Casual

Hospital dá dicas para encarar o horário de verão

Médico recomenda evitar situação de estresse no fim da tarde e a noite para não prejudicar o sono

Segundo o médico, o ideal é dormir de duas a três horas depois de escurecer (Maxim Kourov/Stock.xchng)

Segundo o médico, o ideal é dormir de duas a três horas depois de escurecer (Maxim Kourov/Stock.xchng)

DR

Da Redação

Publicado em 19 de outubro de 2012 às 19h20.

São Paulo - A partir da zero hora deste domingo, 16, entra em vigor o horário de verão nos Estados do Centro-Oeste, Sul, Sudeste e Distrito Federal e os relógios terão de ser adiantados em uma hora. Para encarar a mudança no relógio, o Hospital das Clínicas dá dicas para a adaptação, principalmente do sono.

Segundo o médico Arnaldo Lichtenstein, do Hospital das Clínicas, o melhor sono ocorre duas a três horas depois de escurecer e por conta da alteração do horário, o hormônio regulador do sono "melatonina", acionado pela falta de luz, é alterado.

"Para se adaptar ao novo horário, o ideal é evitar situações estimulantes no final da tarde ou na parte da noite", afirma, explicando que quanto mais estímulo maior a dificuldade do organismo em relaxar. Ele observa que outros hormônios, como o cortisol e o hormônio do crescimento, também sofrem variações durante o dia.

Evitar o consumo de café ou chá preto é uma das dicas dadas pelo médico do HC. "Exercícios físicos muito extenuantes também devem ser evitados", observa, citando ainda outras atitudes que podem prejudicar o descanso, tais como se alimentar demais no jantar, ir dormir sem comer, tomar banho muito frio ou muito quente, e ler livros ou ver filmes muito estimulantes nas horas que antecedem o sono.

Segundo o médico, outra dúvida comum é em relação aos horários das medicações. "A orientação é seguir o horário do relógio", diz. E complementa com outra dica: "aproveite o final de tarde e início de noite mais claros para fazer atividades prazerosas e caminhadas".


Acompanhe tudo sobre:ComportamentoHorário de verãoSaúde

Mais de Casual

Chablis: por que os vinhos dessa região da França caíram no gosto do brasileiro?

"A Era das revoluções", de Fareed Zakaria, explica raízes do mundo contemporâneo; leia trecho

Do campo à xícara: saiba o caminho que o café percorre até chegar a sua mesa

Com sustentabilidade e legado, sempre teremos Paris

Mais na Exame