Como usar o trabalho voluntário para valorizar seu passe

Especialistas mostram como projetos sociais podem desenvolver suas habilidades profissionais

São Paulo – Apostar no projeto voluntário para ser notado em meio à pilha de currículos em cima da mesa do selecionador é uma alternativa para quem espera agregar atributos ao currículo.  “No Brasil, não é um critério de avaliação ter trabalho voluntário no currículo, como nos Estados Unidos, mas é importante para mostrar ao recrutador mais sobre o seu perfil, tanto pessoal quanto profissional”, explica Adrian Tsallis, sócio da consultoria 2GET. 

Para que o trabalho voluntário seja um diferencial na seleção para o emprego, o candidato precisa observar pelo menos cinco posturas:

1. Para mostrar espírito de liderança

Se o cargo desejado exige que o candidato trabalhe em equipe ou assuma cargos de posição mais alta, é importante que o projeto voluntário apresente essa característica. “O candidato que organiza um movimento para ajudar a comunidade nas horas livres, por exemplo, mostra que tem espírito de liderança”, explica Tsallis.

O consultor completa que “a partir do momento em que o candidato está engajado e engaja outras pessoas em uma atividade que não é remunerada, transmite ao selecionador a ideia de que ele teria condições de fazer o mesmo no ambiente de trabalho”.

2. Para ser proativo

No currículo, como não há um espaço para completar com a palavra “proatividade”, o candidato pode informar a qualidade pela atividade voluntária. “Quando o profissional se dedica à um trabalho voluntário, ele mostra que está conectado com as necessidades da comunidade onde ele vive e procura soluções para melhorar o ambiente”, diz Marli Pereira, consultora do Instituto EcoSocial.

3. Para adquirir experiência profissional

Ser voluntário pode gerar a oportunidade de adquirir experiência na área em se deseja trabalhar e não há oportunidade no momento. Para Marli, o candidato deve usar os conhecimentos e habilidades da sua área de atuação – ou da área em que deseja atuar – para complementar as informações do currículo.

“Focar na área em que se conhece para usar no projeto é uma boa forma de se valorizar e diversificar a sua expertise”, aconselha a consultora.

4. Foco na escolha de projetos

Os consultores acreditam que dificilmente um projeto contará pontos negativos na seleção de emprego, mas é possível escolher projetos mais apropriados para ser incluído no currículo. “Temas controversos ou assuntos delicados são mais raros para esses casos, mas às vezes é necessário evitá-los”, diz Tsallis.

Ele explica que, além de estar relacionado à área de atuação, “os projetos de maior impacto ou vinculados a causas locais podem significar que o profissional está atento ao ambiente onde vive e, possivelmente, também onde trabalha”.

5. Para desenvolvimento pessoal

Para Marli, o profissional que oferece os conhecimentos da sua área em prol do social é bem visto principalmente pelas empresas que valorizam os trabalhos em responsabilidade social, “porque sabem que estará bem representada pelo profissional contratado”.
 

Suporte a Exame, por favor desabilite seu Adblock.