Casual

Lewis Hamilton e Serena Williams interessados em comprar o Chelsea

Atletas fazem parte de grupo de investidores e cada um pagaria cerca de £ 10 milhões, segundo o portal "Sky News"

Hamilton, que corre com a Mercedes e é o único piloto negro da F1 (Divulgação/Divulgação)

Hamilton, que corre com a Mercedes e é o único piloto negro da F1 (Divulgação/Divulgação)

Drc

Da redação, com agências

Publicado em 21 de abril de 2022 às 10h59.

Última atualização em 21 de abril de 2022 às 12h24.

Lewis Hamilton e Serena Williams estão juntos num consórcio interessado em fazer uma das três ofertas para comprar o Chelsea, informa o portal Sky News nesta quinta-feira, 21. O grupo é liderado pelo ex-presidente do Liverpool, Martin Broughton. Cada um pagaria cerca de £ 10 milhões.

Tire dúvidas sobre como declarar o Imposto de Renda 2022. Participe de live gratuita

O clube inglês foi colocado à venda pelo oligarca Roman Abramovich — atual dono do clube, apesar de o banco americano Raine Group assumir a administração — como resultado das sanções impostas à Rússia desde a guerra na Ucrânia. Com oferta inicial de £ 1 bilhão em investimentos de infraestrutura, o valor total do Chelsea por chegar a £ 2,5 bilhões.

Serena Williams celebra ponto no US Open, dia 27/08/2018

Serena Williams já é investidora do time de futebol feminino Los Angeles' Angel City FCSerena Williams já é investidora do Los Angeles' Angel City FC, time americano feminino de futebol. (Reprodução/Getty Images)

Além do piloto e da tenista, o grupo formado por Broughton tem Sebastian Coe, presidente da World Athletics; Josh Harris e David Blitzer, donos do Philadelphia 76ers, time de basquete que disputa na National Basketball Association (NBA); e outros investidores de todo o mundo.

Acompanhe tudo sobre:FutebolInglaterraLewis Hamilton

Mais de Casual

Ícone atemporal, Melissa desembarca em Paris com experiência sensorial

Os 16 melhores vinhos brasileiros avaliados em concurso internacional

Com patrocínio da LVMH, a Olimpíada de Paris vira vitrine para o grupo

Próximo ao prédio mais alto de SP, restaurante com menu do Oriente Médio tem alma da boa comida

Mais na Exame