Bússola
Um conteúdo Bússola

Web 3.0: entenda como está acontecendo a revolução da terceira onda da internet

Professor da FGV e especialista em inovação explica as principais mudanças no horizonte

A wb3 será a terceira geração da internet (Getty Images/Reprodução)

A wb3 será a terceira geração da internet (Getty Images/Reprodução)

Bússola
Bússola

Plataforma de conteúdo

Publicado em 1 de agosto de 2023 às 17h11.

O que é a Web 3.0?

Também chamada de Web3, é a terceira geração da internet, que é alimentada pela tecnologia blockchain. O termo 'Web3' foi criado por Gavin Wood em 2014, mas ganhou tração maior em 2021, com a revolução das criptomoedas e DeFi (finanças descentralizadas). 

“A Web3 é caracterizada por sua natureza descentralizada, o que permite uma maior propriedade e controle dos usuários sobre suas próprias informações online. Ela é vista como uma internet onde, além de participar, o usuário é o dono daquilo que está utilizando, com poder de decisão”, destaca o professor de MBA da FGV, Kenneth Corrêa, especialista em novas tecnologias, inteligência artificial e metaverso.

O Brasil tem posição de destaque no mercado de criptomoedas da América Latina. Relatório da Chainalysis aponta o país como o maior da região em termos de adoção de criptomoedas, o que mostra a sua potência em relação à Web3. 

Em 2022, a expressão Web3 esteve entre as mais comentadas na internet junto com Metaverso e NFT. Kenneth explica que “os três são conceitos-chave que estão moldando o futuro da internet e têm ligações bastante fortes um com o outro. Todos eles apontam para uma internet mais personalizada e interativa (Web3), onde os usuários podem interagir em espaços virtuais imersivos (Metaverso) com propriedade verificável de itens e experiências únicos (NFTs)”. 

As principais características da Web 3.0 incluem:

  1. Descentralização: A Web 3.0 é alimentada pela tecnologia blockchain, o que abre as portas para uma internet verdadeiramente descentralizada. Isto significa que nenhum único ator tem controle total sobre a rede. 
  2. Propriedade do usuário: Na Web 3.0, os usuários são os proprietários dos seus próprios dados e têm controle total sobre como eles são usados. 
  3. Moedas digitais: Parte da descentralização mencionada acima é a existência de criptomoedas não controladas por nenhuma organização central ou banco.

“A principal diferença entre a Web 2.0 e a Web 3.0 é a transição da centralização para a descentralização. Enquanto a Web 2.0 foi marcada por uma comunicação bidirecional entre usuários e plataformas com poucos atores grandes (como Google, Meta e Amazon) detendo a maior parte do poder de controle, a Web 3.0 visa devolver esse poder de controle para os usuários”, pontua Kenneth. “Na Web 2.0, qualquer um podia ser um produtor de conteúdo, mas ainda era dentro de uma estrutura controlada por poucas e grandes empresas. Já a Web 3.0 busca uma descentralização e independência, na qual não só se participa, mas o usuário é dono e tem poder de decisão sobre seus conteúdos e dados”.

Como a Web 3.0 impacta a sociedade e o mercado?

Quais são os benefícios e oportunidades que a Web 3.0 proporciona? Kenneth explica. “Na Web 3.0, os principais beneficiados são, em teoria, todos os usuários da internet. Listo abaixo algumas categorias principais:

  1. Usuários Comuns: A Web 3.0 se esforça para colocar a propriedade e o controle dos dados nas mãos dos usuários, em vez de grandes corporações, permitindo uma maior privacidade e segurança.
  2. Criadores de conteúdo: NFTs permitem que artistas e criadores verifiquem a autenticidade e propriedade de suas obras, o que pode resultar em novos fluxos de receita e um controle mais rígido sobre o uso de seu trabalho.
  3. Empresas e Organizações: A tecnologia blockchain permite uma maior transparência e eficiência para empresas e organizações. Isso pode ser especialmente útil em casos de uso como cadeias de suprimentos, onde a rastreabilidade e a confiabilidade são essenciais.
  4. Comunidade de Software Livre e de Código Aberto: A Web 3.0 está sendo construída sobre princípios de código aberto. Essa comunidade pode se beneficiar com a transformação digital, pois ela provavelmente necessitará de suas habilidades de programação e desenvolvimento.
  5. Investidores e Especuladores: Aqui, o metaverso e os NFTs entram. Com a crescente popularidade das criptomoedas e dos tokens não fungíveis, há uma oportunidade significativa para investidores e especuladores capitalizarem sobre essas novas tecnologias.”

Quanto ao impacto no mercado, Kenneth explica que estão ocorrendo mudanças significativas em várias indústrias. “Isso inclui uma mudança na economia digital, com novos modelos de negócios emergindo que se centram na propriedade do usuário, na personalização e na interação imersiva. Empresas que não se adaptarem a essa nova realidade podem encontrar-se rapidamente desatualizadas. Além disso, a vizinhança entre Web3, Metaverso e NFTs tem o potencial de criar mercados inteiramente novos e oportunidades de negócios, desde o desenvolvimento de tecnologia de realidade virtual, aumentada e mista, até a curadoria de arte digital e muito mais”, diz o especialista.

O cenário é positivo e promissor no Brasil para a Web3, mas o país ainda encara alguns desafios, como as barreiras de informação sobre o potencial dessas tecnologias quando se fala da população em geral, e a aceleração do desenvolvimento da tecnologia no território. “Embora a Web 3.0 ofereça várias oportunidades, também há desafios significativos que precisam ser superados, incluindo questões relacionadas à governança, igualdade de acesso e distribuição de riqueza digital”, conclui Kenneth Corrêa.

*Kenneth Corrêa é professor de MBA da FGV e Diretor de Estratégia da agência 80 20 Marketing

Siga a Bússola nas redes: Instagram | Linkedin | Twitter | Facebook | Youtube

Veja também

A era da conexão inteligente: tecnologias que transformam o dia a dia do RH

O elo entre Inteligência Artificial e eficiência em vendas

Real Digital: O que é o Hyperledger BESU?

Acompanhe tudo sobre:NFTWeb3Internet

Mais de Bússola

Virgínia Garcia: como Edutainment e Streaming podem revolucionar o ensino bilíngue no Brasil

Pulse DOOH: uma análise das tecnologias emergentes

Bússola Poder: só a política explica

Rio Innovation Week projeta movimentar mais de R$ 2,6 bilhões e espera 150 mil pessoas 

Mais na Exame