Contra o racismo, grandes empresas treinam líderes com letramento racial

Iniciativa do Movimento pela Equidade Racial (Mover) treina lideranças de empresas como Arcos Dorados, Raia Drogasil, Michelin, Ambev e outras sobre temas como racismo estrutural, histórico da comunidade negra no Brasil e vieses inconscientes
 (Klaus Vedfelt/Getty Images)
(Klaus Vedfelt/Getty Images)
L
Luciana LimaPublicado em 21/09/2022 às 10:05.

Desde julho, executivos de 47 grandes empresas do Brasil estão realizando uma série de treinamentos sobre letramento racial para avançar na luta antirracista dentro das organizações.

O projeto é realizado pelo Mover (Movimento pela Equidade Racial) em parceria com o Instituto Identidades do Brasil (ID_BR), organização sem fins lucrativos voltada à promoção da igualdade racial.

VEJA TAMBÉM:

Entre as empresas participantes do Mover estão nomes como Ambev, Diageo, Americanas, Bain & Company, Cargill, Atento, Alcoa, Heineken, Danone, Grupo Pão de Açúcar, L'óreal, Magazine Luiza, Gerdau, Kraft & Heinz, Nestlé, Renner, Sodexo, Klabin, Raia Drograsil, Disney, Marfrig, Mondeléz, Mars e PepsiCo.

Criado em 2020, o movimento tem como meta atingir 10 mil posições de lideranças ocupadas por pessoas negras até 2030. Por isso, entre outras coisas, todas empresas que participam do movimento têm o o compromisso de aumentar a participação de profissionais negros em seus quadros.

Marcele Gianmarino, porta-voz do Mover e gerente de Diversidade e Inclusão Mars: treinamentos de letramento racial e outras iniciativas para aumentar inclusão de negros nas empresas (Mover/Divulgação)

Além de conectar essas empresas com profissionais negros, o Mover também realiza uma série de capacitações, como programas de mentoria e cursos para a comunidade negra. A ideia do letramento racial, entretanto, é voltada para além das pessoas negras para tornar o ambiente corporativo mais inclusivo.

"Quando falamos de inclusão não basta apenas contratar pessoas negras, esses profissionais precisam se sentir acolhidos e pertencentes e, por isso, é necessário preparar as lideranças", diz Marcele Gianmarino, porta-voz do Mover e gerente de Diversidade e Inclusão Mars.

Engajamento da liderança na luta antirracista

Até agora mais de 200 líderes das empresas signatárias do Mover participaram dos treinamentos que abordam questões como o contexto histórico brasileiro, o que é o racismo, vieses inconscientes, além de práticas para aumentar a diversidade nas organizações.  Os treinamentos duram cerca de 2 horas e a ideia é ter mais quatro sessões de letramento até o final do ano.

"Aprendemos não só sobre Equidade Racial, mas também sobre a história do Brasil e como tudo isso está conectado. O time nos convida para um processo de reflexão sobre o nosso papel na sociedade, independente da nossa posição hierárquica dentro das 47 empresas aliadas", diz Mariana Pereira, gerente de diversidade e inclusão na Raia Drogasil e uma das líderes que participaram dos treinamentos do Mover.

Para Leandro Corrêa, gerente de gente, diversidade e inclusão da divisão Brasil da Arcos Dorados, que também participou dos treinamentos do Mover, além de aumentar o entendimento sobre o racismo, a capacitação também cria oportunidades de trocas entre as empresas sobre como, de fato, engajar as companhias na luta antirracista.

"Os treinamentos são grandes oportunidades de somarmos forças e discutirmos, juntos, diversos aspectos da questão racial e desafios enfrentados no mercado de trabalho que podem e devem ser melhorados.

Atualmente no Brasil contamos com cerca de 50 mil funcionários, entre restaurantes próprios e franqueados, e sabemos de nossa responsabilidade em promover um ambiente de trabalho diverso", diz.

A escolha de começar o letramento pela liderança não é à toa, uma vez que os executivos seniores ajudam a engajar as organizações e aceleram o processo de transformação cultural e sensibilização no tema.

"São os líderes que darão o tom, explicarão a importância de avançarmos deixando claro que o propósito maior que é realizar um resgate histórico em direção a uma sociedade mais justa para todos nós", afirma Glauce Ferman, diretora de comunicação e marcas, relações institucionais e sustentabilidade da Michelin, que também realizou a capacitação do Mover.

"56% da população brasileira é negra, mas não vemos esse número refletido dentro das organizações. Acreditamos que o letramento é a chave para mudar essa realidade", finaliza Marcele, porta-voz do Mover.

Inscreva-se e receba por e-mail dicas e conteúdos gratuitos sobre carreira, vagas, cursos, bolsas de estudos e mercado de trabalho.