A página inicial está de cara nova Experimentar close button
Conheça o beta do novo site da Exame clicando neste botão.

Fãs de Maradona relembram gigante polêmico do futebol um ano após morte

O campeão mundial argentino, conhecido como "Pelusa" por sua cabeleira outrora esvoaçante e "D10S", morreu em 25 de novembro de 2020, aos 60 anos, devido a uma parada cardíaca

Milhares de fãs do gigante do futebol Diego Maradona o homenagearão no aniversário de um ano de sua morte, em meio a disputas legais sobre como o astro morreu e acusações a respeito de relacionamentos passados que ameaçam manchar seu legado.

O campeão mundial argentino, conhecido como "Pelusa" por sua cabeleira outrora esvoaçante e "D10S" — uma brincadeira com a palavra "Deus" em espanhol e sua famosa camisa 10 — morreu em 25 de novembro de 2020, aos 60 anos, devido a uma parada cardíaca.

Nascido em um bairro pobre nos subúrbios de Buenos Aires, Maradona se tornou um ícone para muitas pessoas na Argentina e em todo o mundo. Ele foi considerado um herói em Napóles, na Itália, onde ajudou a levar um time azarão à glória nacional e europeia.

O jogador foi imortalizado em murais e estátuas, assim como em tatuagens. Crianças — meninos e meninas — foram batizadas com seu nome em sua homenagem.

"Diego nos fez sentir tantas coisas", disse Ezequiel Rossi, professor de 34 anos na Argentina, à Reuters nesta semana.

"Foi maravilhoso ver esse garoto que começou do nada e de repente tinha tudo. Ele nos fez sonhar e imaginar que também poderíamos fazer grandes coisas."

A vida pessoal de Maradona foi polêmica, marcada por excessos com drogas e álcool, vários filhos e amizades com líderes políticos autoritários, incluindo Hugo Chávez na Venezuela e Fidel Castro em Cuba.

Nesta semana, uma cubana que teve um caso com Maradona duas décadas atrás, quando ela tinha 16 anos e ele cerca de 40, acusou o astro de "roubar sua infância" e de estuprá-la em uma ocasião.

"Não posso justificar o que ele fez em muitas áreas de sua vida", disse Alejandro Sterli, um instrutor de tiro de 61 anos. "É por isso que tento separar o jogador do ser humano."

O Napoli, clube o qual ele levou à vitória do Campeonato Italiano em 1987 e 1990, disputará três jogos em novembro vestindo camisetas com imagens em preto e branco de um Maradona jovem. Dois de seus outros clubes, Barcelona e Boca Juniors, competirão em uma "Copa Maradona".

Para muitos, quinta-feira será um dia de tristeza.

"Aquele dia é o pior dia da minha vida", disse recentemente uma de suas filhas, Dalma Maradona, no Instagram. "Sinto que esse dia não é para homenagear ou comemorar, muito menos celebrar."

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também