Trabalhador demitido após crise de ansiedade vai receber US$ 450 mil

Mesmo advertindo gerente de que não queria comemorar o aniversário no trabalho, o evento foi realizado por colegas, desencadeando ataque de pânico em reunião com supervisores
Empresa vai recorrer (Klaus Vedfelt/Getty Images)
Empresa vai recorrer (Klaus Vedfelt/Getty Images)
Por Agência O GloboPublicado em 18/04/2022 13:39 | Última atualização em 19/04/2022 10:36Tempo de Leitura: 4 min de leitura

Um morador do estado americano do Kentucky, demitido dias após ter tido um ataque de pânico em seu local de trabalho devido a uma festa de aniversário surpresa, foi indenizado em US$ 450 mil por decisão do Júri no mês passado como reparação pela perda de receita e pelo estresse emocional.

Kevin Berling trabalhava há cerca de dez meses para o laboratório médico Gravity Diagnostics em Covington, no Kentucky, quando pediu a seu gerente que não fizesse uma festa surpresa para ele por sofrer de transtorno de ansiedade, segundo consta no processo iniciado no Tribunal de Justiça de Kenton.

O advogado de Berling, Tony Bucher, disse que a festa foi planejada pelos outros empregados enquanto o gerente estava fora e que rapidamente a situação saiu de controle.

VEJA TAMBÉM: 4 práticas diárias para melhorar sua resiliência e saúde mental

Berling teve um ataque de pânico depois de saber da festa planejada para o horário do almoço, que incluiria receber os parabéns de colegas de trabalho e uma faixa decorativa na sala de descanso. Com isso, ele optou por passar o intervalo para o almoço dentro de seu carro.

No dia seguinte, Berling teve um ataque de pânico durante uma reunião com dois supervisores que o confrontaram sobre o “comportamento sombrio”, contou o advogado. O trabalhador foi demitido três dias depois por e-mail, com uma mensagem que sugeria que Berling representava uma ameaça à segurança de seus colegas.

Na ação judicial, a empresa justificou ter demitido Berling porque ele foi “violento” na reunião e havia assustado os supervisores que o mandaram para casa pelo resto do dia, tomaram suas chaves e avisaram ao pessoal de segurança que ele não tinha mais permissão para retornar.

Tenha acesso agora a todos materiais gratuitos da EXAME para investimentos, educação e desenvolvimento pessoal.

Um mês após a reunião, em setembro de 2019, Berling processou a empresa por discriminação por deficiência.

Ao fim de dois dias de julgamento, o júri alcançou um veredito no dia 31 de março, concluindo que Berling havia experimentado uma medida adversa tomada por seu empregador em razão de sua deficiência. Os jurados garantiram a ele US$ 150 mil em indenização pela perda de renda e benefícios, além de US$ 300 mil pelo constrangimento sofrido e pela perda de autoestima.

O juiz do caso ainda não emitiu sua palavra sobre o veredito, que foi noticiado pelo Link nky, um portal local de notícias.

Empresa vai recorrer do veredito

John Maley, adovgado do Gravity Diagnostics, disse no sábado que a empresa vai recorrer da decisão, argumentando ainda que um dos jurados violou determinações judiciais sobre obtenção de informações por fora do julgamento.

Maly afirmou que o caso não atendeu ao padrão para uma reivindicação relacionada à deficiência porque Berling nunca revelou seu transtorno de ansiedade à empresa e não atingiu o limite legal para se qualificar como portador de deficiência.

O advogado disse ainda que a empresa tinha o direito de demitir Berling — um técnico de laboratório com contrato de trabalho do tipo regido pela vontade própria, o que significa que ele poderia ser dispensado sem qualquer razão ou aviso prévio — porque ele havia cerrado os punhos, enquanto seu rosto ficou vermelho, ordenando a seus supervisores que ficassem quietos, o que assustou os assustou.

“Eles tiveram medo real de sofrer dano físico naquele momento”, disse Julie Brazil, fundadora e diretora executiva do Gravity Diagnostics, no sábado. “Eles continuam abalados com o ocorrido”, acrescentou ela.

VEJA TAMBÉM: Empresário que fatura R$ 749 mil por mês dá dicas para começar empreender 

Bucher, advogado de Berling, explica que a reação descrita pela empresa representa o esforço do trabalhador para se acalmar durante um ataque de pânico após seus supervisores criticarem sua reação na festa de aniversário.

Berling pediu a eles que parassem de falar e usou técnicas de contenção física, incluindo um movimento que Bucher descreveu como levar os punhos cerrados “sobre seu tórax, bem próximo, quase como abraçando a si mesmo”.

O trabalhador afastado de folga no dia do ocorrido e pelo dia seguinte. Já em casa, horas após o horário da reunião, ele enviou uma mensagem de texto a um dos supervisores se desculpando pelo ataque de pânico, conforme registrado no processo judicial.

Antes daquela semana, disse Bucher, Berling havia recebido “excelentes” avaliações mensais. A companhia disse que ele nunca obteve uma avaliação negativa nem fora chamado atenção, de acordo com os documentos.

Berling está feliz em seu novo emprego em uma escola, afirma o advogado, e apesar do aumento na frequência de suas crises de pânico após aquela semana de 2019, ela tem caído gradualmente.

VEJA TAMBÉM: 

Burnout: Como notar no corpo os sinais da exaustão por excesso de trabalho

Um termo em coreano para 'cabeça vazia' virou uma lição de saúde mental