Um conteúdo Bússola

"Vale a pena ver de novo" dá o tom do início da CPI da Covid

Silêncio do Pazuello foi eloquente; general ganhou tempo, mas não tem como fugir dessa batalha
Início da CPI da Pandemia não trouxe maiores sustos para o governo (Edilson Rodrigues/Agência Senado)
Início da CPI da Pandemia não trouxe maiores sustos para o governo (Edilson Rodrigues/Agência Senado)
D
Da Redação

Publicado em 06/05/2021 às 09:53.

Última atualização em 06/05/2021 às 09:55.

Por Márcio de Freitas*

Não houve susto maior para o governo no início dos trabalhos da CPI da Pandemia. O que se colheu em depoimentos até agora foi uma espécie de "vale a pena ver de novo”, com  críticas e algumas repetições de histórias – vertidas até em páginas de livros.

O silêncio do general Eduardo Pazuello, ex-ministro da Saúde, foi mais eloquente para as oposições e os teóricos da conspiração que os depoimentos dos outros dois ocupantes do cargo no governo Bolsonaro, Luiz Mandetta e Nelson Teich. Ambos saíram do governo por discordâncias sobre o que pensava e fazia o presidente Jair Bolsonaro.

Curiosamente, o general alegou contato com militares sob suspeita de estarem com a 
covid-19 para não depor no Senado Federal. A justificativa soou como uma máscara postiça improvisada, lançou suspeitas sobre o estado de nervos de Pazuello ou em relação à capacidade de dar respostas às questões da CPI.

Pazuello é general, treinado para combates e uso de armas em situações extremas. Foi comandante na Amazônia, onde os militares convivem com natureza inóspita e têm de enfrentar condições bastante adversas. Chefiou a Operação Acolhida, com políticos de matizes diversos, venezuelanos e brasileiros em conflito aberto em Roraima. E saiu ileso.

A instabilidade emocional não combina com o perfil do general. Se há medo, é o de ver o general em ataque aberto aos senadores… E as consequências disso.

Sobre os questionamentos sobre o desempenho técnico no setor de saúde durante a pandemia, é outro assunto bem diferente… essa será uma prova que o Pazuello terá de vencer. E será na CPI. Pode ganhar tempo, mas essa não será uma batalha de Itararé.

 

*Márcio de Freitas é analista político da FSB Comunicação

 

Siga Bússola nas redes: Instagram | LinkedinTwitter  |   Facebook   |  Youtube