Carreira

Movile abre novo escritório em São Paulo, mas o trabalho remoto continua

Confira as fotos do novo escritório do grupo Movile, que abre hoje as portas para os funcionários

Por Luísa Granato
Publicado em 12/05/2022 09:30
Última atualização em 12/05/2022 14:29

Tempo de Leitura: 6 min de leitura

O grupo Movile, investidora de empresas como iFood, Sympla, PlayKids, Afterverse e MovilePay, inaugura nesta quinta-feira, 12, o seu novo escritório na zona sul da cidade de São Paulo.

A existência do novo espaço com 1.478 m² (includindo o terraço) pode passar a mensagem errada, mas não se engane. A diretora de pessoas da Movile, Isadora Gabriel, garante que a cultura da empresa continua sendo “remote first” (na tradução do inglês, remoto primeiro).

Leia também:

Na Nestlé, agora todo dia é dia de levar o pet ao trabalho; veja fotos

Tenha acesso agora a todos materiais gratuitos da EXAME para investimentos, educação e desenvolvimento pessoal. 

Por dentro do novo escritório do Google e seu modelo híbrido; veja fotos

“Mesmo tento o novo escritório, a gente não tem nenhuma expectativa que volte a funcionar com presença cinco dias por semana”, diz.

Em pesquisa interna, a empresa descobriu que 85% dos respondentes preferiam o modelo híbrido e 20% queriam o modelo remoto. Assim, em outubro do ano passado, a Movile adotou a forma de trabalho que privilegia o remoto.

Nos últimos anos, o grupo realizou contratações fora do estado e não considera pedir para que os funcionários se mudem. Para a inauguração, todos receberam de presente uma mala de viagem e vão estar presentes para esse dia um.

Porém, não existe espaço para todo mundo trabalhar de lá ao mesmo tempo. E a configuração do local deixa isso claro. Segundo a diretora, o escritório será um hub para criar momentos intencionais de trabalho.

“O que eu imagino que vai acontecer: as pessoas vão estar aqui para estar com seus times, estar em conversas com várias equipes e em papos para criar coisas novas. O que percebemos é que as pessoas sentiram mais falta de se conectarem mesmo”, diz.

Apesar de ter cerca de 80 funcionários do grupo, o ecossistema de empresas investidas da Movile é muito maior. E a ideia é que o espaço também seja compartilhado com as empresas, investidores e parceiros.

Assim, a flexibilidade ditou as regras para o design do espaço que funcione para os diversos negócios e as necessidades distintas de encontros. A maior parte das mesas não é fixa, telas e quadros também ganharam mobilidade e existem mais poltronas confortáveis do que estações de trabalho.

Escritório do grupo Movile

Escritório do grupo Movile: a sala tem diferentes espaços de trabalho e mesas que podem ser deslocadas (Luísa Granato/Exame)

“E o espaço foi pensando para tangibilizar a cultura. Quando você pensa no espaço físico, ele tem esse papel importante. E pensamos numa jornada que mostre nossos valores. A entrada é nosso valor número um: pessoas apaixonadas. É onde tudo começa”, afirma a diretora.

Escritório do grupo Movile

"Tudo começa com pessoas apaixonadas": logo na entrada, a frase marca a presença da cultura no escritório (Movile/Divulgação)

Na entrada, de fato, há uma recepção com a mensagem da cultura em destaque, fotos dos funcionários e um mural com a história do grupo. Seguindo por um corredor, um mural colorido feito com grafite ressalta o pilar de diversidade.

Entre as mudanças para o futuro dos escritórios, ter uma casa fora de casa e a criação de hubs de trabalho são duas fortes tendências. No Brasil, a Heineken já se movimentou para pulverizar seu trabalho em hubs em Guarulhos, Embu das Artes e São Paulo.

Diferente dos espaços de coworking, cujo acesso já é um benefício da Movile, o novo escritório ganha intenções além do banal trabalho diário. Ele representa as marcas, a cultura e, ainda, acolhimento.

Escritório da Movile em São Paulo

Movile: escritório tem uma linha do tempo da história do grupo (Luísa Granato/Exame)

Escuta o online primeiro

Com salas de diferentes tipos e tamanhos, as grandes telas para a participação remota dos funcionários chamam a atenção em todos os ambientes. Adicionar tecnologia para tornar o híbrido uma presença constante no local foi a saída para reforçar o novo modelo de trabalho.

“Um monte de coisa pode dar errado na reunião híbrida. Eu estou online e não sinto que estou pertencendo? As pessoas na sala estão conversando entre si e eu não estou entendendo? Com o 'remote first', a prioridade deve estar com o online, então escuta o online primeiro. Se a reunião não estiver fluindo, acabou o presencial e vamos para o online”, afirma.

Toda a empresa terá um preparo para se adequar ao modelo, mas a diretora estará focada na liderança. Mesmo com o escritório, os líderes deverão dar o exemplo de conduta e evitar realizar todo o trabalho presencialmente.

Isso para não passar a ideia errada de que há uma valorização maior de quem aparece no escritório ou de que há qualquer obrigatoriedade de estar ali.

Outra adequação para o novo momento foi nos benefícios. A parceria com a BeerOrCoffee para dar acesso a espaços de coworking em 160 locais no Brasil. A criação do auxílio home office inversamente proporcional ao cargo. E o antigo vale transporte virou um auxílio que pode ser usado como o funcionário quiser, com gasolina, estacionamento, transporte público ou por aplicativo.

Apesar dos diversos aparatos de tecnologia, a maior parte do ambiente favorece que as pessoas deixem as telas de lado. Uma das áreas centrais do escritório parece um grande café, com direito a uma área de convivência aberta.

Escritório da Movile em São Paulo

Escritório da Movile em São Paulo: área principal de convivência com acesso a espaço aberto (Luísa Granato/Exame)

O escritório ainda conta com estúdio de gravação, auditório e salas adaptáveis para diferentes formatos de reuniões ou treinamentos.

Em uma ponta mais reservada, existe a biblioteca. Além de ter uma estante com livros, ali o silêncio deve imperar e chamadas, conversas e reuniões serão banidas. Pelo escritório, cada canto foi aproveitado para criar outros ambientes reservados, com salas individuais e cabines móveis.

“A gente tem esse jeito mais informal de trabalhar. Estar no escritório tem que ter essa cara de ‘estamos juntos’ e ter o momento de integração, que é o que está faltando”, diz.

Escritório da Movile em São Paulo

Biblioteca com vista: a área silenciosa é para o trabalho focado e ali não pode ter reunião ou bate-papo (Luísa Granato/Exame)

Escritório da Movile em São Paulo

Escritório da Movile em São Paulo (Luísa Granato/Exame)


Veja Também