Consciência Negra: gráficos mostram abismo racial no mercado de trabalho

Semana da Consciência Negra: apesar de ser a maior parte da população, pretos e pardos enfrentam forte desigualdade no mercado de trabalho

Na próxima sexta-feira, 20 de novembro, comemora-se o Dia da Consciência Negra, data que representa a luta contra a herança da escravidão na sociedade brasileira. Apesar de ser a maior parte da população, pretos e pardos enfrentam forte desigualdade no mercado de trabalho.

ESG: a sigla que está mudando o mercado financeiro também pode mudar os seus investimentos para melhor. Acesse agora e descubra como.

A taxa de subutilização (quando o trabalhador não trabalha ou trabalha menos do que gostaria) entre pretos e pardos era de 28%. Entre brancos era de 18,8%. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a desvantagem desse grupo populacional se mantém mesmo quando é considerado o recorte por nível de instrução. Entre pessoas com superior completo ou mais, taxa de subutilização de negros era de 15%. Entre brancos, era de 11,5%.

Nos gráficos abaixo, é possível observar outras discrepâncias apontadas pela publicação de 2019 Desigualdades Sociais por Cor ou Raça no Brasil, do IBGE.

No gráfico acima, é possível ver que as diferenças causadas pela cor da pele mesmo em casos de alta escolaridade também acontecem dentro do mercado formal.

A diferença é refletida da mesma forma no salário, até no mercado informal. Os dados abaixo mostram a diferença salarial média entre negros e brancos, por tipo de contratação.

Refletindo a composição padrão da população brasileira, pretos e partos no mercado de trabalho eram maioria, sendo um total de 57,7 milhões. O número de brancos era 46,1 milhões, de acordo com o relatório do IBGE. No entanto, esse percentual é invertido quando se olha para os níveis de gerência.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.