Quais são as habilidades que o recrutador do Nubank busca

Em entrevista à EXAME, Phil Haynes, novo vice-presidente de recrutamento do banco, fala sobre déficit de profissionais de TI e sobre o que busca em quem contrata
 (Nubank/Divulgação)
(Nubank/Divulgação)
Por Victor SenaPublicado em 14/12/2021 07:00 | Última atualização em 04/01/2022 17:50Tempo de Leitura: 7 min de leitura

Depois de ter aberto o capital na bolsa de Nova York, o Nubank não escapa da alta competitividade que impacta o mercado de trabalho de tecnologia, mesmo sendo querido por clientes e candidatos a vagas. Só para o cargo de engenheiro de softwares, a empresa abriu 500 vagas pelo mundo em 2021. Esse cenário de déficit de profissionais de tecnologia foi agravado pela digitalização na pandemia. Só no Brasil, em 2025, a demanda por esses profissionais deve chegar a 797 mil empregos de acordo com a associação de empresas do setor Brasscom, o que faz com que a disputa pelos melhores profissionais fique acirrada. 

O Vice-presidente Global de Aquisição de Talentos, Phil Haynes, defende como saída uma boa comunicação para ser relevante na hora de atrair talentos. Para reter, o desafio é manter a proximidade com o funcionário. Phil também diz que o banco é rigoroso com o chamado fit cultural. “Podemos não contratar pessoas altamente qualificadas porque não se enquadram na cultura do Nubank. Nós vivemos nossos valores, temos valores muito fortes. Se você sabe que esses valores ressoam em você, nós seremos um ótimo destino, mas não somos necessariamente um ótimo destino para todos”, diz.

Em entrevista à EXAME direto da Califórnia, onde fica baseado, o executivo americano que já trabalhou no Zoom e chegou em outubro ao banco contou também quais são as habilidades procuradas nos currículos dos profissionais que se candidatam a vagas no Nubank.

Em tempos de alta competição por profissionais de tecnologia qualificados, como se modela uma companhia para atrair talentos?

Eu moro no Vale do Silício, então estou muito familiarizado com mercados de talentos altamente competitivos. Eu fiquei muito impressionado quando entrei no banco com a firmeza com que foram capazes de comunicar a cultura para mim. Assim como não podemos classificar todos os dinossauros como uma coisa só, também não devemos fazer isso com empresas de tecnologia. Cada um tem seus próprios aspectos culturais, ambientes de trabalho, formas e estilos de trabalho.Com isso, atraímos pessoas que naturalmente tem uma atração por esse tipo de empresa. Podemos não contratar pessoas altamente qualificadas porque não se enquadram na cultura do Nubank.

Nós vivemos nossos valores, temos valores muito fortes. Se você quer viver isso e sabe que esses valores ressoam em você, como alguém do setor tecnologia, com as habilidades e a energia para trabalhar num ritmo de crescimento rápido, nós seremos um ótimo destino. Mas não somos necessariamente um ótimo destino para todos.

Depois de atrair essas pessoas, como reter os talentos que começarão a ser disputados por outras empresas?

Temos uma estrutura de gestão de desempenho robusta, onde conversamos regularmente com nossos funcionários. ‘Como você se sente em relação ao seu papel? Você está desejando desafios diferentes?’ São técnicas de gestão e liderança muito eficazes na retenção de talentos quando sua equipe sente que você se preocupa com elas e quando são desafiadas em suas carreiras, quando sentem que há uma trajetória de crescimento adequada, então o dinheiro não é necessariamente o atrativo principal. E eu acho que pagamos muito bem.

Definitivamente, ajustamos nossa filosofia de remuneração para nos tornarmos muito competitivos, mas acho que o que faz com que as pessoas venham aqui e que voltem todos os dias para trabalhar é a sensação de que estão em uma missão. Contratamos pessoas que são atraídas por essa missão e muitas das diferentes startups que podem estar jogando dólares extras podem não ter a mesma missão. Então eu acho que é realmente de uma perspectiva do DNA.

Quais são os valores e as habilidades que o senhor entende que são os mais importantes para os candidatos às vagas do Nubank?

As hard skills são normalmente as mais fáceis de identificar. As hard skills para um gerente de produto, designer ou engenheiro de software são bastante simples. As habilidades soft são como você se relaciona com as equipes, se você tem foco implacável no cliente... Queremos que nossos clientes nos amem fanaticamente e temos uma pontuação líquida de promotor muito alta da perspectiva de aquisição de talentos... Também queremos tratar os candidatos dessa forma, com uma pontuação líquida de promotor muito alta.

Nós também pensamos como proprietários e não como locatários. Este é um problema realmente forte porque assumir a propriedade é normalmente um dos problemas que você enfrenta em empresas de alto crescimento. Todo mundo presume que outra pessoa vai cuidar de um problema e obviamente não é o que você faz quando você é um proprietário ou locatário — usando uma analogia de casa. Se você está afundando, e você é um locatário, pensa que pode simplesmente ligar para alguém e eles vão consertar. Se você for o dono, você chega lá e conserta você mesmo. Por isso, realmente buscamos habilidades sociais em torno de pessoas que estão dispostas a assumir a responsabilidade e ver os processos e procedimentos até sua conclusão. Buscamos eficiência também. Obviamente, alto crescimento traz altos custos. E assim estamos sempre tentando equilibrar o crescimento em eficiência. Estamos famintos e desafiamos o status quo. A inovação está no coração do Nubank e, por isso, procuramos empreendedores e inovadores.

A presença do Nubank pelas Américas e o crescimento internacional da empresa  traz algum problema da perspectiva de integração de cultura?

Nós construímos equipes fortes e diversificadas. Diversidade e inclusão são essenciais. Quando você fala sobre uma empresa global é disso que você está falando. Quando estamos contratando, a gente está olhando para os pools de talento em vários locais do globo, mas também consciente em espalhar nossa cultura bancária em novos mercados.

Eu vim do Zoom e lá acreditamos que você pode desenvolver relacionamentos muito fortes em qualquer meio. Se eu estiver na Califórnia e uma colega em São Paulo, nós estamos juntos, trabalhamos em horários muito semelhantes. Nós realmente estamos unidos como equipes, como organizações e como uma empresa para garantir que todos se sintam incluídos, que todas as vozes sejam ouvidas, independentemente de onde você está sentado, independentemente da sua cor, seu histórico, sua orientação sexual ou qualquer coisa. Você está se sentindo ouvido e valorizado na empresa. 

Como o senhor vê o movimento de empresas começarem a “se tornar escolas” e treinar pessoas das comunidades locais?

Esses programas são muito importantes, não apenas para o crescimento do Nubank, mas também para o setor de tecnologia em geral no Brasil. Por isso acreditamos que ao alcançar a comunidade, atraindo pessoas que têm um interesse nessas áreas, contratando-as e desenvolvendo-as internamente, o que estaremos fazendo é cultivando próximas gerações de tecnólogos para o Brasil, Cidade do México, na Colômbia. É uma grande parte da nossa estratégia. 

É um movimento das empresas assumindo outras responsabilidades, certo? 

Acabamos de contratar 45 engenheiros de um desses programas. E, portanto, acredito que esteja funcionando. Acredito que, à medida que continuamos a crescer, seremos capazes de realmente expandir esse esforço, porque você sabe que o que há sobre jovens talentos em trazer talentos é que eles exigem energia para continuar. É nessa fase que os primeiros resultados são muito, muito positivos. E pretendemos expandi-los nos próximos anos. É uma oportunidade para nós demonstrarmos nossos valores.