• AALR3 R$ 19,60 -1.01
  • AAPL34 R$ 74,36 1.72
  • ABCB4 R$ 16,43 1.36
  • ABEV3 R$ 14,53 0.35
  • AERI3 R$ 3,81 -1.04
  • AESB3 R$ 10,67 -1.11
  • AGRO3 R$ 32,37 2.76
  • ALPA4 R$ 21,90 -0.82
  • ALSO3 R$ 19,62 0.26
  • ALUP11 R$ 26,19 0.42
  • AMAR3 R$ 2,23 3.24
  • AMBP3 R$ 29,72 4.54
  • AMER3 R$ 23,04 1.63
  • AMZO34 R$ 72,52 3.90
  • ANIM3 R$ 5,38 7.60
  • ARZZ3 R$ 82,03 2.08
  • ASAI3 R$ 15,52 1.84
  • AZUL4 R$ 20,75 11.02
  • B3SA3 R$ 11,44 -3.87
  • BBAS3 R$ 35,10 -0.17
Abra sua conta no BTG

Crianças portuguesas estão ‘falando como brasileiros’, entenda por quê

O tema se tornou um dos assuntos mais comentados nas redes sociais no Brasil
 (Getty Images/Jeffrey Greenberg/Universal Images Group)
(Getty Images/Jeffrey Greenberg/Universal Images Group)
Por Estadão ConteúdoPublicado em 30/12/2021 08:04 | Última atualização em 27/12/2021 12:06Tempo de Leitura: 2 min de leitura

*Essa matéria foi originalmente publicada em novembro de 2021 

Uma matéria publicada pelo jornal português Diário de Notícias, um dos mais tradicionais veículos impressos de Portugal, na quarta-feira, 10, chamou a atenção do público brasileiro ao afirmar que há crianças portuguesas que "só falam brasileiro". O motivo apontado pela publicação seria a influência de youtubers do Brasil, os mais assistidos pelos "miúdos" portugueses, que estariam mudando a forma de falar das crianças.

A pandemia mexeu com a saúde mental dos brasileiros, mas é possível dar a volta por cima. Descubra como.

"Dizem grama em vez de relva, autocarro é ônibus, rebuçado é bala, riscas são listras e leite está na geladeira em vez de no frigorífico. Os educadores notam-no sobretudo depois do confinamento - à conta de muita horas de exposição a conteúdos feitos por youtubers brasileiros. As opiniões de pais, professores e especialistas dividem-se entre a preocupação e os que relativizam, por considerarem tratar-se de uma fase, como aconteceu com as novelas", diz o jornal português.

O tema se tornou um dos assuntos mais comentados nas redes sociais no Brasil. Os usuários se dividiram entre aqueles que fizeram piada sobre a matéria, apontando a influência brasileira noticiada como uma espécie de "colonialismo reverso" e fazendo comparações entre termos utilizados em Brasil e Portugal, enquanto outros usuários - tanto brasileiros quanto portugueses - questionaram o teor xenofóbico da publicação, ao se referir ao português falado no Brasil como "brasileiro", apesar do idioma ser um só.

Outro personagem citado na matéria e repercutido pelas redes foi o youtuber brasileiro Luccas Neto, apresentado pelo Diário de Notícias como um dos mais assistidos em Portugal. Alguns usuários escreveram que o produtor de conteúdo carioca estaria vingando a colonização portuguesa na América.

Conheça a newsletter da EXAME Casual, uma seleção de conteúdos pra você aproveitar seu tempo livre com qualidade.