Estamos de cara nova! E continuamos com o conteúdo de qualidade.
Nova Exame

Como as reuniões estão estressando seu cérebro – e o remédio para isso

Time de pesquisadores da Microsoft mediu os efeitos de duas horas de reuniões em sequência no nosso cérebro, e o resultado não é bom

É mais um dia normal de trabalho na pandemia: a reunião de equipe logo cedo, depois a reunião com o cliente, outra reunião para resolver detalhes de um projeto e – surpresa! - surgiu uma reunião extra que não estava programada.  

Já ficou estressadoSegundo uma pesquisa exclusiva do Laboratório de Fatores Humanos da Microsoft, seu cérebro também está sofrendo com a enorme quantidade de reuniões virtuais. 

Juntar produtividade e qualidade de vida é possível. Descubra como no novo curso da Exame Academy

O estudo analisando as ondas cerebrais de 14 participantes confirmou o que muitos profissionais no mundo já sentiam no dia a dia: muitas reuniões em sequência causam fadiga mental.  

Os voluntários do estudo, todos funcionários da Microsoft, participaram de videoconferências enquanto usavam equipamentos de eletroencefalograma (EEG), o que monitora a atividade elétrica do cérebro. Os pesquisadores ficaram de olho nas ondas beta do cérebro, que são ligadas ao estresse.  

Cada participante do estudo passou por duas sessões diferentes de reuniões. No primeiro dia, foram quatro reuniões de meia hora agendadas na sequência. No outro dia, as reuniões foram intercaladas com intervalos de 10 minutos. 

Nesse tempo de espera, os profissionais fizeram uma breve meditação por aplicativo.  

O que o estudo conseguiu observar foi: nas reuniões sem pausas, as ondas betas aumentavam ao longo do tempo. Ou seja, o estresse se acumulava ao longo das duas horas. 

E as pequenas pausas, de apenas 10 minutos, funcionaram como uma “reinicialização” do estresse. A cada reunião, os participantes iniciavam com um nível de estresse estável.  

Dessa forma, o problema da fadiga não é necessariamente o número de reuniões, mas a forma como a agenda é estruturada. Existe um remédio simples para o cansaço das videoconferências: criar janelas de tempo entre um compromisso e o outro. 

A própria transição entre uma reunião para outra, sem fazer pausas, é um grande fator de estresse. As atividades cerebrais mostraram picos de ondas beta nessas horas.  

A ciência mostra algo que faz muito sentido. Quando o final começa a se aproximar, alguns detalhes começam a nos preocupar, como a possibilidade de a reunião atrasar e tomar tempo da outra ou a consciência de que você vai precisar trocar de tema e trabalhar em uma nova atividade. 

E isso se conecta com mais um benefício encontrado no estudo de mais um padrão de ondas cerebrais. A assimetria alfa frontal, uma comparação de atividade de ondas alfa na parte frontal do cérebro, ajuda a avaliar se as pessoas estão engajadas ou distraídas.  

Ao longo de duas horas de reuniões, os níveis de atenção foram negativos, mostrando baixo engajamentos dos participantes. Assim, o estresse prejudica o foco.  

As pequenas pausas com meditação ajudaram a manter os níveis de concentrações mais altos. 

“Nossas pesquisas mostram que os intervalos são importantes, não apenas para nos deixar menos exaustos até o final do dia, mas para realmente melhorar nossa capacidade de concentração e engajamento com essas reuniões", diz Michael Bohan, diretor sênior do grupo de Engenharia de Fatores Humanos da Microsoft, que supervisionou o projeto. 

E o que a Microsoft vai fazer com isso? Como muitas organizações usam as ferramentas de Outlook e Teams para agendar compromissos, em breve todos terão o novo padrão de agendamento que promove pausas curtas automáticas entre reuniões.

As empresas poderão ativar o recurso e escolher um intervalo no início ou no final das reuniões e o tempo dessa pauta. Pode ser 5 minutos antes de reuniões de meia hora ou 15 minutos depois de uma hora de conversa, por exemplo. 

“No mundo atual do trabalho remoto e híbrido, não basta apenas incentivar o autocuidado. Precisamos inovar e aproveitar a tecnologia para ajudar os funcionários a operacionalizar os intervalos tão necessários em suas rotinas diárias”, comenta Kathleen Hogan, Chief People Officer da Microsoft.  

Quais são as grandes tendências do mercado de trabalho? Invista na sua carreira. Assine a EXAME. 

 

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

 

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também