O que são talentos híbridos (as famosas soft skills) que empresas buscam

Necessidade de inteligência emocional cresceu porque a economia saiu de uma era industrial e as empresas começam a enfrentar novos desafios

No dicionário da Universidade de Cambridge, soft skill é o conjunto de habilidades para as pessoas trabalharem e se comunicarem bem juntas.

A vida está mais complexa, a rotina mais intensa, mas a EXAME Academy pode ajudar a manter a mente em foco

Apesar de ter ganhado força no mundo corporativo nos últimos anos, elas sempre foram necessárias, mas ficaram de lado no desenvolvimento do profissional nas últimas décadas. Além de soft skill, essas habilidades compartamentais também são chamadas de talentos híbridos.

“Nesta última década, a gente está olhando de uma forma muito mais profunda para elas porque antes a era industrial pedia profissionais voltados para atuação às questões técnicas, da indústria”, explica Mariana Achutti, CEO da Sputnik, empresa que oferece treinamentos de inteligência emocional para empresas.

Na visão de Mariana, a definição de soft skills tem a ver com o desenvolvimento de questões socioemocionais e comportamentais para o profissional estar a atento a mudanças. 

Já a definição do dicionário de Cambridge para o psicólogo e professor da The School of Life Saulo Velasco é, de certa forma, incompleta. As soft skills são habilidades principalmente de autorregulação emocional, que permitem a pessoa reconhecer suas emoções diante de situações de conflito e problemas.

Entre as ferramentas desta caixa estão a própria inteligência emocional, a resolução de problemas complexos e a flexibilidade cognitiva.

Esses três comportamentos estão na lista das 10 habilidades necessárias para os profissionais contemporâneos, publicadas no relatório The Future Jobs, de 2016, do Fórum Econômico Mundial. Todas elas são soft skills. Veja quais são abaixo:

  1. Pensamento crítico
  2. Criatividade
  3. Gestão de pessoas
  4. Colaboração
  5. Inteligência emocional
  6. Julgamento e tomada de decisões
  7. Orientação ao serviço
  8. Negociação
  9. Flexibilidade cognitiva
  10. Resolução de problemas complexos

No caso da inteligência emocional, um dos aspectos que a compõe é a capacidade de reconhecer seus próprios padrões de comportamento e interromper uma reação em cadeia. 

Apesar de a School of Life e a Sputnik serem empresas que oferecem essa caixa de ferramentas para as equipes, com treinamento de educação emocional, o professor Saulo Velasco destaca suas diferenças para um processo psicoterapêutico:

“A psicoterapia é sempre mais profunda, mais extensa, para desenvolvimento, inclusive para os soft skills, mas geralmente não é focada nisso. Esses workshops oferecem um conjunto de ferramentas, mas que precisam ser exercitadas. São pílulas. A psicoterapia já é um processo contínuo.”

A necessidade das soft skills cresceu nas últimas décadas porque a economia saiu de uma dinâmica focada em linhas de produção e as empresas começam a enfrentar novos desafios. 

Comunicação, inovação e relacionamento são alguns deles. Agora, as relações mercadológicas são calcadas em questões comportamentais.

“A gente passa uma média de 17 anos entre escolas e universidade, estudando coisas que não necessárias para o dia o dia. A discussão da soft skill surge com mais força nesse momento em que a gente precisa trabalhar de forma mais adaptável e flexível, que vivemos nos últimos 10 anos. E que foi acelerado pela digitalização e pela pandemia”, critica Mariana Achutti.

Na pandemia, a necessidade de usar essas habilidades cresceu. O distanciamento social e o home office exigiram que os funcionários lançassem mão de novas ferramentas. Na School of Life, a procura por workshops de habilidades emocionais para empresas aumentou 40%, se compararmos ao mesmo período de 2019.

Mariana Achutti, da Sputnik, destaca a necessidade de as empresas “se tornaram mais escolas” e oferecerem ambiente psicologicamente saudáveis para os funcionários.

Segundo ela, não dá para cobrar algo de um funcionário, se ele nunca foi ensinado. Para isso, um caminho é focar em palestras, cursos e incentivar o chamado “life long learning”, que é um comportamento de sempre estar aprendendo algo.

Com funcionários que tenham uma média alta de soft skills, o retorno costuma vir sobre uma baixa taxa de turnover, mais produtividade e criatividade. Resta saber se as empresas tem essa caixa de ferramentas para oferecer aos funcionários.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.