É correto falar presidenta? Veja como se escreve o feminino de presidente

Além de explicar a grafia correta, o professor Diogo Arrais reflete sobre como a língua, muitas vezes, pode refletir questões e preconceitos da sociedade
Dilma Rousseff: na época, chegou-se a dizer que o termo "presidenta" tinha sido inventado pela petista (Mario De Fina/NurPhoto/Getty Images)
Dilma Rousseff: na época, chegou-se a dizer que o termo "presidenta" tinha sido inventado pela petista (Mario De Fina/NurPhoto/Getty Images)
D
Diogo Arrais, professor de português (@diogoarrais)

Publicado em 02/07/2022 às 11:00.

Última atualização em 02/07/2022 às 20:38.

Nossa gramática é machista? Essa é uma profunda e educativa questão. Por gramática, entende-se – de maneira breve - o conjunto de regras que normatizam o falar e o escrever, em acordo à língua-padrão.

VEJA TAMBÉM:

Ao enfatizar o feminino no vocábulo, textos mostram a existência da “voz feminina” no poder, na democracia, como no caso do termo “presidenta”. O registro da palavra já era observado, desde 1899, pelo Dicionário de Cândido de Figueiredo:

“Presidenta, f. (neol.) mulher que preside; mulher de um presidente. (Fem. de presidente.)”

Ignorantes no tema disseram ser mera invenção vocabular da presidenta brasileira, à época. Pois bem: por que termos femininos, mesmo tão antigos, não são usados, se oficiais são? A justificativa está, de fato, em critérios tão-somente gramaticais?

Pensando em educar-me, resolvi ler um livro: Ouse Argumentar, da escritora Maytê Carvalho, publicado pela editora Planeta. Consegui respostas que me fizeram entender alguns porquês diante da seleção vocabular que, infelizmente, até hoje, predomina. Enuncia a escritora e estudiosa:

“Nós, mulheres, crescemos ouvindo que temos que colocar a necessidade dos outros acima da nossa.”
Ao iniciar um capítulo, ensina Maytê:

“Comunicação também é um sistema de sobrevivência. Escolhemos falar porque queremos nos proteger, nos sentir confiantes, dividir ideias, lutar por direitos e veicular nossos desejos.”

Quantas vezes uma mulher teve de usar um crachá em que o gênero gramatical do cargo era masculino? A obra Ouse Argumentar é brilhante neste aspecto: a consciência de inclusão. Ter uma voz ativa no discurso, a partir de mais aprendizado na estruturação dele, é libertador, no mínimo.

Para reforçar o impacto semântico, no décimo terceiro capítulo, a etimologia dos termos Guarulhos e Maytê reforça como termos acompanham o usuário de uma língua.

Quando a lágrima respeitosa (fruto da emoção) precedia as últimas sílabas do livro, pude entender como a seleção vocabular, aos poucos, determinar o que uma mulher deseja (e deve concretizar!) para o mundo.

Às minhas leitoras e aos meus leitores, além da gramática humana e respeitosa, digo: ouse argumentar.

Ao terminar a leitura da obra de Maytê Carvalho, escreva-me dizendo sobre quão importante é a voz do feminino em textos falados, escritos e do jeito que bem elas entendem (porque elas sabem fazer deste mundo um lugar melhor).

Um grande abraço, até a próxima e inscreva-se no meu canal!

DIOGO ARRAIS
http://www.ARRAISCURSOS.com.br
YouTube: MesmaLíngua
Professor de Língua Portuguesa

Dicas de carreira, vagas e muito mais

Você já conhece a newsletter da Exame Academy? Você assina e recebe na sua caixa de entrada as principais notícias da semana sobre carreira e educação, assim como dicas dos nossos jornalistas e especialistas.

Toda terça-feira, leia as notícias mais quentes sobre o mercado de trabalho e fique por dentro das oportunidades em destaque de vagas, estágio, trainee e cursos. Já às quintas-feiras, você ainda pode acompanhar análises aprofundadas e receber conteúdos gratuitos como vídeos, cursos e e-books para ficar por dentro das tendências em carreira no Brasil e no mundo.

Inscreva-se e receba por e-mail dicas e conteúdos gratuitos sobre carreira, vagas, cursos, bolsas de estudos e mercado de trabalho.

LEIA TAMBÉM: Os 100 nomes de bebês femininos mais populares em 2022