Marqués de Murrieta lança vertical para celebrar parceria com o mercado brasileiro

Os vinhos de Murrieta são comercializados há 40 anos no Brasil, sendo há 11 anos no portfólio da World Wine
Marqués de Murrieta (Cristina Candel/Cover/Getty Images)
Marqués de Murrieta (Cristina Candel/Cover/Getty Images)
J
Julia Storch

Publicado em 27/06/2022 às 15:45.

Última atualização em 27/06/2022 às 20:27.

Neste ano são comemorados 170 anos de história da vinícola Marqués de Murrieta. Com portfólio que inclui rótulos premiados, como o Ygay 2010, eleito o melhor do mundo em 2020, pela revista americana Wine Spectator. Para celebrar, chega ao Brasil, a partir de agosto, uma caixa com seis safras do Marqués de Murrieta Reserva, de 2012 a 2017, além do premiado rótulo.

Em conversa à Casual EXAME, Arthur de Lencquesaing, diretor-geral da Marqués de Murrieta e Juliana La Pastina, presidente do grupo La Pastina e World Wine, importadora dos rótulos de Marqués de Murrieta, comentam sobre o mercado de vinhos no Brasil, as comemorações de 170 anos da vinícola e a homenagem a Celso La Pastina.

Murrieta é uma das vinícolas mais antigas da Espanha. Fundada em 1852, por Luciano Francisco Ramón de Murrieta. Desde 1983, no entanto, a vinícola faz parte da família de Vicente Dalmau Cebrián-Sagarriga, atual proprietário.

Sob a direção da família, a fama dos vinhos se perpetuou. Em 2020, o vinho tinto Castillo Ygay Gran Reserva Especial 2010, foi eleito como o melhor do mundo.

Para Lencquesaing, porém, grandes prêmios são acompanhados por grandes responsabilidades. "Se você fica em segundo posto, você sabe o que precisa ser feito para melhorar no próximo ano para subir de nível. Mas, quando se conquista a primeira posição, há uma imposição para continuar sendo o melhor", diz.

Os vinhos de Murrieta são comercializados há 40 anos no Brasil, sendo há 11 anos no portfólio da World Wine, com o mercado brasileiro entre os top 10 do mundo que mais compram o rótulo espanhol.

"Vendemos entre 15 mil e 20 mil garrafas por ano no Brasil", comenta Lencquesaing sobre as vendas da vinícola centenária. No mesmo ranking estão países como Estados Unidos, Inglaterra, Alemanha, Suíça e Austrália. 

Uma das comemorações dos 170 anos da vinícola e dez anos de vendas através da World Wine, aconteceu em forma de homenagem a Celso La Pastina, fundador da importadora. O rótulo Marqués de Murrieta 2017, comemora a parceria com um texto no rótulo.

O aumento no consumo de vinhos na pandemia se manteve no ano passado e neste ano? Os consumidores têm dado preferência à bebida?

O vinho é um caminho sem volta. Nos últimos dois anos, vimos nossa base de clientes crescer significativamente. O que muda agora é o momento de consumo com as pessoas fora de casa, o que fica evidente com o forte crescimento no On Trade, que hoje faz volumes muitos superiores ao ano de 2019, por exemplo. No que diz respeito à venda B2C, fatores como câmbio ou inflação fazem com que o consumidor siga comprando vinhos dentro da faixa de preço de sua preferência e, nesse momento, quem tem variedade e pode oferecer constantes novidades ao consumidor, sai na frente. Dados da Wine Intelligence apontam que 70% dos brasileiros gostam de provar novos vinhos com frequência. Isso nos motiva a investir na curadoria. Ano passado lançamos mais de 250 novos SKU's. Este ano não está diferente e devemos repetir (ou aumentar) esse número.

A busca por vinhos de qualidade superior também aumentou?

Quanto mais o consumidor prova vinhos e aprende a respeito, mais exigente fica seu paladar. Importante destacar que existem vinhos de qualidade em todas as faixas de preço, por isso, o comprometimento na seleção de portfólio é tão importante. E o consumidor tem cada vez mais interesse em saber a procedência daquilo que prova. Nas categorias mais premium, com vinhos acima de R$ 500, por exemplo, a procura segue alta, mas numa curva de estabilidade após o forte crescimento em 2020 e 2021.

Qual a previsão de vendas em 2022?

Com o acumulado dos cinco primeiros meses deste ano, já podemos prever uma venda de 2,2 milhões de garrafas.

Juliana La Pastina, presidente do grupo La Pastina, que controla a importadora World Wine. (Divulgação/Divulgação)

Quantas garrafas de Murrieta são vendidas por ano no Brasil?

Um pouco mais de 18 mil garrafas, considerando as vendas de 2021 e a expectativa para 2022. Em 2021, somente de Castillo Ygay, foram mais de 4,2 mil vendidas em seis meses.

Por que a escolha do reserva 2017 para a homenagem ao Celso La Pastina?

Inicialmente o rótulo comemorativo seria para divulgar os dez anos de parceria entre a Marqués de Murrieta e a World Wine, que ocorreu no mesmo ano em que a safra 2017 do vinho Marqués de Murrieta Reserva estaria pronto para as vendas. Nossa parceria é um dos grandes cases de sucesso da marca. Com a triste e inesperada morte de Celso La Pastina, que contribuiu fortemente com o desenvolvimento da marca no Brasil e por ter sido um dos grandes impulsionadores do crescimento do mercado de vinhos de qualidade, a bodega desejou homenageá-lo colocando também um selo com o seu nome. Foi uma homenagem e também uma forma de agradecimento pelo seu legado.

Quando e quantas garrafas de Ygay 2011 estarão disponíveis?

Vamos receber cerca de 3,9 mil garrafas. Dessas, está previsto para agosto o recebimento de 1,2 mil unidades. Do saldo restante, parte chegará no final do ano e a outra em 2023. Só será possível a precificação na chegada do produto, devido a cotação de frete e cambio.

Sobre as caixas verticais, estarão disponíveis para compra na World Wine? Serão quantas unidades e a partir de quando? O valor já está disponível?

No total, vamos receber 1,2 mil caixas verticais. Dessas, 100 chegam em agosto, do saldo restante, uma parte chegará no final deste ano e a outra em 2023. Só será possível a precificação na chegada do produto, devido a cotação de frete e câmbio.

Conheça a newsletter da EXAME Casual, uma seleção de conteúdos para você aproveitar seu tempo livre com qualidade.