Casual

Depois do salmão importado, suspeito de Covid-19, China testa carnes

Autoridades alfandegárias chinesas começaram a testar todos embarques de carne importada para o novo coronavírus

Beef Tenderloin (AAron Ontiveroz/MediaNews Group/The Denver Post/Getty Images)

Beef Tenderloin (AAron Ontiveroz/MediaNews Group/The Denver Post/Getty Images)

Guilherme Dearo

Guilherme Dearo

Publicado em 16 de junho de 2020 às 11h46.

Última atualização em 16 de junho de 2020 às 16h24.

Autoridades alfandegárias da China começaram a testar todos embarques de carne importada para o coronavírus, enquanto algumas grandes cidades também testam produtos nos mercados domésticos, depois que um novo surto do patógeno foi associado a um mercado atacadista de carne e frutos do mar em Pequim.

Autoridades portuárias estão realizando testes de ácido nucleico em todas remessas de carne importada, disse um executivo de comércio de um grande fornecedor, que pediu para não ser identificado. Autoridades alfandegárias também começaram a testar todas mercadorias dos embarques, em vez de apenas colher algumas amostras, disse.

O novo surto foi associado a uma tábua usada por um vendedor de salmão importado. O salmão foi retirado de supermercados e plataformas de produtos alimentícios nas principais cidades. Autoridades alfandegárias não estavam imediatamente disponíveis para comentários quando contatadas pela Bloomberg.

A China importou 862 mil toneladas de carne e miúdos em abril, elevando o total de importações nos primeiros quatro meses para 3 milhões de toneladas, um aumento de 82% em relação ao ano anterior, segundo dados alfandegários. As importações vieram principalmente do Brasil, Estados Unidos e Europa. O país tenta cobrir o déficit de proteínas depois que surtos de peste suína africana reduziram os plantéis de suínos em cerca da metade.

 

Autoridades de Pequim testaram mais de 2 mil amostras de itens alimentares, como carne, frutos do mar e ovos, e todos atenderam ao padrão, de acordo com o governo da cidade.

A capital também fechou 11 outros mercados e desinfetou quase 300 que vendem produtos como legumes, frutas, carne e peixe, de acordo com a prefeitura. A cidade bloqueou vários conjuntos residenciais após registrar mais de 100 novos casos.

“Os compradores não suspenderam as importações, pois qualquer suspensão precisa esperar até uma conclusão oficial sobre o vírus, mas alguns podem ser cautelosos ao fazer novos pedidos”, disse Lin Guofa, analista sênior do Bric Agriculture Group, consultoria com sede em Pequim. O controle sobre a carne contrabandeada e expectativas de menos produtos importados nos próximos meses elevaram os preços da carne nos portos, disse Lin.

Acompanhe tudo sobre:Carnes e derivadosChinaCoronavírusGastronomiaPesca

Mais de Casual

Uniformes dos atletas na abertura da Olimpíada 2024: veja o do Brasil e de outros países

Quais são as atrações turísticas mais superestimadas do mundo?

Dia dos Pais da Reserva é celebrado em colaboração com memórias de Ayrton Senna

Com movimento mais baixo nos parques, Disney oferece desconto em pacotes de ingressos

Mais na Exame