Conheça as instalações da Olimpíada de Inverno Pequim 2022; veja fotos

Oito locais utilizados em 2008 voltam à cena; das novas instalações, o Oval Nacional é um dos destaques
 (Pawel Kopczynski/Reuters)
(Pawel Kopczynski/Reuters)
Por Agência O GloboPublicado em 03/02/2022 12:28 | Última atualização em 03/02/2022 12:58Tempo de Leitura: 4 min de leitura

Pequim entra para a história como a primeira cidade a ser sede dos Jogos Olímpicos de Verão e de Inverno. E ícones de 14 anos atrás voltam à cena novamente. No total, oito instalações utilizadas em 2008 foram transformadas e reaproveitadas. Além do Estádio Nacional, o chamado Ninho do Pássaro, a lista inclui o Centro Aquático Nacional, o "Cubo d'Água" que agora virou "Cubo de Gelo".

Foi neste local que o americano Michael Phelps tornou-se o maior medalhista olímpico da história e César Cielo ganhou o ouro nos 50 m livre. E neste ano, a instalação dará lugar às disputas do curling, uma das mais curiosas dos esportes gelados.

Já o Ginásio da Capital, onde a seleção brasileira feminina de vôlei ganhou o ouro, recebeu uma pista de gelo. E é lá que o japonês Yuzuru Hanyu vai tentar se tornar o primeiro homem na história a conquistar o ouro em três jogos consecutivos desde 1928, depois de Sochi-2014 e PyeongChang-2018, na patinação artística. E Wu Dajing terá a vantagem de atuar em casa quando defender o título dos 500 m masculino na patinação em velocidade em pista curta.

"O Leque", como é conhecido o Estádio Nacional Indoor, que lembra um tradicional leque chinês, foi construído para os Jogos de 2008 e foi sede da ginástica rítmica, trampolim e o handebol. Agora receberá o hóquei no gelo, assim como o Centro de Esportes de Wukesong (basquete em 2008).

Mas, por causa da pandemia de covid-19, jogadores da NHL (principal liga masculina da América do Norte) não foram liberados para a Olimpíada. Canadá, principal potência, e EUA contarão com atletas universitários ou de ligas inferiores. 
Instalações novas

O legado de Pequim-2008 divide espaço com belas construções como o Oval Nacional, para a patinação de velocidade, que recebeu a apelido de “fita de gelo”. O estádio foi construído no lugar do campo de hóquei sobre grama e do campo de tiro com arco, ambos situados no Parque Olímpico e utilizados para as suas respectivas modalidades nos Jogos de Verão de 2008.

O Big Air Shougang, sede das competições do esqui estilo livre e do snowboard, que foi construído onde antes se localizava uma usina siderúrgica, terá como pano de fundo quatro torres industriais de esfriamento.

É lá que Shaun White, dos Estados Unidos, defenderá o título do snowboard, após classificação há poucos dias, na última hora. Depois do tricampeonato olímpico em PyeongChang-2018, ele tirou um tempo, flertou com o skate em Tóquio-2020, mas voltou para tentar, em Pequim, a quarta medalha de ouro em Jogos (também ganhou em Turim-2006 e Vancouver-2010). Ele anunciou que esta será sua quinta e última partiipação em Olimpíada.

A atleta do Brasil com mais chances de bater o recorde nacional (o nono lugar de Isabel Clark no snowboard em Turim-2006) é Nicole Silveira, que competirá em Yanqing.

Localizada a 75 quilômetros a noroeste do centro de Pequim, Yanqing é um subúrbio montanhoso da capital chinesa, conhecido pelas suas fontes termais, parques nacionais, centros de esqui e pelo trecho de Badaling da Grande Muralha da China. O local será a sede dos eventos de esqui alpino, bobsled, luge e skeleton.

Nicole é campeã da Copa América 2022 e Top 10 na etapa de Altenberg da Copa do Mundo da modalidade.

Outro destaque em Yanqing deverá ser Mikaela Shiffrin, candidata para conquistar sua quarta medalha em Jogos e, podendo ser o terceiro ouro. Detentora de recorde de vitórias no slalom em Copas do Mundo de esqui alpino, teve o último ciclo marcado pelo falecimento do pai, Jeff, em plena pandemia.

A terceira área de competições de Pequiim-2022 é a Zona de Zhangjiakou, destino popular de esqui na China que abrigará a maioria dos eventos de esqui e de snowboard (incluindo o estilo livre, o cross country, o salto de esqui, o combinado nórdico e o biatlo). E onde está localizado o Centro Nacional de Salto de Esqui.

O projeto arquitetônico deste centro se assemelha a um cetro tradicional "ruyi", um talismã chinês e por isso ganhou o apelido de "Ruyi de Neve".