Mestrado e doutorado: progresso profissional e social

Aprofundar o aprendizado da graduação, por meio da pesquisa aplicada, é chave para o desenvolvimento de novas soluções e a consequente melhoria da sociedade

Da descoberta de outros sistemas solares à invenção de novos medicamentos, passando pelo impacto da popularização da internet e dos smartphones. Não é exagero dizer que todos os avanços extraordinários que melhoram e facilitam nossas vidas são resultado de ciência, pesquisa e tecnologia aplicadas. Atualmente, com a crise mundial disseminada pela pandemia de Covid-19, pesquisadores e cientistas de todo o globo unem esforços em busca de novas informações sobre transmissão, cuidados efetivos e, claro, a cura para a doença.

No Brasil, por exemplo, uma pesquisa realizada pela Escola de Saúde da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos) em parceria com o Instituto Tecnológico de Semicondutores (itt Chip), da própria Universidade, pode levar ao desenvolvimento de dispositivos de testes rápidos, capazes de detectar na hora a contaminação pelo novo coronavírus. A pesquisa foi contemplada no Edital Emergencial 06/2020, da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio Grande do Sul (Fapergs), e com os recursos adquiridos será desenvolvido um protótipo do produto, que permitirá a realização dos primeiros testes de funcionalidade. A descoberta servirá para detecção da Covid-19 assim como de outros agentes infecciosos.

O projeto, que conta com uma equipe qualificada e multidisciplinar – entre eles um mestrando de engenharia elétrica e uma graduanda de biomedicina –, comprova, mais uma vez, a importância da pesquisa científica no ambiente acadêmico para o futuro da sociedade. Daí a relevância dos cursos de mestrado e doutorado, em que os alunos pesquisam para intervir no ambiente em que vivem e trabalham ou para produzir conhecimento inédito.

Mestres e doutores: uma população em expansão

Se há algum tempo ter o diploma de graduação era uma meta ambiciosa e para poucos, hoje, com o mercado de trabalho cada vez mais exigente e competitivo, o ingresso acessível à universidade e o desejo de estar continuamente se desenvolvendo, os cursos de pós-graduação têm sido uma opção muito valorizada em termos de formação profissional e pessoal.

Segundo o estudo Mestre e Doutores 2015, conduzido pelo Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE), houve uma expansão significativa da população de mestre e doutores entre 2009 e 2014, no Brasil. Enquanto o primeiro registrou um salto de 60,6%, alcançando o número de 445 562 mestres, o segundo cresceu 70,42%, chegando a 168 143 doutores. “Os cursos de mestrado e doutorado, mais especificamente, têm contribuído com uma formação de alto nível, tanto para os profissionais que buscam uma melhor qualificação em seu campo de atuação como para aqueles que pensam em uma segunda carreira e no ingresso à academia”, ressalta Claudia Bitencourt, decana da Escola de Gestão e Negócios, da Unisinos. 

Vale destacar que, apesar de boa parte dos estudantes relacionar os cursos de pós-graduação a uma carreira acadêmica, tanto o mestrado como o doutorado possuem duas modalidades de formação: acadêmica e profissional. “No caso dos cursos profissionais, desenvolvem-se casos e estudos para melhorar a empresa ou instituição em que o aluno atua. É sempre prático, com intervenção na realidade. Já no acadêmico é possível apenas conhecer profundamente a realidade, sem necessariamente querer modificá-la. Entretanto, propor mudanças por meio da pesquisa aplicada também é uma possibilidade”, explica Dorotea Frank Kersch, diretora da Unidade Acadêmica de Pesquisa e Pós-Graduação da Unisinos.

Unisinos: a primeira universidade do Brasil a ter uma Escola de Gestão e Negócios com o selo de acreditação da Association to Advance Collegiate Schools of Business.

Unisinos: a primeira universidade do Brasil a ter uma Escola de Gestão e Negócios com o selo de acreditação da Association to Advance Collegiate Schools of Business. (Rodrigo W. Blum/Divulgação)

Importância e seriedade da Universidade

De acordo com uma pesquisa desenvolvida pela Fundação de Economia e Estatística (FEE), o Rio Grande do Sul teve uma das maiores taxas de formação de mestres do país nos últimos anos. Entre 2000 e 2013, o crescimento foi de 165%. “Uma dica que eu deixo para os interessados pelos programas de mestrado e doutorado é que busquem se certificar sobre a qualidade desses programas, consultando a nota conferida pela Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior)”, sugere Claudia Bitencourt.

Apenas cinco programas brasileiros na área de administração foram aprovados para iniciar seus cursos de doutorado profissional – e o da Unisinos está entre eles. Além disso, a Universidade tornou-se a primeira no Brasil a ter uma Escola de Gestão e Negócios que recebeu o selo de acreditação da Association to Advance Collegiate Schools of Business. “Trata-se de um atestado de excelência que segue os padrões internacionais e nos coloca numa rede importante de escolas acreditadas. Fazemos parte de um grupo seleto que busca colaborar e formar parcerias que privilegiem a troca de experiência, a mobilidade de alunos e professores, a dupla titulação e outras atividades que envolvam a integração e a troca de conhecimentos no campo da gestão e da internacionalização”, destaca a decana.

Para os alunos, a acreditação impacta diretamente a valorização do diploma, facilitando a realização de intercâmbios e a colocação no mercado de trabalho, seja no Brasil ou no exterior. Já para a sociedade, o selo representa a entrega de profissionais altamente qualificados, reconhecidos internacionalmente por sua formação e competências. 

Além disso, a Unisinos integra a rede global de universidades jesuítas e é contemplada em edital da Capes que financia a mobilidade docente e discente e a pesquisa com institutos internacionais de ponta. Atualmente, são oferecidos 26 programas de pós-graduação, distribuídos por seis escolas, cobrindo todas as áreas de conhecimento. Para saber quais programas de pós-graduação estão com inscrições abertas, acesse unisinos.br/pos.

Soluções para o amanhã

Ainda de acordo com o CGEE, o salário médio das pessoas com título de mestrado ou doutorado é maior do que o do trabalhador comum. No caso dos doutores, a remuneração pode ter um acréscimo de 5,6 vezes. Entretanto, os benefícios de uma formação diferenciada em nível de pós-graduação vai além, atingindo a sociedade como um todo.

“Podemos pensar em organizações mais maduras, mais conectadas, com melhor performance e condições de oferecer melhor qualidade de vida para as pessoas e futuras gerações. O desenvolvimento e o desejo de estar sempre aprendendo são contagiosos, e o exemplo deixado por mestres e doutores pode inspirar outras pessoas”, ressalta Claudia Bitencourt.

A crise mundial gerada pela Covid-19 tem se mostrado um interessante termômetro, unindo cientistas e pesquisadores de todas as áreas no combate ao novo coronavírus. Além de garantir total apoio aos alunos de maneira virtual, a Unisinos investe em uma série de pesquisas voltadas ao enfrentamento da pandemia: desde a realização de testes para o diagnóstico da doença até a produção de respiradores e escudos faciais, passando também por projetos de mentoria e gestão para pequenas empresas.

“Temos em nosso DNA a geração de valor para a sociedade, indo ao encontro do setor produtivo, da sociedade em geral, dos marginalizados e das minorias que não têm voz. Na Unisinos, o aluno não recebe apenas um diploma, mas formação integral, em todos os níveis, para fazer a diferença e construir uma realidade mais justa e igualitária”, completa Dorotea.

Se você já possui uma graduação e tem interesse em prosseguir os estudos e aplicar para um programa de mestrado ou doutorado na Unisinos, procure conversar com o coordenador ou os professores do curso de seu interesse. Além de se atualizar sobre as linhas de pesquisa e o que está sendo publicado, essa troca de experiências ajuda na preparação do candidato para o processo seletivo.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?

Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?

Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis

Já é assinante? Entre aqui.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.