Ballet ou balé, qual o correto? Treine seu português com a bailarina Amanda Gomes, do Bolshoi

Na coluna desta semana, o especialista Diogo Arrais homenageia a bailarina Amanda Gomes, em cartaz no Teatro Alfa com o espetáculo Giselle, enquanto também dá dicas de português
 (Reprodução/Reprodução)
(Reprodução/Reprodução)
D
Diogo Arrais, professor de português (@diogoarrais)Publicado em 13/09/2022 às 15:24.

Ballet ou balé? No Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa, continuamente atualizado pela Academia Brasileira de Letras, o registro oficial é apenas "balé".

Ballet é a grafia francesa. Dela, adaptou-se à regra dos oxítonos (tonicidade na última sílaba); o acento agudo indica, como em café, a sílaba forte.

VEJA TAMBÉM:

No meio artístico, o termo francês ballet está mais associado à dança clássica, nos títulos dos espetáculos, mas ratifico: é uma forma estrangeira.

Vale lembrar que inúmeras palavras de nossa língua vieram do francês; foram incorporadas assim: sutiã, maquiagem, abajur e tantas outras.

Bailarinos são os profissionais do balé. Aqui no Brasil, a Escola do Teatro Bolshoi tem essa belíssima missão.

Pude encher os olhos de emoção, ao ver tantos jovens brilharem no palco, no espetáculo Giselle (uma obra com quase 200 anos de história).

Como pode alguém dizer tanto, tão profundamente, sem que nenhuma palavra seja pronunciada? Conseguem esse feito a bailarina Amanda Gomes (brasileira premiada em 2018 com o Benois de la Danse), Wagner Carvalho e todo o elenco.

No primeiro ato de Giselle, o poder de dramaturgia de Amanda Gomes emana aplausos e interjeições. Todo o trabalho da bailarina é tão sinfônico como a mais fina obra clássica já percebida neste mundo. Não há exagero sobre Amanda; esta mulher brasileira irretocavelmente é a maior bailarina que já vi.

Na plateia, aprendi várias lições. A maior delas é a importância social de o Bolshoi dar voz ao sonho de tantas crianças e adolescentes. A arte salva. A arte cura.

Ratifico: esta coluna é muito mais do que um esclarecimento ortográfico. É um depoimento de um professor que, trêmulo de emoção, teve ali, ao assistir Giselle, a crença de que é possível sonhar e realizar.

Bravo, Amanda Gomes! Bravo, Bolshoi! Viva o artista brasileiro! Viva a nossa língua portuguesa!

Um grande abraço, até a próxima e inscreva-se no meu canal!

DIOGO ARRAIS
http://www.etimo.com.br
YouTube: MesmaLíngua
Professor de Língua Portuguesa

Inscreva-se e receba por e-mail dicas e conteúdos gratuitos sobre carreira, vagas, cursos, bolsas de estudos e mercado de trabalho.