Professor de português alerta para erro comum em conversas online

Segundo o professor Diogo Arrais, é preciso ter cuidado com a concordância para não dificultar a compreensão de um texto

“É PRECISO! SÃO NECESSÁRIAS!” Em tempos de intensas discussões políticas, para compreendermos devidamente um texto, é fundamental estar atento à escrita.

Na semana passada, vi o seguinte enunciado, como conclusão de um argumento:

“É preciso mudanças na legislação. É preciso ações neste país!”

Com as expressões do tipo “é necessário, é bom, é preciso, significando ‘é necessário'”, o adjetivo pode ficar invariável, qualquer que seja o gênero e o número do termo determinado, quando se deseja fazer uma referência de modo vago, genérico, de acordo com o estudo do mestre Evanildo Bechara. Vejamos as expressões abaixo:

“É necessário paciência.”

“É necessária muita paciência.”

Costumo sempre enfatizar que a ausência do determinante é o sinal para que a expressão fique invariável:

“É proibido manifestação neste país.”

“É proibido manifestações neste país.”

No entanto, se houver determinante (acompanhamento de artigo ou pronome), a concordância é obrigatória:

“É proibida a manifestação neste país.”

“São proibidas as manifestações neste país.”

Em outras palavras, nos enunciados destacados no início deste texto, o escritor fez excelente uso da norma gramatical, ao não flexionar o verbo.

Um grande abraço, até a próxima e inscreva-se no meu canal!

DIOGO ARRAIS
http://www.ARRAISCURSOS.com.br
YouTube: MesmaLíngua
Professor de Língua Portuguesa
Fundador do ARRAIS CURSOS

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.