Carreira

Quanto ganha um Business Partner (RH)?

O Business Partner é um profissional responsável por construir pontes entre o RH e líderes de uma organização. Saiba como ingressar no mercado de BP

IT Business Partner (Thinkstock)

IT Business Partner (Thinkstock)

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 12 de janeiro de 2024 às 10h25.

Última atualização em 12 de abril de 2024 às 15h50.

O Business Partner — ou Parceiro de Negócios — é uma profissão que tem crescido no mercado de trabalho brasileiro, principalmente a partir do início dos anos 2000. O principal papel desse profissional é criar pontes eficientes entre o setor de pessoas e as lideranças.

Quanto mais eficientes são essas parcerias, melhores são os aprendizados, capazes de alinhar os objetivos estratégicos da empresa com o quadro de colaboradores. 

Neste conteúdo, explicamos o que é um Business Partner, como ingressar na carreira e qual o salário médio no Brasil.

O que é um Business Partner?

Como já mencionamos, o profissional de Business Partner cria uma ponte entre o RH, gestores e liderados e atua para resolver conflitos e encontrar oportunidades de melhorias no relacionamento e processos de uma área.

A área de BP está atrelada ao setor de Recursos Humanos e pode oferecer insights valiosos para toda a organização. 

O que faz um Business Partner?

Geralmente, existe uma pessoa designada para ser o BP de cada área da empresa — ao menos das principais. 

Ela será responsável por entender e endereçar os principais problemas, gargalos, demandas e oportunidades de melhoria e desenvolvimento profissional para os próprios gestores da área.

Alguns exemplos que ilustram o que faz um Business Partner:

  • Capacitar gestores e encontrar pontos de desenvolvimento nas lideranças em gestão;
  • Mapeamento de talentos;
  • Melhoria na comunicação entre os times;
  • Auxiliar na elaboração do PDI das lideranças da área designada e acompanhar a evolução do material.

Pense no caso de um líder de uma grande área que pode melhorar algumas habilidades interpessoais. O BP será responsável por identificar oportunidades de melhoria e auxiliar a liderança a traçar um plano de ação para evoluir nos aspectos encontrados.

Com isso, toda a empresa sai ganhando, já que com o desenvolvimento do líder, toda a equipe pode sentir os efeitos práticos das mudanças, o que aumenta os níveis de motivação e comprometimento com as entregas.

Qual a importância do Business Partner?

A importância do Business Partner na empresa está no fato de que essas pessoas promovem o desenvolvimento corporativo, treinamento das lideranças, resolução de conflitos entre áreas e profissionais.

Empresas que investem no profissional de BP estão propensas a terem times mais eficientes, com uma boa comunicação e habilidades interpessoais. 

Quanto ganha um Business Partner?

Conforme o portal Vagas.com, o cargo de Business Partner tem um salário inicial médio de R$ 4.822. A média salarial geral no Brasil é de R$ 6.445 e o valor máximo, também nacionalmente, é de R$ 9.509.

Já conforme o Glassdoor, a faixa de salário base é R$ 5.000 e pode chegar aos R$ 10.000. A média salarial cadastrada por profissionais na plataforma é consideravelmente mais alta do que a primeira fonte, sendo de R$ 14.000.

Como você pôde perceber, os valores acima são médios e calculados a nível nacional. Dependendo da cidade e região, é possível que sejam menores ou maiores. Por isso, ao procurar por quanto ganha um Business Partner, lembre-se de filtrar a sua cidade ou região.

Qual a formação do Business Partner?

A formação mais comum de Business Partner no Brasil vem do curso de Psicologia. Em seguida, temos a graduação de Administração de Empresas. 

No entanto, não existe uma formação exigida para atuar como BP. O importante é que você construa a sua carreira em torno da área, seja por meio de estágios ou de uma transição de carreira de áreas correlatas — como Recursos Humanos, Departamento Pessoal ou áreas de gestão da empresa.

Para além da formação técnica, lembre-se que soft skills específicas podem ser procuradas para profissionais da área, como:

  • Facilidade em mediar conflitos;
  • Excelente comunicação;
  • Ser bom em planejar e executar;
  • Compreender profundamente o negócio que atua;
  • Habilidade em receber um alto volume de informações e transformá-las em mensagens altamente compreendidas por diferentes setores.

Como se tornar um Business Partner?

Para se tornar um Business Partner, você pode começar pela graduação — que conforme mencionamos, não precisa ser Psicologia ou Administração, mas que tem a maioria dos profissionais vindos desses cursos. 

O importante mesmo é se envolver com a área no momento em que desejar ingressar nela. Você pode começar em cargos mais generalistas de Recursos Humanos, atuando como analista e evoluindo para posições mais estratégicas. 

Havendo oportunidade e espaço de crescimento, pode buscar por áreas de BP dentro da empresa — participando de um processo seletivo interno.

Caso perceba que já tem as habilidades necessárias para fazer a transição, mas não encontrou oportunidades na empresa em que está, busque por vagas de Business Partner e otimize o seu currículo para valorizar as habilidades e tarefas que executa que podem ser bem aproveitadas na nova área. 

Se estiver começando, ainda na graduação ou nos primeiros passos profissionais, busque diretamente por posições iniciais de BP, em estágios ou vagas de assistente. Mesmo que não sejam tão comuns, é possível encontrar posições abertas.

Por fim, existem cursos de Business Partner em instituições reconhecidas no Brasil, como a FGV. Essa é uma forma interessante para que você se especialize na área, independente da sua formação acadêmica.

Acompanhe tudo sobre:plano-de-carreiraGuia de CarreiraDicas de carreira

Mais de Carreira

Veja 6 estratégias essenciais para empreender no Brasil, segundo o treinador Bernardinho

Da roça para Paris: a história inspiradora do atleta “Maranhão” que irá disputar as Olimpíadas

De estilista a presidente: os 4 passos para alcançar o sucesso, segundo a CEO do Grupo Malwee

Arteris investe em educação corporativa para lidar com desafios de diversidade geracional

Mais na Exame