em Los Angeles, posta vídeos no Snapchat desde 2015. E, embora tenha trabalhado com marcas como Coca-Cola, Walmart e Disney, tem sido difícil aumentar o número de seguidores e ganhar dinheiro. "Eu estava monetizando principalmente no TikTok." Mas, desde que começou a postar no Spotlight, ganhou mais de US$ 100 mil.

A notícia já está se espalhando entre os jovens.

"Todo mundo está falando do Spotlight. É muito conhecido entre todos os tiktokers e todos os influenciadores de mídia social", afirmou Feeney.

Joey Rogoff, de 21 anos, influenciador que ganhou cerca de US$ 1 milhão por meio do Spotlight, acredita que mais tiktokers começarão a mudar de plataforma. "O TikTok estabeleceu esse precedente de que tipo de conteúdo as pessoas estão procurando. O Snapchat fez um ótimo trabalho recriando isso à sua maneira e adicionando a seu aplicativo. Agora é a plataforma que paga mais. Espero que as outras vejam isso e sigam a tendência, porque, no fim, é o que vai deixar os criadores mais felizes."

Juntando-se à competição
O Snapchat está tendo sucesso com o Spotlight, mas será um desafio destronar o TikTok como a plataforma do momento. "O TikTok é o lugar para estar agora. É para lá que toda a atenção e toda a energia estão indo", observou Casey.

Nas últimas semanas, os pagamentos no Spotlight começaram a diminuir à medida que a torta é dividida entre mais usuários a cada dia. "Há mais competição. É mais difícil conseguir visualizações. Mais pessoas estão postando", explicou Casey.

Para manter o ritmo, Mike Metzler, de 33 anos, criador do Snapchat e pesquisador de análise social de Houston, no Texas, informou que os criadores de mídia social e aqueles que trabalham na indústria se uniram para discutir seus ganhos e incentivar uns aos outros. "Formamos grupos no Snapchat nos quais falamos sobre estratégias e sobre conteúdos que estão funcionando e o que estamos vendo. Toda vez que nos deparamos com qualquer vídeo de alguém desse grupo, compartilhamos para aumentar o engajamento e tentar ajudar uns aos outros."

Alguns criadores do Spotlight estão discutindo a criação de grupos próprios de colaboração. Casey disse que falou com o Snapchat por telefone sobre lançar algo semelhante à Hype House, mas acrescentou que a empresa estava preocupada com as questões legais que poderiam surgir com o financiamento desse tipo de coisa.

Dominic Andre, de 27 anos, influenciador em Los Angeles que cria conteúdo educacional, espera usar os US$ 600 mil que ganhou no Spotlight para lançar uma casa de colaboração em ciências e educação em Los Angeles: "Quero montar uma equipe nota dez, como a Hype House, mas focada em ciência. Meu objetivo é desenvolver um programa de educação científica no Snapchat." Fez uma pausa enquanto falava para olhar seu smartphone. "Acabei de receber uma mensagem do Snapchat dizendo que ganhei mais US$ 100 mil. Estou ganhando essa quantia em média por semana."

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.