Um conteúdo Bússola

Veja as principais tendências energéticas para caminho net zero

Com descarbonização como prioridade, empresa lança dicas para ajudar mineradoras na agenda de net zero
Empresas de geração de energia auxiliam as mineradoras em seus caminhos respectivos para emissões net zero (Alexandros Maragos/Getty Images)
Empresas de geração de energia auxiliam as mineradoras em seus caminhos respectivos para emissões net zero (Alexandros Maragos/Getty Images)
B
BússolaPublicado em 13/02/2022 às 15:04.

Por Matteo Sarubbi*

Com a descarbonização como prioridade das agendas da indústria de mineração, Aggreko, líder mundial no fornecimento de soluções de energia móvel e modular, lançou suas principais dicas para ajudar essas organizações a descarbonizar agora e no futuro.

Rod Saffy, o chefe Global de Mineração da Aggreko, disse que enquanto algumas mineradoras estavam abraçando a transição energética global, alguns estavam inseguros por onde começar. “Muitos ainda podem estar ponderando sobre o custo, o risco e a ameaça de novas tecnologias no futuro”, disse Saffy.

“Felizmente, o cenário não é o mesmo de cinco ou mesmo dois anos atrás. Algumas das tecnologias renováveis disponíveis hoje, junto com a geração de energia térmica em uma solução híbrida, oferecem os mesmos — se não melhores — níveis de confiabilidade e competitividade que a tecnologia térmica tradicional”.

Saffy ainda afirma que as empresas de geração de energia estão tomando medidas significativas para apoiar as mineradoras em seus caminhos respectivos para emissões net zero. “Cada vez mais, as empresas de energia estão oferecendo energias renováveis, como a energia solar e eólica, a minas fora da rede, e frequentemente integramos aquelas com soluções de armazenamento de baterias e micro redes térmicas”, comenta.

Se você considerar uma solução de energia híbrida — onde você muda de energia renovável para um mix de energia ao lado de combustíveis fósseis — sua operação será mais flexível e poderá escalar alternadamente para cima e para baixo conforme necessário.

“Nossa abordagem significa que as mineradoras também podem fazer parceria conosco a longo prazo sem estarem presos a um tipo de combustível para sua fonte de energia. Além disso, novas tecnologias são introduzidas à medida que se tornam viáveis. A integração de energias renováveis desta maneira resultará em maior economia e eficiência para seu projeto”.

Uma solução de energia híbrida (solar e térmica) entregue pela Aggreko para uma mina de ouro remota na África resultou em mais de 12% de economia de combustível (cerca de dez mil litros por dia) e o contrato mostra que a mineradora não teve que levantar capital para investir na planta solar. Um outro exemplo em que Aggreko estava trabalhando, de acordo com Saffy, era uma solução solar híbrida e de energia térmica para a mina a céu aberto de Salares Norte, no Chile.

“É uma solução pioneira projetada para fornecer energia para toda a mina que fica a uma altitude de 4.500 metros na Cordilheira dos Andes e com distância de 190 km da cidade mais próxima. Uma vez concluída, espera-se que a usina híbrida alcance US$ 7,4 milhões em economia de energia na próxima década, mais US$ 1,1 milhão em imposto de carbono compensado durante a vida útil da mina, além de 104 mil toneladas de economia de emissões de carbono”.

Ele ainda acrescenta: “O sistema ultrapassará os padrões ambientais do governo chileno, bem como a exigência de Gold Fields de um mínimo de 20% de geração de energia renovável para operações de mineração.”

Saffy comenta que os caminhos para a descarbonização que mais atraíram as mineradoras são:

Centrais elétricas híbridas (como já mencionadas): Essas combinam energias renováveis (por exemplo solar, eólica) com geração térmica e armazenamento de baterias, beneficiando áreas com acesso limitado ou nenhum acesso à energia permanente. Essas são geralmente competitivas em termos de custos. Uma vez que as usinas solares ou eólicas estiverem instaladas, seus custos de operação de geração são relativamente baixos e com emissões zero.

Gasodutos virtuais: A geração de energia a gás oferece uma alternativa mais ecológica e econômica ao diesel e ao óleo combustível pesado. Um gasoduto virtual é um substituto, e uma alternativa, para um gasoduto físico. O gás é transportado como GNL ou GNC até o ponto de utilização por via marítima, rodoviária ou ferroviária. Para as minas não conectadas a um gasoduto físico e que buscam mudar do fornecimento diesel, para o de gás, um modelo de gasoduto virtual simplesmente imita sua solução atual de abastecimento. Para os usuários que estão conectados a um gasoduto, mas que procuram complementar a capacidade insuficiente ou não confiável do gasoduto, a solução de gasoduto virtual tem várias vantagens em relação ao diesel.

Energia renovável: Os sistemas de energia renovável são uma forma eficaz de explorar recursos naturais para fornecer energia, tais como parques eólicos, energia hidrelétrica e solar. O desafio é sua confiabilidade em relação às condições climáticas, por isso, se a energia é interrompida por qualquer razão, é importante garantir que eles sejam apoiados por baterias ou por uma solução temporária de energia térmica.

Um combustível significativo no futuro neste espaço será o hidrogênio. O investimento em hidrogênio também está aumentando devido ao papel que ele pode desempenhar no apoio a uma transição global para o net zero. Sua versatilidade e compatibilidade com os fornos, motores, e geradores existentes o tornam particularmente atraente para a indústria de mineração. As empresas ao redor do mundo estão no início de suas jornadas com o hidrogênio e precisam ser apoiadas para encontrar as melhores maneiras de integrá-lo em suas operações.

Saffy diz que as fontes de energia que provavelmente se tornarão mais prevalentes na mineração durante os próximos dez anos incluem biocombustíveis (que se tornaram menos caros), energia hidrelétrica, armazenamento de energia e geração de gás que funciona com um sistema híbrido renovável. Embora seja cada vez mais utilizada agora, espera-se que as energias eólica e solar ganhem mais força.

A Aggreko também está experimentando soluções eólicas móveis, painéis solares implantáveis e energia das ondas das marés (embora a energia das ondas das marés possa ainda não ser para a indústria de mineração). A empresa também está acelerando seus investimentos na tecnologia do hidrogênio.

Estão em andamento na Europa testes de duas tecnologias diferentes, onde a Aggreko está colaborando com clientes líderes e parceiros que estão experimentando o hidrogênio geradores e híbridos de baterias de células combustíveis.

“É um momento muito emocionante no setor de mineração, e será incrível ver as inovações apresentadas durante os próximos anos enquanto mineradoras e empresas de energia colaboram e apresentam novas ideias para um futuro mais verde. A chave, porém, é começar já — você pode abraçar agora as energias renováveis em seu mix energético porque, se você o fizer corretamente, você pode reduzir custos e emissões sem comprometer a confiabilidade”, afirma Saffy.

Aggreko tem suas próprias metas net zero até 2050 e tem meta de reduzir o uso de diesel em suas soluções para clientes em 50% até 2030.

*Matteo Sarubbi é Head of Commercial Latin America da Aggreko

Siga a Bússola nas redes: Instagram | LinkedInTwitter | Facebook | Youtube

Veja também