Há 5 vagas sobrando para cada profissional em setor no qual Brasil é mais avançado que EUA e Europa

Com previsão de gerar 178 mil vagas de emprego, agronegócio tem dificuldades de achar profissionais qualificados mesmo oferecendo salário de R$ 14 mil
Agronegócio: o novo perfil do setor pede também um novo perfil de profissional, que saiba integrar a tecnologia ao campo (Alexis Prappas/Exame)
Agronegócio: o novo perfil do setor pede também um novo perfil de profissional, que saiba integrar a tecnologia ao campo (Alexis Prappas/Exame)
D
Da Redação

Publicado em 28/09/2022 às 12:28.

Última atualização em 28/09/2022 às 13:55.

Os Estados Unidos e a Europa costumam ser referência e estar antecipados em maturidade de negócios. É comum ouvir de especialistas que para saber como estará determinado setor no cenário nacional daqui a alguns anos, basta olhar para como estão agora os americanos e europeus. 

No entanto, há um setor que não é bem assim. De acordo com uma pesquisa da consultoria global McKinsey, o agronegócio brasileiro está mais avançado do que o exterior quando o assunto é digitalização e sustentabilidade. 

Um dos responsáveis pelo estudo, Nelson Ferreira, sócio-sênior da McKinsey em São Paulo e líder global de práticas agrícolas da consultoria, destacou que cerca de 40% dos agricultores brasileiros são digitalizados. Além disso, a pesquisa também aponta que os brasileiros estão mais avançados na adoção de práticas sustentáveis de agricultura. Enquanto a penetração do modelo nos Estados Unidos é de 50%, por aqui chega aos 80% no plantio direto. 

São exatamente esses dois focos da agricultura brasileira digitalização e sustentabilidade que têm feito o setor buscar novos profissionais qualificados. O agronegócio tem passado por uma revolução tecnológica que tem como objetivo tornar a produção mais sustentável e aumentar os resultados ao mesmo tempo que reduz os impactos ambientais. 

Agronegócio busca profissionais para ajudar a tornar o setor mais sustentável; veja requisitos e saiba como se especializar

Agronegócio sofre com falta de profissionais

Mas, um obstáculo tem se colocado à frente desse objetivo: a falta de profissionais. A escassez de profissionais foi expressa em dados de uma pesquisa realizada pela Agência Alemã de Cooperação Internacional em parceria com o Senai e com a Universidade Federal do Rio Grande do Sul. O levantamento mostrou que nos próximos dois anos, carreiras ligadas ao agronegócio devem gerar mais de 178 mil vagas de emprego

Mas o estudo também apontou que a previsão é de que só haja cerca de 32,5 mil profissionais qualificados para essas vagas. Ou seja, há cinco vagas em aberto para cada profissional qualificado hoje, e o mercado precisa de mais especialistas em agronegócio. 

Leia também: Agronegócio paga R$12 mil por mês e tem 5 vagas abertas para cada profissional disponível no mercado

E é exatamente essa necessidade que faz os salários ofertados ultrapassarem os dois dígitos. Segundo o Glassdoor, plataforma que reúne vagas de emprego e permite que funcionários informem seus salários e benefícios de forma anônima, o salário médio nacional de um gestor em agronegócio é de aproximadamente R$ 14 mil por mês. Mas em uma pesquisa rápida no site é possível encontrar relatos de uma remuneração que alcança os R$ 26 mil. 

(Glassdoor/Reprodução)

Saiba como aproveitar as oportunidades no agronegócio que pagam mais de R$ 14 mil para trabalhar de qualquer cidade do Brasil. Participe da série gratuita Carreira em Agribusiness  

Nova profissão: Agro Digital Manager

Com essa demanda, o agronegócio aparece na 15ª edição do Guia Salarial (2023) da consultoria Robert Half como uma das indústrias que já lideram as contratações o que deve aumentar ainda mais no próximo ano. 

Acontece que o novo perfil do agronegócio pede também um novo perfil de profissional. Hoje, o setor precisa de pessoas que entendam do campo, mas que saibam integrá-lo a processos digitais e diferentes tecnologias. Esse profissional é o Agro Digital Manager, principal responsável pela implementação de projetos digitais em propriedades agrícolas. 

Suas principais atribuições são identificar e mapear os problemas do campo e coordenar times em busca da solução para necessidades de produtores agrícolas e dos demais stakeholders do agronegócio. 

Leia também: Com salário médio acima de R$10 mil, este setor deve gerar mais de 178 mil vagas de emprego até 2023

Descubra como receber em média R$ 14 mil por mês trabalhando em projetos agrícolas sem sair da zona urbana

Como se tornar um Agro Digital Manager

Com o objetivo de ajudar a formar profissionais para suprir a demanda do agronegócio nos próximos anos, a EXAME preparou a série gratuita Carreira em Digital Agribusiness. Programado para acontecer entre os dias 17 e 25 de outubro, o conteúdo vai revelar:

  • como a revolução tecnológica do agronegócio brasileiro está fazendo surgir inúmeras possibilidades de fazer carreira em profissões que eram inexistentes até pouco tempo atrás;
  • como planejar uma carreira de sucesso no Digital Agro e ter remuneração que pode passar dos R$ 14 mil por mês;
  • como aproveitar as oportunidades no setor mesmo sem ter um formação em veterinária, agronomia ou outras áreas relacionadas; 
  • qual a melhor forma para fazer a transição de carreira e começar a faturar com o agronegócio brasileiro sem precisar se mudar para o campo. 

As aulas serão ministradas por Francisco Jardim, sócio-fundador da SP Ventures, uma das gestoras de Venture Capital mais tradicionais do país especializada no agronegócio. Desde 2007, a gestora investe em startups de tecnologia para o agronegócio, as chamadas agritechs e já movimentou milhões de reais.

Para participar basta se inscrever clicando aqui ou no link abaixo. 

QUERO PARTICIPAR DA SÉRIE GRATUITA E APROVEITAR AS OPORTUNIDADES NO SETOR QUE MAIS CRESCE DA ECONOMIA BRASILEIRA