Depois de Jacinda Ardern, semana de 4 dias úteis ganha apoiador nos EUA

Mais produtividade com menos horas de trabalho: a semana de 4 dias úteis ganha destaque como solução para a pós-pandemia

Não seria ótimo ter um dia a mais no final de semana? O empreendedor e ex-candidato à presidência dos Estados Unidos Andrew Yang acredita que reduzir um dia de trabalho seria uma grande ajuda para a saúde mental dos trabalhadores americanos.

Ele escreveu em seu Twitter na segunda-feira, 25, que os Estados Unidos deveriam considerar reduzir a semana de trabalho para melhorar a produtividade e criar empregos.

Yang não está sozinho ao defender o novo modelo de trabalho: na semana anterior, a primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, sugeriu a medida como uma saída para a retomada econômica após a pandemia do coronavírus.

Segundo a popular premiê, seria uma forma de incentivar o turismo doméstico e ajudar no equilíbrio entre a vida profissional e pessoal dos trabalhadores.

No Japão, a Microsoft testou a redução na jornada e viu um aumento de 40% no faturamento por funcionário. No Brasil, a startup de produtos para animais Zee.Dog foi a primeira a adotar o modelo de trabalho.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.