Aeroportos vazios, hotéis sem hóspedes: turismo perdeu US$ 1,3 trilhão em 2020

Segundo a Organização Mundial do Turismo, "o turismo internacional poderia levar entre dois anos e meio e quatro para voltar aos níveis de 2019"

O turismo mundial viveu seu pior ano em 2020 por causa da pandemia, com um prejuízo econômico para o setor estimado em 1,3 trilhão de dólares, anunciou a Organização Mundial do Turismo (OMT) nesta quinta-feira, 28. A queda da receita, contabilizada como exportações, representa "mais de 11 vezes as perdas registradas durante a crise econômica global de 2009" e reflete uma redução de 74% nas chegadas internacionais de turistas em relação a 2019, informou a agência da ONU em seu relatório anual.

Está faltando dinheiro para viajar? Investir na bolsa pode ser o primeiro passo. Conheça os cursos da EXAME Academy

"O turismo mundial registrou seu pior ano em 2020", com "1 bilhão de chegadas internacionais a menos que no ano anterior, devido a um colapso sem precedentes da demanda e às restrições generalizadas das viagens", detalhou a Organização.

A título de comparação, durante a crise financeira internacional de 2008-2009, o número de visitantes nos destinos de todo mundo caiu apenas 4%. A OMT estima também que, como consequência desta crise, "entre 100 e 120 milhões de empregos turísticos diretos estão em risco, muitos deles em pequenas e médias empresas".

No curto prazo, a Organização destaca que "as perspectivas gerais de uma recuperação em 2021 parecem ter piorado", e acredita que "o turismo internacional poderia levar entre dois anos e meio e quatro para voltar aos níveis de 2019".

"A crise ainda está longe de ter terminado", declarou em comunicado o secretário-geral da OMT, Zurab Pololikashvili. "A harmonização, a coordenação e a digitalização das medidas de redução de risco de propagação da covid-19 em relação às viagens, entre elas os testes, o rastreamento e os certificados de vacinação, são a base imprescindível para promover viagens seguras e preparar a recuperação do turismo assim que as condições permitirem", acrescentou.

Por regiões, a Ásia-Pacífico foi a mais duramente atingida, com uma queda de chegadas de 84% em relação a 2019, tanto por ter sido a primeira afetada quanto pelas sérias restrições de movimentos que ainda mantém. As Américas tiveram a queda mais moderada nas chegadas internacionais, com 69%, "com resultados levemente melhores no último trimestre do ano", indicou a OMT. A Europa sofreu uma queda de 70% e teve a maior queda em termos absolutos, com uma redução de mais de 500 milhões de turistas em 2020.

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.