Casual

Brasil lidera mercado de jatos executivos na América Latina que deve movimentar US$ 1,31 bi até 2029

Somente a cidade de São Paulo tem mais de 400 helicópteros, sendo a maior frota do mundo

Phenom 300, da Embraer: líder de vendas no mundo. (Divulgação/Divulgação)

Phenom 300, da Embraer: líder de vendas no mundo. (Divulgação/Divulgação)

Rodrigo Mora
Rodrigo Mora

Repórter de automobilismo

Publicado em 16 de junho de 2024 às 15h36.

Última atualização em 17 de julho de 2024 às 15h50.

O Brasil está entre os países com o maior mercado de aviação executiva. Alguns números ajudam a entender o tamanho da frota do país, que conta com mais de 2.000 helicópteros, segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Somente a cidade de São Paulo tem mais de 400 aeronaves, sendo a maior frota de helicópteros do mundo, à frente de cidades como Nova York, Tóquio e Pequim.

Falando apenas de jatos executivos, o mercado da América Latina é estimado em US$ 640 milhões em 2024 e deverá atingir US$ 1,31 bilhão até 2029, segundo levantamento do Mordor Intelligence. Esse crescimento é muito puxado pelo Brasil, que deve chegar à marca de 10.000 aeronaves executivas ainda neste ano.

Um exemplo deste crescimento foi o Catarina Aviation Show, realizado entre os dias 13 e 15 de junho no aeroporto executivo internacional Catarina, localizado a poucos quilômetros da cidade de São Paulo. O evento foi exclusivo, aberto apenas para convidados. Cerca de 6.000 pessoas passaram pelo local para ver as novidades de diversas marcas nacionais e internacionais.

João Paulo Picolo, CEO da NürnbergMesse Brasil, que organizou o Catarina Aviation Show ao lado da JHSF, explica que o evento triplicou de tamanho desde a primeira edição - essa foi a terceira - por demanda dos clientes. "Temos mais de 50 marcas expositoras em três hangares do aeroporto", diz. O executivo não revela valores, mas diz que a movimentação de vendas aumentou junto com o evento.

Um dos exemplos é a empresa de aviação Leonardo que conseguiu 15 novos compradores durante o evento. A marca guarda segredo sobre os valores, mas estima-se que fiquem na casa dos milhões de dólares. A Gulfstream também comemorou a primeira venda de um dos seus mais recentes lançamentos, o G700, que custa 90 milhões de dólares.

Animados com os resultados do evento também estavam os executivos da Revo, empresa de mobilidade urbana avançada que trouxe para a capital paulista a solução do transporte aéreo de luxo para o aeroporto internacional de São Paulo. Durante o evento, a companhia fez diversos voos trazendo e levando clientes ao Catarina Aviation Show, além de voos panorâmicos pela área.

Jatos queridinhos e iates de luxo

Dois aviões que estavam no Catarina Aviation Show pertencem ao grupo dos mais queridos pelos brasileiros: o Phenom 300E, da Embraer, e o Gulfstream G280. Somente em 2023, a Embraer entregou 63 aeronaves da série Phenom 300. Na última década, já foram entregues 730 unidades em todo o mundo, com operação em 40 países. Recentemente se tornou o jato executivo mais voado nos Estados Unidos, com mais de 360 mil voos em um período de 12 meses.

Além das aeronaves, barcos de luxo também estavam expostos no evento. O Intermarine 70 virou sensação entre o público, que aguardava alguns minutos para visitar a área interna da embarcação. O iate, de 70 pés, estava exposto em uma área ao lado de aeronaves e de outras embarcações do estaleiro catarinense Okean e da grife italiana de barcos Ferretti.

Acompanhe tudo sobre:AviaçãoJatos executivos

Mais de Casual

Chablis: por que os vinhos dessa região da França caíram no gosto do brasileiro?

"A Era das revoluções", de Fareed Zakaria, explica raízes do mundo contemporâneo; leia trecho

Do campo à xícara: saiba o caminho que o café percorre até chegar a sua mesa

Com sustentabilidade e legado, sempre teremos Paris

Mais na Exame