O golpe que faz da vida de bares, hotéis e restaurantes um inferno no Instagram

Foram criadas contas fake, que prometem sorteios e promoções, de todos os 40 estabelecimentos consultados; do Fasano, 136 vezes. Instagram parece dar de ombros

Não há melhor frase para começar esta matéria do que aquela que virou sinônimo do economista Milton Friedman, vencedor do Prêmio Nobel de 1976: “Não existe almoço grátis”. Ela resume o óbvio ululante: ninguém faz nada de graça sem obter algo em troca (tirando, vá lá, o Padre Julio Lancellotti e mais meia dúzia de pessoas).

Aprenda como investir seu dinheiro para realizar seu sonho de viagem! Comece agora

A frase de Friedman cai como uma luva para resumir um tipo de golpe que tem feito da vida de bares, hotéis e restaurantes no Instagram um inferno. E que parece ter se alastrado pela rede social como um vírus: os golpistas criam contas parecidíssimas às de estabelecimentos badalados como o hotel Palácio Tangará e o restaurante Spot e, por meio delas, prometem sorteios e promoções falsas.

O intuito dos larápios é clonar o número do WhatsApp ou a conta no Instagram do azarado que acreditou nas promoções mentirosas. É o passo inicial para dar início a outro golpe mais nocivo. Com o WhatsApp roubado em mãos, ou a conta do Instagram, pedem dinheiro para os contatos de quem caiu na armadilha se passando por ela. Casos de parentes mais próximos que não viram nada de errado e depositaram a quantia solicitada não são raros.

Deve ser um negócio lucrativo. Do contrário, o número de bares, hotéis e restaurantes que tiveram contas copiadas não seria tão impressionante. Dos 40 estabelecimentos consultados aleatoriamente pela reportagem, todos — TODOS — disseram ter enfrentado o problema. E muitos que o transtorno continua (veja a lista completa a seguir).

Nosu Combinado do Nosu, em Santana: notificação extrajudicial ao Instagram

Combinado do Nosu, em Santana: notificação extrajudicial ao Instagram (Nosu/Divulgação)

O Fasano diz ter detectado a existência de 136 contas se passando pela verdadeira — a que vale é @fasano, anote — e, com a ajuda do departamento jurídico do grupo, conseguido a exclusão de todas elas.

Em conjunto, os estabelecimentos ouvidos dizem que os canais disponibilizados pelo Instagram para denunciar contas falsas em geral não dão em nada. “Apesar de todas as nossas denúncias, as contas fake do Nosu continuam na ativa e prejudicando a nós e a nossos clientes”, reclama o proprietário do restaurante japonês, no bairro de Santana, em São Paulo.

Ele lembra ter recebido, por meio da conta oficial da casa e do WhatsApp dela, mais de 200 mensagens de clientes que caíram em golpes ou perceberam o perigo. “No fim é a nossa reputação que sai prejudicada”, emenda, informando em seguida que os golpes têm custado um número razoável de seguidores. “Alguns acham que a culpa é nossa e outros acabando desconfiando que a conta oficial também pode ser falsa”.

Para resolver o problema, o empresário enviou uma notificação extrajudicial ao Instagram exigindo providências. Ele também é sócio da hamburgueria Dizzy e do restaurante O Compadre, que também foram alvo dos golpistas. No caso desses dois empreendimentos, no entanto, bastaram as ferramentas de denúncia dentro do Instagram.

Petisco do bar Astor, em São Paulo Petisco do bar Astor, em São Paulo: mais uma vítima

Petisco do bar Astor, em São Paulo: mais uma vítima (Astor/Divulgação)

É um problema que parece ter aumentado com a pandemia. No início da quarentena, convém lembrar, inúmeros restaurantes venderam, de fato, vouchers promocionais para ser usados mais adiante. Foi uma maneira de encher o caixa para enfrentar melhor o período mais drástico do isolamento.

Marcas como a Stella Artois apoiaram iniciativas do tipo. Os golpistas, por sua vez, enxergaram um contexto mais favorável para ampliar o número de vítimas.

Fica o recado: desconfie de toda conta em cujo nome conste palavras como “vouchers” ou “cupons”. Os estabelecimentos verdadeiros, em geral, publicam com frequência posts e stories denunciando a existência de perfis fakes.

O objetivo dos criminosos é fazer com que as vítimas enviem um código recebido por SMS ou por outro canal de confirmação (é ele, prometem, que dará acesso à promoção em jogo). Trata-se, no entanto, do código de ativação do WhatsApp.

Estabelecimentos consultados que tiveram contas clonadas no Instagram:  

Bares e restaurantes:  

Astor

Bacalhau, Vinho & Cia

Bagatelle

Bráz

Buzina Burgers

By Koji

Cabana Burger

Capim Santo

Carlos Piza

Cervejaria Nacional

Coco Bambu

Così

Dizzy Lanchonete

Frank & Charles

Imakay São Paulo

Le Jazz Brasserie

Manacá

Nosu

O Compadre

Outback

Paris 6

Pipo SP

Ritz

Spot

Tan Tan

Terraço Itália

Tordesilhas

Tradi

Vinheria Percussi

Z Deli Sandwiches

 

Hotéis:

Botanique

Emiliano

Fairmont Rio

Fasano

Grande Hotel Senac

Maksoud Plaza

Palácio Tangará

Toriba

Unique

Unique Garden

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.