Bússola

Um conteúdo Bússola

Venda de genéricos cresce 13% ao ano no Brasil ante 5% em países desenvolvidos

Pesquisa da consultoria A&M aponta estimativa de expansão de até 18% ao ano para esse mercado, alavancando também a cadeia logística no país

Os gastos da população mais que triplicaram (Zhang Xun/Getty Images)

Os gastos da população mais que triplicaram (Zhang Xun/Getty Images)

Bússola
Bússola

Plataforma de conteúdo

Publicado em 8 de novembro de 2023 às 07h00.

Um levantamento feito pela HIG (Health Industry Group) da A&M, empresa global de consultoria empresarial, aponta que o mercado mundial de medicamentos vem crescendo agressivamente. Em 20 anos, de 2002 para 2022, os gastos da população mais que triplicaram, saltando de US$ 428 bilhões para US$ 1,4 trilhão, de acordo com a IQVIA, não incluindo as vacinas contra Covid, adquiridas a partir do final de 2020.

No Brasil, segundo o diretor de estratégia da consultoria, Gian Di Gregorio, o crescimento esperado para os próximos cinco anos, em reais, é estimado em entre 15% e 18% por ano. “A expectativa é que esse forte crescimento continue, sustentado na força dos genéricos, que vêm ganhando share na receita total dos medicamentos desde 2018. Da mesma forma, os medicamentos de marca têm ventos favoráveis de performance por novidades, por exemplo, nas linhas terapêuticas de oncologia e antidiabéticos”, avalia o especialista.

Ainda segundo a pesquisa, entre 2017 e 2021, o faturamento apenas com genéricos registrou alta de 60%, com taxa de crescimento anual (CAGR) de quase 13%. Na avaliação de Di Gregorio, é uma tendência que vem sendo observada no mundo inteiro. Nos países desenvolvidos, por exemplo, o crescimento médio, segundo ele, é de 5% ao ano, independentemente dos efeitos da pandemia.

Ele aponta ainda que um dos principais fatores para o crescimento do gasto em medicamentos, “talvez o principal", é o preço desses produtos, seja por tecnologias complexas utilizadas na produção, maior valor agregado dos produtos ou disponibilidade de tratamentos para doenças que, no passado, não podiam ser atendidas.

Logística em alta

Para estes medicamentos chegarem ao consumidor final, os distribuidores têm papel cada vez mais relevante, ampliando a participação também nesse mercado para atender à demanda crescente. De acordo com o diretor de estratégia da A&M, o segmento cresceu a uma taxa de 6% a.a., de 2015 a 2022, segundo o Anuário Estatístico do Mercado Farmacêutico. A Viveo, por exemplo, viu sua receita líquida saltar de R$ 2,6 bilhões, em 2018, para R$ 10,4 bilhões, em 2023. Já a Elfa, saiu de R$ 709 milhões, em 2017, para R$ 5,9 bilhões, seis anos depois. “Esses são os dois principais players do mercado de distribuição e representam, hoje, 15% do setor”, de acordo com análise do especialista.

Siga a Bússola nas redes: Instagram | Linkedin | Twitter | Facebook | Youtube

Veja também

Rede Santa Catarina investe em estudos clínicos

Outubro Rosa: quais os efeitos colaterais na pele durante tratamento oncológico?

Confira 7 dicas para vestibulandos que procuram manter o foco e a saúde

Acompanhe tudo sobre:RemédiosSetor de saúde

Mais de Bússola

Bússola Poder: o tribunal eleitoral do capitão

Open Finance é confiável? Cresce 33% número de brasileiros que aceitam compartilhar dados bancários

Saiba qual é o gasto de energia da geladeira mais econômica do mercado que acaba de ser lançada

Saiba em quais cidades é melhor contar com um carro alugado

Mais na Exame