De cenário congelado a 7.500 figurinos: os desafios de produção da série “Bridgerton”

Produzido por Shonda Rhimes, a série lançada há duas semanas já é a quinta produção original Netflix mais assistida do streaming

Após o sucesso de O Gambito da Rainha, a Netflix já tem uma série concorrente para desbancar o trono: Bridgerton. Baseada nos romances de Julia Quinn e produzida por Shonda Rhimes, a série tem um por trás das câmeras que impressiona em números, foram feitas mais de 7.500 peças de roupas para incorporar os looks do século 19, em personagens, a Rainha da Inglaterra é uma mulher negra (interpretada por Golda Rosheuvel), e na trilha sonora, uma orquestra de cordas toca sucessos de Ariana Grande, Billie Eilish e Maroon 5

Está faltando dinheiro para planejar seu 2021? Investir na bolsa pode ser o primeiro passo. Conheça os cursos da EXAME Academy 

Lançada há duas semanas, a série já é a quinta produção original da Netflix mais assistida no streaming. Além disso, a Netflix espera que mais de 63 milhões de casas assistam a produção nas primeiras quatro semanas desde o lançamento.

Bridgerton começa com garotas se arrumando para debutarem para a Rainha Charlotte. Mas ao contrário das meninas de 15 anos do século 21, as da série sofrem com espartilhos e adornam suas cabeças com imensas penas. A figurinista da série, Ellen Mirojnick, que já trabalhou em filmes como Instinto Selvagem e Malévola, e recebeu um prêmio Emmy de Melhor Figurista em 2013, contou à revista The Cut como foi o processo de produção dos mais de 7.500 figurinos da série, que conta com oito episódios e dez bailes. “O primeiro passo é olhar para o período em que está trabalhando, e depois ampliá-lo. O resultado é uma versão mais funk, mais alta e mais selvagem do século XIX”.

As jovens da série Bridgerton debutam perante a Rainha com seus melhores vestidos e elegância.

As jovens da série Bridgerton debutam perante a Rainha com seus melhores vestidos e elegância. (Liam Daniel/Netflix/Divulgação)

Realmente, as roupas contam com cores neon, diversos cristais Swarowski, e perucas em tons pastel que não fazem parte do universo de 1800, mas sim, das famílias Featheringtons e Bridgerton da série. A primeira família retrata os novos ricos, que desejam a aceitação social. Já a família que dá o nome à série está no topo da camada social, é admirada pela sociedade e cumpre as formalidades impostas pela época. 

Mirojnick conta ao The Cut sobre o processo de caracterização das famílias. “Nos livros, quando Julia Quinn falou pela primeira vez sobre os Featheringtons, ela os descreveu como sendo pegajosos, feios e ácidos. Quando Chris Van Dusen criou a série, isso foi traduzido. Não os achei feios, eu os achei divertidos. Vesti-los era como decorar um bolo. Foi tão doce, divertido e ousado.”

A figurinista Ellen Mirojnick (de óculos) faz prova de figurino com Phoebe Dynevor que vive a personagem Daphne Bridgerton na série.

A figurinista Ellen Mirojnick (de óculos) faz prova de figurino com Phoebe Dynevor que vive a personagem Daphne Bridgerton na série. (Liam Daniel/Netflix/Divulgação)

Para identificar as famílias, a assinatura dos Featheringtons são borboletas e a dos Bridgertons, abelhas. Durante as cenas do primeiro baile, é possível identificar a personagem Penelope Featherington usando um vestido com estampa de borboleta. 

Além deste detalhe do figurino, outro que não passa desapercebido é o decote. Mirojnick conta ao The Cut que “no período da Regência, com silhueta império, o destaque é a beleza do seio. [Com o espartilho por baixo do vestido] tudo sobe e se concentra na beleza do seio.” Para os personagens principais, foram produzidas mais de mil peças de roupas para cada, desde roupas íntimas aos vestidos luxuosos.

Conforto não foi um adjetivo que os atores e atrizes puderam utilizar nas gravações. Primeiro, pelo uso dos espartilhos e roupas pesadas. Depois, pela época do ano em que a série foi filmada, durante o inverno europeu com diversas cenas externas. A série, gravada na Inglaterra, contou com locações em Londres, Bath e Yorkshire.

Para a equipe, o desafio foi ainda maior. Algumas filmagens foram feitas próximas às residências reais, e precisaram ser gravadas rapidamente. A estação do ano acabou com todas as folhagens e flores das árvores, assim arbustos e árvores de plástico tomaram conta dos jardins, além de muita grama sintética cobrindo as naturais, queimadas pela neve. “Além das árvores falsas, passamos a manhã com maçaricos derretendo o gelo que estava aparente no cenário”, contou o designer de produção Will Hughes-Jones à Architectural Digest. “É o glamour dos filmes!”

Nem tudo é o que parece ser. A equipe de produção enfrentou diversos questões climáticas durante as gravações.

Nem tudo é o que parece ser. A equipe de produção enfrentou diversos questões climáticas durante as gravações. (Liam Daniel/Netflix/Divulgação)

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.