Cai o consumo de água de coco nos Estados Unidos, saiba o motivo

A água de coco encerrou sua ascensão meteórica e começou a perder participação à medida que consumidores se voltavam para outras opções da moda

Há apenas alguns anos, a água de coco voava das prateleiras dos supermercados. Enquanto os consumidores compravam cada vez mais a bebida naturalmente doce, fabricantes introduziam novas marcas e bares criavam coquetéis exclusivos. Mas, como foi observado com a popularidade cada vez menor das batatas fritas sem gordura, os gostos mudam.

Não perca nenhuma oportunidade da Bolsa. Aprenda a investir em ações com o curso mais acessível do mercado. 

A água de coco encerrou sua ascensão meteórica e começou a perder participação à medida que consumidores se voltavam para outras opções da moda, incluindo as seltzers com sabor que ganharam popularidade recentemente. O último golpe veio com a recente decisão da Coca-Cola de descontinuar a marca de água de coco Zico, como parte de uma poda de “produtos de baixo desempenho”.

“A água de coco registrou um pico vários anos atrás, pois era a bebida popular do momento”, disse George Daines, comerciante global da categoria de bebidas do Whole Foods. “Os clientes agora têm muitas opções concorrentes para a ocasião de uso da água de coco.”

Desde o pico em 2016, as vendas de água de coco nos EUA caíram 16%, de acordo com dados da Euromonitor. A queda se acelerou nos últimos anos.

Marcas registraram quedas semelhantes. As vendas de varejo da Zico caíram cerca de 7% no ano passado, enquanto as da O.N.E., marca da PepsiCo, tiveram baixa de quase 13%, segundo a Euromonitor.

É verdade que a água de coco sempre teve seus detratores. Não é preciso pesquisar muito online para encontrar reclamações sobre a textura, cheiro ou sabor.

Mudança de mercado
Apesar dos problemas de algumas marcas, a demanda por água de coco em geral poderia aumentar durante a pandemia, que levou consumidores a estocarem bebidas, salgadinhos e produtos de limpeza. Esse fenômeno de carregamento de despensa impulsionou as vendas de muitos tipos de produtos embalados.

Michael Kirban, que fundou a Vita Coco, continua otimista com a categoria e com sua própria marca. Ele reconheceu a desaceleração em 2018 e no início de 2019, que atribuiu a problemas de como os varejistas posicionaram os produtos. Mas há sinais de recuperação mais recentemente, com o auxílio de novas ofertas, disse. As vendas de Vita Coco aumentaram 13% nas últimas 52 semanas e um pouco mais nos últimos meses.

E, mesmo que a categoria tropece novamente, a saída da Coca-Cola do segmento dá lugar para outras marcas entrarem.

“Com a saída da Zico e todas as outras marcas indo embora, isso nos dá mais presença de prateleira para introduzir mais inovação e mais pessoas na categoria”, disse Kirban, que é CEO da empresa. “Então, na verdade, estamos em um lugar muito interessante.”

Com a colaboração de Brett Pulley.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 9,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.