Conheça esta brilhante estratégia para resolver problemas, segundo estudo

De acordo com um novo estudo, os humanos têm uma tendência generalizada de adicionar coisas na busca por soluções - mesmo quando a remoção de recursos é mais eficiente
Estudo: a indicação é que uma proposta para se livrar de algo pode parecer menos criativa do que surgir com algo novo a acrescentar (yuoak/Getty Images)
Estudo: a indicação é que uma proposta para se livrar de algo pode parecer menos criativa do que surgir com algo novo a acrescentar (yuoak/Getty Images)
Por André MartinsPublicado em 16/04/2021 14:07 | Última atualização em 25/05/2021 10:15Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Como você age para resolver um problema? Quando as pessoas têm uma grande apresentação no trabalho ou precisam mudar sua estratégia de contratação, normalmente buscam soluções próprias e sugestões de colegas.

A pandemia mostrou que a inovação será cada dia mais decisiva para seu negócio. Encurte caminhos, e vá direto ao ponto com o curso Inovação na Prática

De uma mudança na gestão de recrutamento a um slide adicional para um novo recurso de produto, todos terão algo a acrescentar. Mas você sabe o que ninguém irá sugerir? Retirar algo para resolver o problema.

De acordo com um novo estudo da Universidade da Virgínia, nos Estados Unidos, publicado na revista científica Nature, os humanos têm uma tendência generalizada de adicionar coisas na busca por soluções - mesmo quando a remoção de recursos é mais eficiente para resolver o problema.

Os pesquisadores realizaram uma série de experimentos, como, por exemplo, testes onde os participantes teriam que estabilizar estruturas de Lego até torna-las formas abstratas simétricas.

O resultado mostrou que os participantes pensam mais em "o que podemos adicionar aqui?", sem sequer consideraram soluções subtrativas, que muitas vezes seriam a melhor opção para resolver o problema.

A indicação é que uma proposta para se livrar de algo pode parecer menos criativa do que surgir com algo novo a acrescentar.

“As soluções aditivas têm uma espécie de status privilegiado - elas tendem a vir à mente com rapidez e facilidade”, resume o coautor do estudo, Benjamin Converse. "Soluções subtrativas não são necessariamente mais difíceis de considerar, mas exigem mais esforço para serem encontradas."

Na prática, o estudo sugere que algumas vezes menos é mais. Pessoas e empresas podem perder soluções mais simples, baratas e inovadoras, e criar inchaço e burocracia desnecessários em seus produtos e sistemas ao adicionar coisas.

Grandes líderes empresárias sabem da tendência das pessoas de adicionar complexidade aos problemas, por isso tentam estimular seus funcionários a ver abordagens inovadoras que considerarem soluções subtrativas. Steve Jobs, por exemplo, era um minimalista na resolução de problemas.

A pesquisa sugere também que colocar as pessoas sob menos pressão e dar mais tempo, pode ajuda-las a se concentrar e corrigir o viés da adição para resolver problemas. Discutir sobre o assunto também é a melhor forma de criar uma cultura que valorize a simplicidade.