Tchau, Big Techs: a próxima grande empregadora do setor de tecnologia é brasileira e vale R$72 bi

Oferecendo 5 vagas para cada profissional qualificado, esse novo setor promete ser o próximo grande empregador da área de tecnologia; veja como se candidatar.
 (Divulgação/Divulgação)
(Divulgação/Divulgação)
D
Da Redação

Publicado em 31/08/2022 às 16:30.

Última atualização em 29/09/2022 às 10:17.

Com uma população mundial de 7,7 bilhões de pessoas - e a previsão de que esse número suba para 9,7 bilhões até 2050 - produzir alimento suficiente e de forma sustentável tem sido a principal preocupação de instituições e líderes globais.

Não é à toa que, segundo a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em 2021 o PIB do agronegócio cresceu 9,4% em relação ao ano anterior e chegou a representar 29% de todo o PIB brasileiro. Ou seja, praticamente 1/3 de toda riqueza do Brasil vem do agro.

Hoje, não há nenhum outro setor da economia  onde o Brasil seja tão grande e competitivo globalmente como o agronegócio. Para se ter uma ideia, o país já é TOP 1 ou 2 mundiais em produção e exportação de praticamente todas as commodities agrícolas: milho, algodão, soja, trigo, cana, café, cacau, citricultura, proteína animal e etc.

E engana-se quem pensa que esse crescimento tenha sido às custas de desmatamentos e aumento de área produtiva. Segundo o IBGE, o agronegócio ocupa apenas 7,6% do total do nosso território, sendo 218 milhões destes de área preservada.

Há 40 anos no Brasil, uma plantação de soja feita em 1 hectare de terra (10.000m2) rendia, em média, menos de 2 toneladas de grãos. Hoje, essa mesma área já produz 4 toneladas. Dobrar a colheita e crescer sem expandir área não é mágica do agricultor, mas sim reflexo da ferramenta que fez do Brasil líder mundial no setor: a tecnologia.

Vagas abertas: trabalhe no setor que mais cresce no Brasil sem precisar de experiência e ganhe de R$10 a R$12 mil ao mês

A próxima Big Tech está no campo

A revolução digital que vem acontecendo nos últimos anos atingiu todos os setores da sociedade, e o agro não ficaria de fora. Embrapa, Lavras, Viscosa e ITA são apenas algumas das instituições que fazem do Brasil um dos maiores polos tecnológicos do agronegócio no mundo. As chamadas agricultura e pecuária de precisão utilizam tecnologias de ponta para guiar tratores por GPS, detectar pragas na cana-de-açúcar usando drones  e pesar o gado por foto, por exemplo.

“Antigamente, a terra era o principal fator para produção rural. Hoje mudou, os principais fatores são o capital e o conhecimento tecnológico. Você faz mais com o mesmo. Se você tem 500 hectares, em vez de 500 animais, coloca mil.”, explica Francisco Vila, economista e gestor.

São as novas tecnologias que permitem que o produtor desperdice menos agrotóxico, tenha menos perdas na produção, gaste menos dinheiro com manutenção e colha os produtos em tempo recorde, ou seja, extraia o máximo usando o mínimo de recursos.

AgTechs já movimentam mais de R$ 72 bilhões

É por conta disso que as chamadas AgTechs têm chamado tanta atenção no mercado. Consideradas a união do campo com a tecnologia, as startups do agro já somam 1.574 empresas, número 40% maior do que o registrado em 2019. Segundo a consultoria Market and Markets, o mercado de agricultura de precisão vale hoje R$ 72,2 bilhões, mas deve chegar aos US$ 20,8 bilhões R$ 116,4 bilhões em 2026.

Descubra como receber em média R$ 12 mil por mês trabalhando em projetos digitais no agro sem sair da zona urbana

“Nesta década, notamos um intenso aumento de interesse de grandes e médias empresas agrícolas no consumo de tecnologias que reduzam custos operacionais e impactos ambientais, além de possibilitarem o consumo racional de insumos”, comenta Luiz Paviani Neto, diretor comercial da AGTech Agrotecnologia. 

E a atenção e o interesse mundial de investidores para o setor Agtech vêm crescendo: os investimentos globais em agtechs estimados em US$6,4 bilhões em 2014 aumentaram para US$30,5 bilhões em 2020, um aumento de 476%.

Mas apesar do expressivo crescimento, o setor não está nem perto de atingir sua capacidade máxima. Com a previsão de que a população mundial ainda deva aumentar em 25% até 2050, a demanda por alimentos não deve diminuir tão cedo. 

E mesmo com tantas oportunidades de crescimento, o setor enfrenta um problema grave: o número de agronegócios que já estão digitalizados é de apenas 30% do total de propriedades. Ou seja, são mais de 3 milhões de fazendas que ainda não passaram pela transformação digital e, consequentemente, estão operando abaixo do seu potencial produtivo.

Uma destas vagas pode ser sua! O agronegócio brasileiro está abrindo a oportunidade para você iniciar uma nova e promissora carreira, sem sair das grandes cidades.  Clique aqui e saiba como aproveitá-la!

Uma oportunidade no campo, mesmo estando na cidade

Com essa quantidade enorme de propriedades disponíveis para passarem pelo processo de digitalização, você pode estar se perguntando: por que isso ainda não aconteceu?

E a verdade é que o Brasil enfrenta hoje a dificuldade de encontrar mão de obra qualificada. As vagas são inúmeras, mas os produtores simplesmente não encontram pessoas capacitadas para  implementar os projetos de novas tecnologias no agronegócio.

Segundo estudo da Agência Alemã de Cooperação Internacional, a estimativa é de que, em dois anos, existam 32,5 mil profissionais qualificados para 178,8 mil oportunidades. Ou seja, cerca de 5 vagas em aberto para cada profissional qualificado no mercado.

Neste momento, a maior demanda tem sido pelos chamados Agro Digital Managers, que são os profissionais responsáveis por entender a demanda do produtor e propor a solução tecnológica mais adequada para resolver esse problema.

Como o objetivo não é colocar a mão na massa e trabalhar no campo literalmente, o Agro Digital Manager não precisa ser formado em agronomia ou veterinária, muito menos morar no campo - sim, é possível exercer essa profissão morando na cidade. Pense nele como um coordenador de projetos digitais, que organiza um time de especialistas (como engenheiros e desenvolvedores) e garante que o negócio funcione da forma mais produtiva e sustentável possível.

Mas, afinal, como se tornar um Agro Digital Manager e como ingressar nesse mercado sem ter experiência no agronegócio?

Descubra como ingressar no agronegócio sem ter experiência e trabalhe de sua casa sendo um Agro Digital Manager. Saiba mais

Masterclass Carreira em Digital Agribusiness

Quando se pensa em trabalhar no agronegócio, a ideia intuitiva é a de pessoas trabalhando no campo, nas plantações. Mas, com toda a digitalização mostrada neste artigo, essa não é mais a realidade. 

Você já sabe que, hoje, as melhores oportunidades de trabalho no agronegócio estão na implementação de projetos digitais, uma atividade que geralmente é exercida de dentro de um escritório, e sem precisar sair das cidades ou se mudar para o campo.

Por isso, com o objetivo de ajudar a formar mais profissionais para suprir a demanda do setor, a EXAME preparou a Masterclass gratuita Carreira em Agribusiness. Para participar basta se inscrever clicando aqui. 

Programada para acontecer de 17 a 25 de outubro, a masterclass vai explicar:

  • Como a revolução tecnológica do agronegócio brasileiro está fazendo surgir inúmeras possibilidades de fazer carreira em profissões que eram inexistentes até pouco tempo atrás;
  • Como planejar uma carreira de sucesso no Digital Agro e ter remuneração que pode passar dos R$ 12 mil por mês;
  • Como aproveitar as oportunidades no setor mesmo sem ter um formação em veterinária, agronomia ou outras áreas relacionadas; 
  • Qual a melhor forma para fazer a transição de carreira e começar a faturar com o agronegócio brasileiro sem precisar se mudar para o campo. 

A aula será ministrada por Francisco Jardim, que é sócio-fundador da SP Ventures, uma das gestoras de Venture Capital mais tradicionais do país especializada no agronegócio. Desde 2007, a gestora investe em startups de tecnologia para o agronegócio, as chamadas agritechs.

Saiba como aproveitar as oportunidades no agronegócio que pagam mais de R$ 12 mil para trabalhar de qualquer cidade do Brasil. Participe da masterclass Carreira em Agribusiness