Criticar a empresa em rede social pode levar a demissão por justa causa?

Liberdade de expressão, como outros direitos, tem limites. Advogado explica o que pode acontecer com empregado que critica a empresa nas redes
Redes sociais: a Justiça do Trabalho tem admitido a justa causa do empregado em dois casos envolvendo as redes (AFP/AFP)
Redes sociais: a Justiça do Trabalho tem admitido a justa causa do empregado em dois casos envolvendo as redes (AFP/AFP)
Por Marcelo Mascaro, sócio do escritório Mascaro Nascimento Advocacia TrabalhistaPublicado em 17/03/2022 15:30 | Última atualização em 17/03/2022 14:44Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Marcelo Mascaro, sócio do escritório Mascaro Nascimento Advocacia Trabalhista

A liberdade de expressão é um direito assegurado constitucionalmente a todos e uma das bases de qualquer regime democrático. Por meio dela o indivíduo pode expressar suas impressões do mundo, por exemplo de natureza política, religiosa, filosófico, artística, etc.

Garanta o seu lugar entre as melhores do Brasil, entre no Ranking Negócios em Expansão 2022

Apesar disso, assim como outros direitos fundamentais, ela possui limites e deve ser utilizada de modo que não viole os direitos de outras pessoas, tal como a honra e a reputação de terceiros.

Além disso, a CLT prevê como hipótese de dispensa por justa causa o ato do empregado lesivo da honra ou da boa fama do empregador. Isso porque, por um lado, essa espécie de ato fere a reputação da empresa e, por outro, rompe a relação de confiança entre empregador e trabalhador.

Embora à época da criação da CLT as redes sociais fossem uma realidade distante, a proibição de o empregado depreciar a imagem da empresa já era uma preocupação. Atualmente, com a potencialidade de qualquer pessoa atingir um enorme público com suas opiniões em redes sociais essa preocupação se mostra com maior razão.

Nesse sentido, tem-se observado diversas decisões dos Tribunais da Justiça do Trabalho reconhecendo a validade da dispensa por justa causa de empregado que emite opinião difamatória da empresa em rede social.

Como exemplo, já foi reconhecida como difamatória crítica que considerava vergonhoso o valor do vale alimentação, que dizia ser horrível a comida oferecida pela empresa, que depreciava a organização de sua cadeia produtiva ou que vinculava as condições de trabalho a doenças psicológicas dos empregados.

Acrescenta-se que a Justiça do Trabalho tem admitido a justa causa do empregado não apenas quando o empregado publica em rede social conteúdo de teor difamatório contra a empresa, mas, inclusive, quando terceiro o publica e o empregado “curte” o conteúdo.

Apesar disso, caso o trabalhador sinta que as condições de trabalho não são adequadas poderá utilizar dos meios legais para fazer cumprir seus direitos.

Por exemplo, o empregado que se considerar prejudicado tem a possibilidade de ajuizar uma ação trabalhista na Justiça do Trabalho, solicitar a intervenção de seu sindicato profissional ou, ainda, fazer uma denúncia no Ministério Público do Trabalho para que a empresa seja investigada.

Dicas de carreira, vagas e muito mais

Você já conhece a newsletter da Exame Academy? Você assina e recebe na sua caixa de entrada as principais notícias da semana sobre carreira e educação, assim como dicas dos nossos jornalistas e especialistas.

Toda terça-feira, leia as notícias mais quentes sobre o mercado de trabalho e fique por dentro das oportunidades em destaque de vagas, estágio, trainee e cursos. Já às quintas-feiras, você ainda pode acompanhar análises aprofundadas e receber conteúdos gratuitos como vídeos, cursos e e-books para ficar por dentro das tendências em carreira no Brasil e no mundo.

Inscreva-se e receba por e-mail dicas e conteúdos gratuitos sobre carreira, vagas, cursos, bolsas de estudos e mercado de trabalho.