Casual

Mocotó faz 50 anos e comemora com novos pratos no cardápio

Casa comandada pelo chef Rodrigo de Oliveira está na 15ª posição na lista dos 100 Melhores Restaurantes do Brasil no ranking EXAME Casual 2023

Prato do Mocotó: pirão de leite com pipoca de queijo coalho e carne de sol confit (R$ 39,90), feita com coxão duro da fazenda Mutum (Divulgação/Divulgação)

Prato do Mocotó: pirão de leite com pipoca de queijo coalho e carne de sol confit (R$ 39,90), feita com coxão duro da fazenda Mutum (Divulgação/Divulgação)

Gilson Garrett Jr.
Gilson Garrett Jr.

Repórter de Lifestyle

Publicado em 30 de outubro de 2023 às 11h06.

Última atualização em 30 de outubro de 2023 às 11h16.

Uma história de 50 anos e um dos restaurantes mais queridos do país, sendo o 15º na lista dos 100 Melhores Restaurantes do Brasil no ranking EXAME Casual 2023. Esse é o Mocotó, fundado em 1973 pelo pernambucano Zé de Almeida e comandado pelo seu filho, o chef Rodrigo de Oliveira, desde 2001. A casa da zona norte de São Paulo ajudou a dar mais visibilidade à comida sertaneja como também valorizar a cultura da periferia — tanto é que nunca passou pela cabeça do chef sair da Vila Medeiros, onde o restaurante sempre funcionou.

Para celebrar esse meio século de existência, o chef Rodrigo preparou novidades que vão entrar no menu até o fim do ano, além de uma exposição completa e aberta ao público sobre a história do restaurante. “Nossa história já está muito bem contada e registrada, então agora é pensar no que a gente pode fazer para deixar o mundo um pouco melhor. Se a função do restaurante é restaurar, será que a gente não tem a capacidade de restaurar as relações com as pessoas e das pessoas com o meio ambiente?”, diz.

Entre os sabores novos que já entraram no menu está o pirão de leite com pipoca de queijo coalho e carne de sol confit (R$ 39,90), feita com coxão duro da fazenda Mutum — um corte que eles tinham muita dificuldade de comercializar, devido à demanda por cortes mais nobres.

Há ainda o cuscuz de milho crioulo (R$ 29,90), o dadinho de cereais ( R$ 22,90 com seis unidades / R$ 34,90 com 12 unidades), e um ceviche de beijupirá com leite de tigre de umbu e chips de batata doce (R$ 42,90), além da sobremesa cajá-manga (R$ 24,90), um purê de manga, sorbet de cajá e coco crocante. Os pratos são servidos apenas na unidade na Vila Madeiros.

Ceviche de beijupirá com leite de tigre de umbu e chips de batata doce (R$ 42,90). (Divulgação/Divulgação)

Exposição 50 anos de Mocotó

Com curadoria da pesquisadora e historiadora Adriana Salay, concepção do estúdio Elástica e patrocínio da Estrella Galicia, o projeto da exposição que conta a história do restaurante recebeu o slogan “um restaurante melhor para o mundo”. A linha temporal passa não apenas sobre os primeiros 50 anos da casa, mas também sobre o que virá nos próximos 50 — e o que o time já fez e faz hoje para que esse futuro seja de fato melhor para todos. A exposição é montada na laje do restaurante, é aberta ao público, e tem acesso gratuito. Fica em cartaz até fevereiro de 2024.

Mocotó: exposição conta a história do restaurante. (Divulgação/Divulgação)

Grandes imagens suspensas pelo ambiente por cabos de aço mostram fotos de alimentos e pratos icônicos do restaurante, em um total de 16 faces entre as quais as pessoas vão passeando. Os visitantes — inclusive as crianças — também vão se divertir com um pouco de gamificação, no jogo que reproduz a saga de seu Zé como uma jornada do herói, saindo de Mulungu, no interior de Pernambuco, para uma viagem de oito dias cheia de percalços e aventuras, até chegar em São Paulo.

Serviço

Mocotó - Vila Medeiros
Endereço: Av. Nossa Sra. do Loreto, 1100, Vila Medeiros, São Paulo.
Funcionamento: segunda a sexta, das 12h às 23h; sábado, das 11h30 às 23h; domingo, das 11h30 às 17h.
Telefone: (11) 2951-3056

Acompanhe tudo sobre:Gastronomiacomida-e-bebidaRestaurantes

Mais de Casual

Chablis: por que os vinhos dessa região da França caíram no gosto do brasileiro?

"A Era das revoluções", de Fareed Zakaria, explica raízes do mundo contemporâneo; leia trecho

Do campo à xícara: saiba o caminho que o café percorre até chegar a sua mesa

Com sustentabilidade e legado, sempre teremos Paris

Mais na Exame