Final com Brasil e Argentina pode ser a redenção da Copa América?

Embora a atenção à Copa América tenha crescido com a final entre Brasil e Argentina, audiência da Eurocopa nas redes sociais foi mais regular, mostra levantamento da Bites

Após um começo cercado de polêmicas e baixa audiência, a Copa América pouco animou os torcedores. Mas o interesse cresceu nos últimos dias e a competição busca sua virada neste sábado, 10, na final entre Brasil e Argentina, disputada a partir das 21h no Maracanã.

Levantamento da consultoria de análise de redes sociais Bites feito a pedido da EXAME mostra que as menções diretas ao torneio tiveram um pico após a confirmação do clássico sul-americano na final.

Ainda assim, boa parte dos jogos da Copa América até aqui não foi capaz de superar a longínqua Eurocopa, mostram os dados.

A disputa entre seleções europeias conseguiu a atenção dos brasileiros com mais regularidade na internet, inclusive nas fases iniciais.

Nos últimos 30 dias no Twitter, principal rede social para comentários de esporte ao vivo, foram ao todo 1,4 milhão de tuítes em português citando diretamente a Euro e 1,1 milhão sobre a Copa América.

Os números incluem postagens, retweets e respostas.

Mesmo se descontadas as postagens feitas por portugueses de Portugal, as menções à Copa América entre os brasileiros têm vitória muito pequena no geral, e ainda perdem para a Euro em vários momentos da competição.

“Na Euro, o interesse foi mais bem distribuído entre os jogos”, diz André Eler, diretor-adjunto da Bites.

A final da Eurocopa também acontece neste fim de semana, no domingo 11, entre Itália e Inglaterra.

Até esta sexta-feira, o auge de menções sobre a competição europeia veio na semifinal entre Itália e Espanha na terça-feira, 6, que terminou em um pênalti batido com classe pelo brasileiro-italiano Jorginho.

  • Mas mesmo nas fases iniciais, os dias de jogo na Euro nunca deixaram de se aproximar ou superar a casa dos 100.000 tweets relacionados.
  • Já na Copa América, boa parte dos dias de competição teve menos de 50.000 menções.
  • No Google, a Eurocopa também foi em média quatro vezes mais buscada em junho do que o termo "Copa América", segundo o Google Trends.

Clássico animou torcedores

A Copa América só teve dois picos principais no Twitter: a estreia entre Brasil e Venezuela no dia 13 de junho e o jogo entre Argentina e Colômbia na última quarta-feira, 7 de julho. A semifinal contou com emocionante disputa de pênaltis, grande partida de Messi e três defesas do goleiro argentino Emiliano Martínez.

Eler, da Bites, aponta que um dos auges foi às 00h10, imediatamente após o fim do jogo, quando ficou confirmado que a Argentina estaria na final contra o Brasil, que havia vencido o Peru no dia anterior (em partida com participação bem mais baixa nas redes).

“Na Copa América, um dos grandes destaques é o interesse pela disputa entre Brasil e Argentina, como se vê pelas mensagens com mais retweets”, diz.

(São contabilizadas no levantamento menções com as hashtags das seleções e nome das competições diretamente. Não estão inclusas meras citações aos países, como “Alemanha” ou “Brasil”, pois não necessariamente têm relação com os jogos.)

Postagens com mais retweets sobre a Copa América: final com a Argentina é o grande destaque (clique para ampliar)

Postagens com mais retweets sobre a Copa América: final com a Argentina é o grande destaque (clique para ampliar) (Twitter/Bites/Reprodução)

Para além das redes, a reta final do jogo da Argentina também fez o SBT, que transmite a Copa América na TV aberta, liderar em audiência por 21 minutos, segundo dados do Kantar Ibope obtidos pelo site especializado em televisão Na Telinha. Mas na média do torneio, a competição não tem sido suficiente para que a emissora supere programas como o Domingão do Faustão ou novelas na líder Globo.

Na TV fechada, onde a Copa América é exibida por ESPN e Fox Sports (ambas do grupo Disney), a audiência tem sido menor do que a das transmissões da Eurocopa pelo SporTV (do grupo Globo). Os jogos europeus tiveram 47 das 50 maiores audiências na TV paga, segundo a Agência Estado — no entanto, o SporTV está presente em mais pacotes de TV paga do que os canais Disney, o que pode influenciar no resultado.

A Copa América que 60% não quis

Há alguns fatores que fizeram a Euro roubar o protagonismo em tantos momentos. Dentro de campo, analistas têm destacado alguma superioridade técnica, com o avanço da qualidade do futebol europeu atraindo o público brasileiro.

"O brasileiro prefere assistir aos melhores jogos do que especificamente torcer pela seleção”, disse em entrevista anterior à EXAME o especialista em marketing esportivo Marcelo Palaia.

O inegável momento político e social mais favorável também entra na conta, com a vacinação avançada tendo permitido aos europeus ter novamente público nos estádios.

Partida entre Inglaterra e Alemanha pela Eurocopa: público nos estádios e clima de maior otimismo

Partida entre Inglaterra e Alemanha pela Eurocopa: público nos estádios e clima de maior otimismo (Matthew Childs/Reuters)

Na América do Sul, o torneio continental se viu no meio das dúvidas sobre a realização da competição e números trágicos da pandemia. A Colômbia, primeira sede da Copa America, passa por um colapso social e protestos contra o governo, enquanto a Argentina não quis receber a competição devido à alta de casos da covid-19. O Brasil topou sediar o torneio de última hora, gerando uma avalanche de críticas.

Pesquisa EXAME com o instituto especializado em opinião pública IDEIA feita antes da competição mostrou que 61% dos brasileiros eram contra ter o Brasil como sede. “A maioria da população não vê benefício na Copa América”, avaliou Maurício Moura, fundador do IDEIA, antes do início do torneio.

Segundo a Conmebol, haviam sido detectados até este fim de semana ao menos 168 casos de coronavírus entre os envolvidos no torneio. Torcedores nas redes sociais em toda a América do Sul fizeram críticas e chegaram a apelidar a competição de “Cepa América”, devido às novas variantes no continente.

Do outro lado, na busca da Copa América pela redenção neste sábado, a presença de craques como Neymar e Messi certamente ajuda.

O argentino, em grande forma na competição apesar dos 34 anos, tem liderado as vitórias dos hermanos. Se bater o Brasil, Messi terá seu primeiro título com a seleção, o que traz ainda mais empolgação pelo lado argentino.

Para muitos, o meia já é o grande craque da competição: lidera em número de gols (4) e assistências (5), e carrega quase nas costas um time sem grandes estrelas, com algumas poucas exceções, como o meia-atacante Di Maria.

Já Neymar, hoje aos 29 anos, foi campeão com o Brasil na última Copa América (também disputada por aqui, quando o Brasil bateu o Peru na final). Na competição até agora, também tem tido boas atuações, com gols e assistências. Mas tem a vantagem de ter um grupo mais equilibrado, com outros nomes de peso.

Fora de campo, polêmicas envolvendo a realização da Copa América também respingaram na imagem da seleção brasileira, que há anos já não empolga parte da torcida. A Confederação Brasileira de Futebol saiu ainda mais desgastada após o ex-presidente Rogério Caboclo ser acusado de assédio. A seleção ameaçou um boicote, mas terminou decidindo jogar.

Em meio ao clima pouco propício, comentários nas redes sociais de brasileiros afirmando que torceriam para a Argentina levaram Neymar a comprar esta briga na sexta-feira, 9, criticando quem torceria contra o time. “Se tem Brasil eu sou Brasil (sic) e quem é brasileiro e faria diferente?”, questionou.

Preferências à parte, o capítulo final da Copa América deve atrair mais atenções neste sábado do que a média do torneio. A ver se o bom futebol que o confronto promete será o suficiente para apagar a pouca animação dos brasileiros até aqui — como deseja Neymar.

Onde assistir à final da Copa América

  • Horário: 21 horas
  • Estádio: Maracanã, na cidade do Rio de Janeiro
  • TV aberta: SBT
  • TV fechada: ESPN Brasil
De 1 a 5, qual sua experiência de leitura na exame?
Sendo 1 a nota mais baixa e 5 a nota mais alta.

 

Seu feedback é muito importante para construir uma EXAME cada vez melhor.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também