Como não consumir gordura trans por engano?

Estratégia da indústria de alimentação pode levar o consumidor a cometer enganos. Por isso, é preciso estar atento aos rótulos dos produtos

São Paulo - A gordura trans vai entrar na lista de produtos “não reconhecidos como seguros para saúde” da agência sanitária dos Estados Unidos (FDA). Estima-se que, com esta medida, sejam evitados 20 mil infartos e 7 mil mortes por doenças do coração a cada ano nos Estados Unidos.

Analisando esses números fica mais fácil dimensionar o mal que a gordura trans provoca no organismo. A professora e nutricionista Luciana Setaro afirma que: “A gordura trans é produzida pelo processo de hidrogenação. Por isso, o consumo contribui para o aumento do LDL (colesterol ruim) e diminuição do HDL (colesterol bom) no sangue. Ela também provoca o aumento da gordura abdominal, levando à síndrome metabólica, um conjunto de doenças graves como: diabetes, pressão alta, aumento do LDL e triglicérides. O aumento da gordura no sangue pode formar placas de ateroma nas artérias, aumentando as chances de AVE (Acidente Vascular Encefálico) e infarto agudo do miocárdio”.

A gordura trans foi adotada pelas indústrias de alimentos na década de 50, para aumentar a durabilidade do produto na prateleira, ou seja, a conservação dos alimentos e também aumentar o sabor e deixá-los crocantes.

No Brasil, desde 2000, diferentes esforços têm contribuído para reduzir a gordura trans nos alimentos industrializados, porém, a professora Luciana faz um alerta. “É importante checar os rótulos dos alimentos, pois muitas vezes apresentam informações que não condizem com a realidade, como trazer a tabela nutricional por porção, e creditar como zero gordura trans porém, quando consumido 100g há muita gordura trans”, afirma.

Segundo a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), o alimento que tiver quantidade menor ou igual a 0,2 g de gordura trans pode ser caracterizado como “zero trans”. Nos mercados é possível encontrar alimentos denominados “trans free”, como biscoitos, margarinas e sorvetes, mas é importante checar o rótulo para conferir, pois, nem sempre há destaques na embalagem.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.