Assessora de Schumacher revela informações sobre o piloto e sua família

Sabine Kehm, assessora de Michael Schumacher, concedeu uma entrevista à jornal italiano, em que comenta sobre a família do piloto

Já se passaram sete anos desde o acidente que tirou Michael Schumacher dos holofotes. Pouco se sabe sobre o estado de saúde do piloto, que se acidentou enquanto esquiava com a família em Meribel, nos Alpes Franceses, em 2013. Uma das pessoas que mantém o sigilo de saúde do piloto é sua assessora, Sabine Kehm, que falou recentemente ao jornal italiano La Gazzetta dello Sport sobre a família Schumacher. 

O mundo está mais complexo, mas dá para começar com o básico. Veja como, no Manual do Investidor

Kehm, que está ao lado da família Schumacher desde 1999, conversou com o jornalista Andrea Cremonesi, que foi até Gland, cidade suíça com dez mil habitantes, onde moram os Schumachers. De lá, a assessora comentou ao jornal que “raramente vi uma família tão unida. A família sempre esteve com ele, embora os jornalistas não pudessem vê-la. Schumacher sentiu a necessidade de tê-la por perto, especialmente [a esposa] Corinna nos finais de semana que pareciam complicados”, conta.

Internet “super rápida” de Elon Musk é aprovada no Reino Unido

Na família Schumacher, o filho Mick segue os passos do pai e estreia este ano nas pistas de Fórmula 1 pela Haas. Porém, para Kehm, as semelhanças terminam por aí. “Discordo totalmente quando dizem que Mick e Michael são idênticos. O sorriso de Mick é o de Corinna e ela está muito envolvida em todas as decisões que afetam seu filho”, comenta.

Poucas pessoas viram Schumacher desde 2013, entre eles estão o piloto brasileiro Felipe Massa e Jean Todt, atual presidente da FIA (Federação Internacional de Automobilismo) e ex-dirigente da Ferrari durante as vitórias de Schumi entre 2000 e 2004. Elisabetta Gregoraci, ex-esposa de Flávio Briatore, ex-chefe do piloto na Fórmula 1, visitou o piloto no ano passado e comentou que Schumacher não falará mais

A casa da família possui uma ala hospitalar para cuidar do piloto, com isso, são gastos 140 mil euros (cerca de R$ 549 mil) por semana com toda a estrutura médica necessária.

Com a pandemia, as visitas ao piloto alemão ficaram ainda mais restritas, por medo de contaminação, comenta Kehm. No ano passado, estava prevista uma transfusão de células-tronco cardíacas no piloto para regeneração do sistema imunológico, porém, devido ao coronavírus, o procedimento teve de ser adiado para evitar um risco de contaminação. 

Sempre muito reservado, Sabine termina a entrevista contando que um dia Michael estava passeando com seu cachorro pela cidade quando uma senhora se aproximou para conversar, e disse: “‘Você sabia que Schumacher mora por aqui?’ e ele discretamente responde:  ‘Oh, é mesmo?’”.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.