• AALR3 R$ 20,12 -0.40
  • AAPL34 R$ 68,26 2.22
  • ABCB4 R$ 16,87 1.08
  • ABEV3 R$ 13,95 -0.50
  • AERI3 R$ 3,80 4.40
  • AESB3 R$ 10,83 1.21
  • AGRO3 R$ 30,94 0.65
  • ALPA4 R$ 20,71 1.22
  • ALSO3 R$ 19,43 2.21
  • ALUP11 R$ 27,30 1.87
  • AMAR3 R$ 2,49 3.32
  • AMBP3 R$ 31,14 3.63
  • AMER3 R$ 23,96 2.09
  • AMZO34 R$ 64,71 -2.90
  • ANIM3 R$ 5,65 3.67
  • ARZZ3 R$ 79,88 -1.82
  • ASAI3 R$ 15,82 -0.88
  • AZUL4 R$ 21,61 2.42
  • B3SA3 R$ 12,14 0.83
  • BBAS3 R$ 38,34 3.62
  • AALR3 R$ 20,12 -0.40
  • AAPL34 R$ 68,26 2.22
  • ABCB4 R$ 16,87 1.08
  • ABEV3 R$ 13,95 -0.50
  • AERI3 R$ 3,80 4.40
  • AESB3 R$ 10,83 1.21
  • AGRO3 R$ 30,94 0.65
  • ALPA4 R$ 20,71 1.22
  • ALSO3 R$ 19,43 2.21
  • ALUP11 R$ 27,30 1.87
  • AMAR3 R$ 2,49 3.32
  • AMBP3 R$ 31,14 3.63
  • AMER3 R$ 23,96 2.09
  • AMZO34 R$ 64,71 -2.90
  • ANIM3 R$ 5,65 3.67
  • ARZZ3 R$ 79,88 -1.82
  • ASAI3 R$ 15,82 -0.88
  • AZUL4 R$ 21,61 2.42
  • B3SA3 R$ 12,14 0.83
  • BBAS3 R$ 38,34 3.62
Abra sua conta no BTG

Estes são os profissionais digitais mais disputados pelo mercado

Levantamento inédito mostra a demanda por habilidades e profissionais para a transformação digital nas empresas brasileiras
Brasil no mundo digital: as empresas ainda não sabem formar talentos (Getty Images/Mojito_mak)
Brasil no mundo digital: as empresas ainda não sabem formar talentos (Getty Images/Mojito_mak)
Por Luísa GranatoPublicado em 06/08/2019 05:55 | Última atualização em 06/08/2019 14:20Tempo de Leitura: 4 min de leitura

São Paulo - O mundo dos negócios está mudando e 88% das acreditam que precisam de profissionais digitais se quiserem se manter competitivas, segundo a pesquisa inédita Paradigma Digital, uma parceria entre o Talenses Group e a Digital House.

Mas o que é esse profissional digital? Para quem ficou preocupado, os presidentes das empresas responsáveis pela pesquisa contam que o perfil não está relacionado a uma graduação, curso, área ou especialidade específica, muito menos a um perfil jovem.

E isso torna mais difícil para que executivos e gestores definam por onde começará a transformação digital da empresa. O define um profissional digital, o que todos desejam contratar, é sua mentalidade ágil e flexível.

“Ao contrário do que muitos pensam, a mentalidade digital não é conhecer tecnologia, mas entender a cultura e modo diferente de trabalho que vieram com ela. Você pode ser nativo da economia digital ou ter aprendido depois, mas é preciso ser ágil, ter uma entrega veloz e não ter medo de errar”, comenta Carlos Alberto Julio, presidente da Digital House.

A palavra de ordem é ruptura. Para Luiz Valente, presidente do Talenses Group, esse tipo de profissional trabalha olhando para a inovação e questiona a forma como o processo está estruturado.

“Estamos em momento acelerado de transformação, todos os segmentos estão sendo impactados e temos uma carência de dados sobre a realidade que o mercado enfrenta na busca de profissionais e qualificações”, comenta Valente.

Em meio a preocupações com o futuro do trabalho, a pesquisa mostra um recorte do momento de transformação digital e procura por profissionais especializados por qual o Brasil e as empresas estão passando.

A pesquisa foi feita com 102 empresas no segundo trimestre de 2019. A maioria das participantes tem grande porte, com mais de 500 funcionários, e com sede no sudeste do Brasil.

O perfil para o profissional digital traçado pelas empresas mostra que elas procuram contratar pessoas com as seguintes características:

- Inovador (13%)
- Aprendizado contínuo (11%)
- Adapta-se com facilidade (10%)
- Colaborativo/Pensamento lógico/Analítico/Criativo (9%)
- Inteligência Emocional (7%)

Segundo o relatório, dentro das empresas, a área de Tecnologia da Informação representa 67% da demanda por contratações. No entanto, a área de finanças ficou em segundo lugar, com 64% da demanda. Depois aparecem as áreas de Logística, Jurídico e Engenharia com demandas por habilidades digitais.

Dois pontos preocupantes do cenário atual destacados pela pesquisa estão relacionados com a adaptação da mão de obra para o novo modelo de trabalho. De acordo com o levantamento, quanto mais alto o cargo e maior a experiência exigido, mais difícil fica contratar.

Da mesma forma, a maioria das empresas não oferece treinamentos ou bolsas de estudo para que seus funcionários mais antigos possam se atualizar.

“É muito preocupante o baixo nível de investimento no treinamento de profissionais. A transformação digital é feita em velocidade crescente e exponencial, a demanda por profissionais capacitados é crescente e rápida. E não me parece que os setores estão se preparando para isso”, fala Valente.

O presidente da Digital House explica que as grandes empresas de tecnologia, como Google, Facebook, Decolar e iFood, responsáveis por movimentos disruptivos na economia, criaram suas formas próprias de atrair talentos e formá-los dentro da empresa.

“A escassez de mão de obra capacitada que temos agora acontece quando empresas tradicionais, como bancos, laboratórios farmacêuticos ou empresas de varejo começam a gerar a demanda pelos funcionários digitais e tirá-los dessas empresas que já tinham seu ecossistema digital”, diz Julio.

Entre os cargos com maior demanda, o executivo vê um impulso gerado por empresas começando sua adaptação para o digital, buscando formas para integrar bancos de dados e usá-los para o crescimento do negócio.

Confira o ranking dos profissionais mas buscados pelas empresas:

1. Analista de Dados - Business Intelligence - 13%
2. Analista de Marketing Digital - 10%
3. Cientista de Dados - 9%
4. Especialista em Customer Experience - 9%
5. UX/UI Designer - 8%
6. Product Owner / Scrum Master / Especialista de Inteligência Artificial - 7%
7. Programador Web / Product Manager - 6%
8. Analista ou especialista em automação / Especialista em Cloud Architect - 5%
9. Analista de Infra / Analista de Telecom - 4%
10. Analista de Teste e Qualidade / Programador Mobile Android / Programador Mobile IOS - 3%