Bancos discutem em Davos retorno ao escritório no pós-pandemia

Os executivos que se reuniram no resort suíço mostraram que ainda há uma divergência de abordagem sobre o futuro do trabalho
Davos: esta é a primeira reunião presencial de Davos em mais de dois anos (Bloomberg / Colaborador/Getty Images)
Davos: esta é a primeira reunião presencial de Davos em mais de dois anos (Bloomberg / Colaborador/Getty Images)
Por Katherine Griffiths e Dale Crofts (Bloomberg)Publicado em 25/05/2022 13:58 | Última atualização em 25/05/2022 13:58Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Na primeira reunião presencial de Davos em mais de dois anos, os chefes de grandes bancos debateram sobre os funcionários que estão optando por trabalhar em casa após a pandemia de Covid.
Os executivos que se reuniram no resort suíço mostraram que ainda há uma divergência de abordagem sobre o futuro do trabalho, mesmo que muitos países tenham implementado programas abrangentes de vacinas e orientado as pessoas a retornarem às suas vidas normais.

Assine a EMPREENDA e receba, gratuitamente, uma série de conteúdos que vão te ajudar a impulsionar o seu negócio.

Richard Gnodde, presidente do Goldman Sachs International disse na reunião de Davos que 70% da força de trabalho do Goldman agora está normalmente no escritório em qualquer dia e que o número está “subindo”. Isso se compara a cerca de 80% ou 85% antes da pandemia.

Gnodde enfatizou que a flexibilidade sempre fez parte da abordagem do Goldman e será “absolutamente parte do futuro, mas o escritório é onde as pessoas passam muito do seu tempo”.

Para o CEO do Credit Suisse, Thomas Gottstein, não há como voltar a ser como as coisas eram. Em contraste com o que está acontecendo no Goldman, Gottstein disse: “Nunca voltaremos aos antigos 80% a 90% das pessoas no escritório”.

Cerca de 60% dos funcionários do Credit Suisse devem trabalhar no escritório de acordo com suas políticas atualizadas, disse Gottstein em entrevista no Fórum Econômico Mundial em Davos na segunda-feira. O número atual que temos é de 37%, e é “irrealista” esperar que os funcionários retornem aos seus locais de trabalho em tempo integral, disse Gottstein.

LEIA TAMBÉM: Segundo dia de Davos termina com alerta sobre crise alimentar mundial

O CEO do UBS Group, Ralph Hamers, disse que dois terços da força de trabalho provavelmente sempre trabalharão de maneira híbrida. Mas as equipes precisarão coordenar os horários em que podem estar juntas, disse Hamers. “Se você quer treinar, se quer transferir experiência, se quer planejar, então há um mérito em estarmos juntos. Mas isso não significa que você precisa estar no escritório todos os dias”, disse Hamers.

A divisão entre bancos americanos e europeus que surgiu quando as empresas começaram com o trabalho remoto continua, mostraram comentários feitos em Davos.

O Goldman se afastou das formas tradicionais, anunciando no início deste mês férias ilimitadas para funcionários seniores. Gnodde disse que a política foi projetada para garantir que essas pessoas realmente tirem férias. “Nós realmente queremos garantir que as pessoas tirem férias e tirem dias consecutivos”, disse Gnodde.

As mudanças nas práticas de trabalho no escritório e atitudes mais encorajadoras em relação às férias fazem parte de um esforço dos bancos para atrair e reter talentos. Hamers disse em entrevista em Davos que o UBS está tentando oferecer condições de trabalho flexíveis tanto para as pessoas no banco hoje quanto para as próximas gerações.

Por Katherine Griffiths e Dale Crofts (Bloomberg)

LEIA TAMBÉM: