A vez das aéreas? Corrida para salvar o turismo começou

Globalmente, a capacidade da aviação melhorou quase 1 ponto percentual e está em 62% dos níveis de 2019

Conforme as campanhas de vacinação ganham força em todo o mundo, mais mercados estão voltando aos níveis vistos antes do surto global de covid-19, um bom presságio para os fluxos de turismo que são vitais para reparar a indústria de aviação que foi devastada pela pandemia.

Na semana passada, a capacidade aérea na Rússia e na Ucrânia saltou acima dos níveis pré-pandêmicos, enquanto mercados como Irã, Costa Rica e México ficaram próximos de compensar o déficit dos últimos 18 meses. A capacidade do Vietnã aumentou 50% em relação à semana anterior, embora o destino permaneça abaixo dos níveis pré-pandêmicos e fechado para viajantes internacionais, de acordo com o rastreador de voos semanais da Bloomberg, que usa dados do OAG para monitorar a indústria.

Globalmente, a capacidade da aviação melhorou quase 1 ponto percentual e está em 62% dos níveis de 2019, mostram os dados. Os sinais positivos estão começando a chegar nas companhias aéreas, mesmo fora dos Estados Unidos, que de repente se viram com falta de pilotos. A Qatar Airways disse nesta semana que viu um aumento nas reservas, enquanto Emirates, Air France-KLM e Wizz Air Holdings têm planos para ampliar a capacidade.

A Europa e a América do Norte continuam liderando a recuperação global, especialmente depois que a União Europeia acrescentou os EUA em uma lista de países que não precisam fazer longas quarentenas. Por outro lado, uma onda de surtos locais e bloqueios pesaram sobre a China, onde a capacidade caiu abaixo dos níveis de 2019, pesando na recuperação do mercado de aviação asiático.

Willie Walsh, que dirige a Associação Internacional de Transporte Aéreo, disse que está “um pouco mais otimista“ sobre uma recuperação do que estava no início deste ano, quando o grupo previu uma perda para toda a indústria de 48 bilhões de dólares para 2021, um número que ele disse ser “um pouco conservador”.

A capacidade programada para os mercados europeus continua a crescer à medida que os países abrem fronteiras e as companhias aéreas atendem à demanda reprimida. O número de assentos oferecidos na Itália, França e Alemanha aumentou pelo menos 9% para cada mercado. A Europa teve seu melhor avanço semanal desde agosto de 2020, recuperando-se para 48% dos níveis de 2019, um aumento de mais de 2 pontos percentuais em relação à semana anterior.

Os Estados Unidos recuperaram mais de 80% dos níveis pré-covid. Mais alívio pode estar a caminho para a região, enquanto o Reino Unido se prepara para permitir que os britânicos que foram totalmente vacinados viajem para mais de 150 países de risco mediano até agosto, sem a necessidade de quarentena ao retornar.

John Grant, analista-chefe da OAG, disse que a recuperação contínua depende de acordos de viagens que facilitem a movimentação das pessoas vacinadas.

À medida que a recuperação ganha ritmo, um fator complicador pode ser a escassez de mão de obra. O problema é “particularmente agudo” nos Estados Unidos, disse Tony Capuan, CEO da rede de hotéis Marriott International.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também